Avaliação: Renault Kwid surpreende com bom preço e dirigibilidade agradável

O esperado Renault Kwid finalmente chegou. E ele estreia de forma surpreendente, com um novo conceito para o consumidor

77379

Um carro que economiza o máximo em equipamentos pode ser bom e trazer um novo conceito para o consumidor? Sim. E a resposta é o Renault Kwid. O subcompacto fabricado no Paraná foi totalmente concebido como um SUV urbano (dentro do que se convencionou chamar de utilitário esportivo no Brasil, embora crossover fosse mais adequado), porém feito para brigar diretamente com o Fiat Mobi e o Volkswagen Up. No caso do Kwid, menos é mais. Por ter sido totalmente projetado para ser barato e ágil, o Kwid tem 80% de suas peças produzidas exclusivamente para ele. Dessa forma, não tem peças caras ou pesadas, superdimensionadas para um carro urbano, prejudicando o consumo e aumentando o preço final.

Os consumidores brasileiros estão preparados para comprar um carro que traz apenas os equipamentos essenciais? A Renault acredita que sim, devido à grande resposta da pré-venda, quando o carro foi anunciado a partir de R$ 29.990. Por exemplo: nenhuma versão tem rodas de liga leve, elas são de aço, com apenas três parafusos, mas todas aro 14. Em compensação, todas as versões vêm com airbags laterais, além dos obrigatórios airbags dianteiros. Outro item de segurança é o isofix, para prender adequadamente as cadeirinhas infantis – no Kwid são dois. Não há limpador no vidro traseiro na versão de entrada, mas todas têm desembaçador traseiro. Até no conta-giros a Renault economizou, talvez para que os brasileiros tenham um déjà-vu do Fusca, mas há um indicador de troca de marchas.

São três versões: Life (R$ 29.990 na pré-venda), Zen (R$ 34.990) e Intense (R$ 39.990). Em 2018 chegará a versão Outsider (confira aqui a lista de itens de série). A mecânica é a mesma para todas as configurações. Avaliamos o Kwid Zen. O carro veio equipado com o rádio AM/FM com MP3 e bluetooth opcional (R$ 400). Nessa configuração, o carro já conta com limpador traseiro. Segundo a Renault, as versões Life e Zen representarão 80% das vendas e serão compradas por famílias com filhos da classe C. Já a Intense terá 20% do mix de produção e é direcionada para jovens urbanos da classe B (18 a 35 anos). O motor 3 cilindros 1.0 do Kwid tem a mesma nomenclatura “SCe” do bloco usado no Renault Sandero. Mas ele não possui o ESM (gerenciamento inteligente de energia) e utiliza comando de válvulas simples, sem variador de fases.

Por isso, a potência é de apenas 66 cv com gasolina e 70 cv com etanol. Mas isso não faz com que o carro se arraste, pois o torque é razoável (9,4 e 9,8 kgfm) e o Kwid é levíssimo. A versão Zen pesa apenas 786 kg e a Life não passa de 780. Dessa forma, sua relação peso/potência é de apenas 11,1 kg/cv – número melhor que o do rival Mobi (12,1 kg/cv) e um tantinho superior ao do Up aspirado (11,2). Graças a tudo isso, o consumo é nota A, chegando (na cidade) a 14,9 km/l com gasolina e a 10,5 com etanol. Apesar de ser minúsculo (mede 3,68 m de comprimento), o Kwid possui um porta-malas grande para seu porte, de 290 litros (maior que o do VW Gol e apenas 10 litros a menos que o do Hyundai HB20).

A distância entre-eixos também é boa, o que permite razoável conforto dentro do carro. Porém, ele é um pouco estreito, fazendo com que a alavanca de câmbio bata na perna do motorista quando usada a segunda marcha ou a ré. Assim, é surpreendente o generoso tamanho dos porta-objetos das portas e do console central, bem como do porta-luvas (cabe uma bolsa feminina). Para justificar sua homologação como SUV Compacto, a Renault dotou o Kwid de um bom vão livre do solo (180 mm) e adotou balanços curtíssimos (distância entre o eixo das rodas e a extremidade do carro). Dessa forma, o Kwid tem ângulos de entrada (24o) e saída (40o) suficientes para encarar os buracos das ruas brasileiras. Lombadas, depressões e entradas de garagens não são problema para ele. Como a busca por um SUV também está relacionada à posição de dirigir elevada, o Kwid tem um ponto H (assento do banco em relação ao solo) de 583 mm.

