Avaliação: Porsche Panamera tem espírito de 911

3435

Completamente mudado da dianteira até a traseira, o Porsche Panamera não só ganhou aperfeiçoamentos mecânicos, mas também visuais, que o deixaram mais próximo do cultuado modelo 911. Depois de aparecer no Salão de São Paulo, em novembro de 2016, a segunda geração do cupê de quatro portas chegou nas versões Panamera 4S (R$ 758.000), Panamera 4S Executive (R$ 807.000), que tem entre-eixos alongado em 15 cm, e Panamera Turbo (R$ 981.000). Segundo o fabricante, no ano passado, foram comercializadas 20 unidades do Panamera no Brasil.

Um Porsche de quatro portas sim! Como os crossovers Cayenne e Macan, ele preserva a dirigibilidade dos carros de Stuttgart. O novo Panamera oferece duas opções de motores biturbo, agora retrabalhados. O propulsor das versões 4S é um V6 2.9 de 440 cv e 44,9 kgfm (20 cv e 3 kgfm a mais que o antigo), enquanto o V8 4.0 do Turbo entrega 550 cv e 78,5 kgfm (30 cv e 7,1 kgfm extras sobre o “V-oitão” antigo).

Ao pressionar o pedal do acelerador, o Panamera Turbo responde com um “soco no peito”. As reações são rápidas. E o ronco do escape associado ao assobio dos turbos é música para os ouvidos, tanto nas acelerações quanto nas desacelerações. Entre as modificações mecânicas estão os turbocompressores no centro do “V” do bloco, que melhoraram o fluxo de gases – e o turbo lag (retardo na resposta) foi diminuído com um sistema de pré-tensionamento. Além disso, agora o V8 4.0 pode desativar quatro de seus oito cilindros, reduzindo o consumo e também a emissão de poluentes.

Se a ideia é extrair o máximo de desempenho, há o controle de largada, enquanto o seletor giratório no volante traz os modos de condução (Normal, Sport, Sport Plus e Individual), que alteram alguns parâmetros, como caixa de direção, motor, câmbio, suspensão pneumática e controle de estabilidade. E não é só isso. O botão Sport Response (presente também no 911), quando acionado, deixa por 20 segundos as respostas do Panamera Turbo mais imediatas e diretas. Já o excelente câmbio de dupla embreagem PDK (Porsche Doppelkupplung) passa a ter oito ao invés de sete marchas. A velocidade máxima de 306 km/h é atingida em sexta.

A suspensão pneumática possui componentes de alumínio, permitindo ajustar a altura e a rigidez dos amortecedores. Ela também minimiza o efeito mergulho da carroceria durante as frenagens – os freios de cerâmica são oferecidos opcionalmente por incríveis R$ 51.796. E nem parece que o Panamera mede mais de 5 metros de comprimento, devido à sua rapidez nas mudanças de trajetória. Aliás, ele devorou as curvas da pista do Haras Tuiuti, no interior de São Paulo, grudado no chão.

O sistema de rodas traseiras esterçantes, que estreou no novo 911, é um opcional um pouco mais em conta (R$ 10.347). Em baixa velocidade, as rodas dianteiras e traseiras viram em sentidos opostos, encurtando virtualmente o entre-eixos e facilitando as manobras. Já em velocidades mais altas, ambos os eixos esterçam no mesmo sentido garantindo maior estabilidade. As rodas da versão Turbo passam a ter aro 21. Com tudo isso, o Panamera poderia passar facilmente por um 911, só que com quatro portas.


Ficha técnica:

Porsche Panamera Turbo

Preço básico: R$ 981.000
Carro avaliado: R$ 981.000
Motor: 8 cilindros em V 4.0, 32V, biturbo, injeção direta, start-stop
Cilindrada: 3996 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 550 cv de 5.760 a 6.000 rpm
Torque: 78,5 kgfm de 1.960 a 4.500 rpm
Câmbio: dupla embreagem PDK, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e multi-link (t)
Freios: Discos ventilados (d/t)
Tração: integral
Dimensões: 5,049 m (c), 1,937 m (l), 1,427 m (a)
Entre-eixos: 2,950 m
Pneus: 275/35 R21 (d) e 315/30 R21 (t)
Porta-malas: 495 litros (1.304 litros com o banco rebatido)
Tanque: 90 litros
Peso: 1.995 kg
0-100 km/h: 3s8 (3s6 com pacote Sport Chrono)
Velocidade máxima: 306 km/h
Consumo estrada: 9,6 km/l
Consumo cidade: 6,5 km/l
Emissão de CO2: 181 g/km*
Nota do Inmetro: E*
Classificação na categoria: C* (esportivo)
*estimado

blog comments powered by Disqus