Avaliação: O Mercedes-Benz Classe E faz tudo sozinho

6107

Não vou começar este texto pelo visual renovado, luxo e desempenho dessa décima geração do Classe E. Tudo nele fala por si só. Aliás, é um best-seller, com mais de onze milhões de unidades mundialmente vendidas. No Brasil, esse Mercedes concorre com os rivais Audi A6 e BMW Série 5. Mostrado no Salão de Detroit deste ano, nos Estados Unidos, o novo Classe E ganhou importantíssimos sistemas e recursos de segurança, deixando-o (quase) autônomo. Só não é devido à legislação.

A maior inovação desse sedã de luxo está no Intelligent Drive, com uma série de sensores e câmeras que deixam o motorista praticamente como um “coadjuvante” se ele assim o desejar. Ver o volante se movimentando sozinho e o carro tomando as decisões é estar um passo à frente, no futuro. O Classe E é o “garoto propaganda” das novas tecnologias da Mercedes-Benz. Todos os equipamentos presentes no pacote Intelligent Drive foram desenvolvidos para evitar/minimizar ao máximo os acidentes.

Infelizmente, alguns desses recursos não estarão disponíveis no Brasil, onde o modelo chega no último trimestre deste ano (ainda sem versão definida). Um deles é Speed Limit Control, que, ao ajustar o piloto automático, lê as placas de sinalização e reduz a velocidade automaticamente para respeitar o limite da via. Por aqui, ele não irá funcionar devido à falta de padronização das placas de trânsito. A sensação de segurança ainda é garantida pelo Distance Pilot Plus, que regula a distância e a velocidade programada do veículo à frente.

Ele retoma a aceleração após 30 segundos de uma parada total, como em semáforos, sem necessidade de acionar o acelerador. Outra tecnologia é o Steering Pilot, que mantém o carro automaticamente na trajetória, fazendo a leitura das faixas no chão ou, na ausência delas, do veículo à frente. Com a sinalização visível na via, o limite máximo será de 210 km/h – ou 130 km/h, por segurança, se o sistema estiver seguindo o veículo à frente. Já o Active Lane Change Assist (que também não estará disponível no Brasil) faz com que o novo Mercedes Classe E faça sozinho uma manobra de ultrapassagem, retornando à faixa inicial após o condutor acionar a seta e iniciar o movimento de girar o volante. É impressionante.

Também autônomo é o Active Emergency Stop Assist, que emite alertas sonoros e visuais se não houver reação no volante por 60 segundos. Se essa condição se mantiver, a velocidade é reduzida para 60 km/h e, caso o condutor siga sem fazer movimentos no volante, o carro para totalmente e a liga os piscas, identificando que o motorista pode não estar consciente. É novidade ainda o Active Braking Assist, freando caso um objeto cruze na frente do veículo e este esteja a até 70 km/h.

Como se tudo isso não bastasse, o Classe E ainda têm o Evasive Steering Assist (ajuda a fazer desvios de objetos mais lentos ou parados na via), o Active Emergency Stop Assist (frenagem emergencial até 100 km/h para evitar colisões), o Lane Keeping Assist (caso o motorista invada a outra faixa, os freios são acionados trazendo o carro de volta), o assistente de pontos cegos, o Pre-Safe Plus (prepara os ocupantes para uma colisão eminente) e um dispositivo que intervém caso o motorista faça uma ultrapassagem perigosa, retornando para a faixa inicial.

Vale destacar que, para todos esses componentes, ainda cabe ao condutor a opção de se sobrepor aos sistemas e assumir o comando. Essa atualização visual do Classe E se assemelhou muito à do Classe C, porém, um dos destaques está nos novos faróis com 84 LEDs eletronicamente controlados, além de novas lanternas. Ao entrar na cabine, o motorista nota que o interior é parecido com o do Classe S, com telas de alta definição e saídas de ar circulares. O volante passa a ter botões sensíveis ao toque.

Já a central multimídia tem interface muito intuitiva e interação com Apple CarPlay e Android Auto. É possível ainda usar o smartphone como chave para ligar e trancar o veículo, acessar funcionalidades (nível de combustível, fechar as janelas, mandar um endereço para o GPS) e até estacionar e sair de vagas paralelas e perpendiculares por meio de movimentos circulares na tela. Ao terminar a operação, o motor é desligado e as portas trancadas. Toda essa tecnologia ajuda, mas pode deixar o motorista mal acostumado!

—–

Ficha técnica:

Mercedes-Benz E 300

Preço básico: R$ 280.000 (estimado)
Carro avaliado: R$ 280.000 (estimado)
Motor: 4 cilindros em linha 2.0, 16V, turbo, injeção direta, duplo comando variável, start-stop
Cilindrada: 1991 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 248 cv a 5.500 rpm
Torque: 37,7 kgfm entre 1.300 e 4.000 rpm
Câmbio: automático, nove marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e multi-link (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: traseira
Dimensões: 4,923 m (c), 1,852 m (l), 1,468 m (a)
Entre-eixos: 2,939 m
Pneus: 245/40 R19
Porta-malas: 530 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 1.680 kg
0-100 km/h: 6s3
Velocidade máxima: 249 km/h
Consumo cidade: 10,6 km/l*
Consumo estrada: 14,4 km/l*
Emissão de CO2: sem dados
Nota do Inmetro: não participa

blog comments powered by Disqus