Avaliação: Honda HR-V não é perfeito, mas não lidera à toa

13990

Lançado em março de 2015, o HR-V assumiu a liderança da categoria já no mês seguinte. Fechou 2015 na frente e, este ano, segue como mais vendido. Alguns o criticam por ser um “hatch elevado”, mas é em grande parte disso que se trata um crossover. Carroceria e posição de guiar mais altos se combinam com espaço e praticidade de um carro familiar, sem os mesmos sacrifício da estabilidade e valentia off-road que se vê em um SUV. Baseado no Fit, o HR-V é feito para o asfalto: o visual é aventureiro, mas o que oferece não vai muito além das suspensões mais robustas para encarar buracos e valetas.

Ao volante, o baixo consumo do motor 1.8 e o comportamento dinâmico agradam, mas o isolamento acústico deficiente deixa entrar muito ruído na cabine. A direção é bem acertada e as suspensões são robustas, mas um pouco duras. O câmbio CVT é mais ágil que a média nas saídas e ajuda a garantir boas acelerações e retomadas, porém quem gosta de guiar esportivamente vai querer usar as borboletas no volante para trocas sequenciais, entre as sete marchas simuladas.

Na linha 2017, o HR-V EX ganhou ar-condicionado automático digital e a tal opção de trocas manuais, antes exclusiva do EXL. É a que recomendamos. Porém, por custar R$ 93.000, deveria ter bancos de couro e sua central multimídia deixa a desejar (tela pequena, incompatível com Android Auto e Apple CarPlay). E embora tenha controle de estabilidade e auxílio em rampas, traz só dois airbags; os laterais e os faróis automáticos surgem na EXL e os de cortina, sensores de chuva e estacionamento e retrovisor eletrocrômico, apenas na Touring, nova versão que chega em março adicionada, ainda, de faróis e lanternas de LED – mas que deve custar quase R$ 110.000.

E aí voltamos ao problema dos preços: assim como as demais versões custam mais e/ou são menos equipadas que os rivais, a Touring deve ser mais cara até que um Jeep Compass Flex Longitude, que é mais espaçoso, potente, refinado e equipado (leia na pág. 42). Por enquanto, a questão dos preços não foi suficiente para atrapalhar as vendas do HR-V, ajudadas pela força e pela confiabilidade da marca. Mas os rivais estão se mexendo, e o HR-V pode acabar perdendo sua posição.

—–

Ficha técnica:

Honda HR-V EX CVT

Preço básico: R$ 79.900
Carro avaliado: R$ 101.400
Motor:
4 cilindros em linha 1.8, 16V, comando variável, válvulas com abertura ajustável (VTEC)
Cilindrada: 1799 cm3
Combustível: flex
Potência: 140 cv a 6.500 rpm (g) e 139 cv a 6.300 rpm (e)
Torque: 17,3 kgfm a 4.800 rpm (g) e 17,4 kgfm a 5.000 rpm (e)
Câmbio: automático CVT com 7 marchas simuladas, modos Low e Sport
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,294 m (c), 1,772 m (l), 1,586 m (a)
Entre-eixos: 2,610 m
Pneus: 215/55 R17
Porta-malas: 437 a 1.010 litros
Tanque: 51 litros
Peso: 1.270 kg
0-100 km/h: 11s5 (g) e 10s8 (e)*
Velocidade máxima: 185 km/h (g)*
Consumo cidade: 10,5 km/l (g) e 7,1 km/l (e)
Consumo estrada: 12,2 km/l (g) e 8,6 km/l (e)
Nota do Inmetro: C
Emissão de CO2: 120 g/km
Classificação na categoria: A (Utilitário Esportivo Compacto)