Avaliação: um desfile a céu aberto a bordo do Camaro Conversível

O Chevrolet Camaro Conversível é curtição pura. Um convite para curtir os dias ensolarados acelerando 461 cv de potência

3279

É impossível não comentar sobre o quanto o Chevrolet Camaro é cativante. Ele desperta nas pessoas um sentimento unânime de admiração e de cobiça – algo difícil de explicar. Se a versão SS Coupé já causa um frenesi pelas ruas, na sua variante conversível tudo é mais intenso. As pessoas te olham (até indiscretamente), comentam, apontam… Como já disse, só uma Ferrari ou qualquer outro superesportivo para causar tamanha comoção nas ruas.
As inovações da sexta geração do Camaro começam pela nova plataforma Alpha da Cadillac, compartilhada com os modelos ATS e CTS, que substituiu a de Holden Commodore (o Omega Australiano).

As dimensões estão mais compactas e, segundo a Chevrolet, cerca de 70% dos componentes da arquitetura foram desenvolvidos especificamente para o modelo. O peso foi de 1.916 kg para 1.798 kg (no Coupé, 1.709 kg). Essa diferença vem do mecanismo da capota de lona. Ao contrário do antecessor, agora o sistema pode abrir ou fechar eletricamente em velocidades de até 50 km/h. Antes, era preciso estar parado e com a alavanca de câmbio na posição P (Parking). Com o teto recolhido e dirigindo rapidamente é possível manter uma conversa sem elevar o tom de voz. E curtindo a sinfonia produzida pelo motor aspirado V8 6.2 (compartilhado com o Corvette Stingray) com injeção direta e sistema de exaustão tubular em “Y”.

Os números foram de 406 cv e 56,7 kgfm para 461 cv de potência e 62,9 kgfm de torque. Ou seja, 55 cv e 7 kgfm a mais. Pensando em eficiência, dependendo da situação, o sistema AFM (Active Fuel Management) desliga quatro dos oito cilindros para poupar combustível. A transmissão automática de oito velocidades (antes eram seis) passa ou reduz rapidamente as marchas, contribuindo para o ótimo desempenho. A tração continua traseira e o Camaro arranca com voracidade. Embora bruto, ele está mais “doce”, graças à dinâmica aprimorada. A caixa de direção com assistência elétrica transmite respostas rápidas, enquanto as suspensões estão 12 kg mais leves.

O acerto deixou o carro mais baixo, entre os benefícios, possibilitando contornar as curvas com mais precisão. Pela primeira vez, o Chevrolet ganha um seletor de modo de condução incluindo os programas Passeio, Esportivo, Neve e Pista. Eles alteram alguns parâmetros do carro, como pedal do acelerador, respostas da direção e transmissão, entre outros. E para segurar o fôlego do Camaro, os freios são da renomada Brembo. Enfim, o Camaro está muito mais na mão. E ainda pode ser usado no dia a dia, pois não é duro demais. Na cidade, só é preciso cuidado com as valetas e os buracos. O Camaro conversível custa R$ 338.000 (em 2014, quando chegou na geração anterior, tinha preço de R$ 239.900).

—–

Ficha técnica:

Chevrolet Camaro SS Conversível

Preço básico: R$ 338.950
Carro avaliado: R$ 338.000
Motor: 8 cilindros em V 6.2, 16V, injeção direta, sistema de desativação de cilindros
Cilindrada: 6162 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 461 cv a 6.000 rpm
Torque: 62,9 kgfm a 4.400 rpm
Câmbio: automático sequencial, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e multilink (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: traseira
Dimensões: 4,784 m (c), 1,897 m (l), 1,340 m (a)
Entre-eixos: 2,812 m
Pneus: 245/40 R20 (d) e 275/35 R20 (t)
Porta-malas: 208 litros
Tanque: 72 litros
Peso: 1.798 kg
0-100 km/h: 4s2
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 6,3 km/l
Consumo estrada: 9,1 km/l
Emissão de CO2: 190 g/km
Nota do Inmetro: E
Classificação na categoria: C (esportivo)

blog comments powered by Disqus