Esteticamente, o Kwid é mesmo um SUV em miniatura. Basta olhá-lo de qualquer ângulo, mas especialmente de lado. Na dianteira, a grade junta-se aos faróis e valoriza a largura do carro. As lanternas traseiras são muito bem desenhadas, lembrando um pouco as de seu “primo” Nissan Kicks. E a proteção da caixa de roda não é um elemento colado, como nas versões aventureiras, e sim uma peça que envolve também toda a parte de dentro. Vincos no capô, na frente e na traseira e jogo de luzes nas portas completam o design agradável. Os bancos são de tecido e não têm ajuste de altura, tampouco o volante de direção. Porém, a posição de dirigir é surpreendentemente boa sem qualquer ajuste.

A ergonomia correta se completa com abas laterais no encosto dos bancos. Quando o carro começa a andar, a primeira sensação ao volante é de leveza. É possível sentir que o motorzinho de 66/70 cavalos dá conta do recado. Combinado com um câmbio preciso, durinho, com engates fáceis, além da assistência 100% elétrica na direção, o prazer ao dirigir na cidade está garantido. Aliás, a caixa de câmbio é outro item exclusivo do Kwid. Ela é feita no Chile, pela Cormec (empresa da Aliança Renault-Nissan), e tem a metade do peso da caixa do Sandero. Na primeira apresentação do carro, a Renault disse que até mesmo do eixo de torção tinha aberto mão, preferindo um eixo rígido (a solução mais simples que existe), com perfil em U, e amortecedores hidráulicos telescópicos para que o carro não tivesse o mesmo comportamento do Kwid indiano, que aderna como um barco. Depois, divulgou uma ficha técnica confirmando o eixo de torção.

Dificilmente um carro de entrada consegue ser bom em quase tudo. Mas o Kwid brasileiro conseguiu. A Renault se propôs a fazer um carro acessível com espaço interno, design atual, seguro e com baixo custo de manutenção. Ainda não sabemos como ele se sairá no crash-test do Latin NCAP, mas pelos reforços estruturais, cintos de segurança modernos, airbags laterais e utilização de 30% de aço deformável em impactos, com certeza não repetirá o vexame do Kwid indiano (confira aqui as diferenças entre o Kwid brasileiro e o indiano), que ficou sem nenhuma estrela, de cinco possíveis. A Renault reforçou a equipe de produção do Kwid na linha de produção de São José dos Pinhais. Isso demonstra que o carrinho tem potencial para vender de 50.000 a 60.000 unidades/ano, segundo nossas estimativas. Duvida? Faça você mesmo um test drive.


Ficha técnica:

Renault Kwid Zen 1.0 SCe

Preço básico: R$ 29.990
Carro avaliado:
R$ 35.490
Motor:
3 cilindros em linha 1.0, 12V
Cilindrada: 999 cm3
Combustível: flex
Potência: 66 cv a 5.600 rpm (g) e 70 cv a 5.500 rpm (e)
Torque: 9,4 kgfm a 4.250 rpm (g) e 9,8 kgfm a 4.250 rpm (e)
Câmbio: manual, cinco marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) eixo de torção (t)
Freios: disco sólido (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,680 m (c), 1,579 m (l), 1,474 m (a)
Entre-eixos: 2,423 m
Pneus: 165/70 R14
Porta-malas: 290 litros
Tanque: 38 litros
Peso: 786 kg
0-100 km/h: 15s5 (g) e 14s7 (e)
Vel. máxima: 152 km/h (g) e 156 km/h (e)
Consumo cidade: 14,9 km/l (g) e 10,5 km/l (e)
Consumo estrada: 15,6 km/l (g) e 10,8 km/l (e)
Emissão de CO2: 86 g/km
Nota do Inmetro: A
Classificação na categoria: A (Utilitário Esportivo Compacto)

blog comments powered by Disqus