Avaliação: Citroën C3 automático ganha conforto com seis marchas

O Citroën C3 estreia novo câmbio e se beneficia do maior número de marchas

6130

O conforto do Citroën C3 é de fazer inveja em alguns rivais. E sua dirigibilidade macia é uma das qualidades desse pequeno “tapete voador”. Só faltava um câmbio automático mais eficiente. Faltava! Isso ficou no passado, pois a nova transmissão de seis marchas veio substituir e corrigir os deslizes da antiga de apenas de quatro velocidades. Ela virá sempre conectada ao motor VTi 120 1.6 nas versões Attraction (R$ 58.540), que é novidade na linha 2018, Tendance (R$ 61.940) e Exclusive (R$ 65.490).

Feita pela japonesa Aisin e importada da Europa, caiu como uma luva no C3. Afinal, as duas marchas a mais permitiram ao motor “milisseis” trabalhar mais solto, proporcionando maior prazer de dirigir e menor consumo. Segundo a Citroën, em busca de mais linearidade e menor aspereza, houve uma nova calibração do pedal do acelerador e do conjunto motor/câmbio — a potência passou de 122 para 118 cv com etanol.

O funcionamento da nova transmissão agrada tanto pela suavidade quanto pelas trocas breves (a quinta já está engatada a 50 km/h) e pela ausência de trancos. Na cidade, a primeira e a segunda marcha curtinhas, junto dos 80% de torque a partir de 1.500 rpm, garantem ágeis saídas de semáforos e boas retomadas. O C3 também seduz no uso urbano pela direção leve ao esterço e pelas suspensões macias, responsáveis por filtrar e absorver muito bem as irregularidades do asfalto.

Essa transmissão de seis velocidades também provou sua eficiência na estrada. A 100 km/h, o ponteiro do conta-giros repousa nas 2.500 rpm (120 km/h a 3.000 rpm), cooperando no conforto acústico dos ocupantes. Com o modo Eco do câmbio acionado, que altera as passagens de marchas deixando as respostas mais comedidas e privilegiando o consumo (5% melhor na comparação com a transmissão anterior de quatro velocidades), o computador de bordo informou um bom consumo de 15,7 km/l, quando abastecido com gasolina. Já quem quiser uma pitada de esportividade pode escolher pela função Sport para as marchas serem trocadas em rotação mais alta ou fazer mudanças sequenciais pela alavanca. É inegável que essa evolução fez bem ao C3. Um trunfo, principalmente frente ao seu primo e compatriota Peugeot 208 (ainda equipado com caixa automática de quatro marchas). Que esse casamento entre motor e câmbio seja duradouro no Citroën C3!

Citroën AirCross

Assim como o C3, o Citroën AirCross também recebeu uma injeção de ânimo ao adotar a nova transmissão automática de seis marchas da japonesa Aisin. Outra novidade dentro da família AirCross é a saída da motorização 1,5 litro. O carro agora só é vendido com motor 1.6 de 115/118 cv (g/e). Já em conforto e em conveniência, a central multimídia com tela de 7” passa a ser um item de série na gama composta pelas versões Live AT6 (R$ 67.990) e Shine AT6 (R$ 76.400). A nova cor externa dark carmin (já oferecida na linha do Peugeot 208) também é encontrada no C3.

FICHA TÉCNICA

Citroën C3 1.6 Auto Exclusive

Preço básico: R$ 58.540
Carro avaliado: R$ 65.490
Motor: 4 cilindros em linha 1.6, 16V, comando variável
Cilindrada: 1587 cm3
Combustível: flex
Potência: 115 cv a 5.750 rpm (g) e 118 cv a 5750 rpm (e)
Torque: 16,1 kgfm a 4.000 rpm (g) e 16,1 kgfm a 4.750 rpm (e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,944 m (c), 1,708 m (l), 1,521 m (a)
Entre-eixos: 2,460 m
Pneus: 195/55 R16
Porta-malas: 300 litros
Tanque: 55 litros
Peso: 1.202 kg
0-100 km/h: não divulgado
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 10,9 km/l (g) e 7,6 km/l (e)
Consumo estrada: 13,2 km/l (g) e 9,3 (e)
Emissão de CO2: 113 g/km
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: B (compacto)

blog comments powered by Disqus