Avaliação: Volvo XC90 T8 é o senhor da economia

Luxo e eficiência são as credenciais do Volvo XC90 T8. Uma ótima alternativa para as famílias preocupadas com o futuro das nossas próximas gerações

5957

Quando falamos em veículos híbridos pensamos nos BMW i3 e i8, no Ford Fusion Hybrid, no Lexus CT200h e no Toyota Prius. Do lado dos utilitários esportivos, no Mitsubishi Outlander PHEV (sob encomenda) e no Porsche Cayenne S E-Hybrid. Mas agora chegou ao mercado o Volvo XC90 T8 Inscription. Esse sueco de R$ 456.950 – mais que três Prius de R$ 126.600 – é um tapete voador, com o mesmo conjunto híbrido do sedã S90 e da perua V90: motor 2.0 turbo e compressor mecânico associado a um propulsor elétrico no eixo traseiro.

O XC90 T8 acelera da imobilidade e ganha velocidade sem esforços e nem parece ter quase duas toneladas e meia – 154 kg a mais que as versões T6 com motor a gasolina. O silêncio a bordo é absoluto e a transição do motor elétrico para o bloco a combustão é praticamente imperceptível. O sistema híbrido prioriza o uso da energia armazenada na bateria de íons de lítio posicionada ao longo do túnel central. Com ela toda carregada (pouco mais de duas horas em tomadas de 220V e 16A) e dirigindo comedidamente, foi possível cravar incríveis médias de consumo urbano de 47,6 km/l. Já descarregada e usando o motor a gasolina, fez ainda ótimos 17 km/l.

A energia é regenerada nas desacelerações e frenagens. Ajuda nesse processo a posição B da alavanca de câmbio (feita de cristal), que aumenta o “freio-motor”. Três modos de condução são novos: Pure (só elétrico e alcance de 35 km), Hybrid (padrão) e Power, que altera alguns parâmetros, como direção, trocas de marchas e respostas do acelerador. Também são exclusivas as funções Hold (guarda a energia elétrica para ser utilizada posteriormente) e Charge (carrega um terço da bateria utilizando o motor a combustão). Um gráfico na central multimídia exibe qual sistema está sendo utilizado.

Não só o consumo e a eficiência impressionam, como o nível de conforto. As suspensões a ar absorvem com maestria as irregularidades do piso e podem ser erguidas em 4 cm no programa Off-Road ou descer 1 cm no Sport, favorecendo a aerodinâmica. Além disso, quando desligado o XC90 T8 rebaixa a carroceria, privilegiando o acesso ao interior. Aliás, a cabine é um capítulo à parte, com acabamentos em madeira, alumínio e couro. O quadro de instrumentos é diferente das demais configurações da família XC90, enquanto o áudio da Bowers & Wilkers oferece 1.400W de potência, 19 alto-falantes e simula a sala de concerto da Orquestra Filarmônica de Gotemburgo. Uma pena a coluna de direção ser ajustável só manualmente.

O XC90 traz o Pilot Assist de segunda geração, incorporando sensores e câmeras para monitorar as faixas de rolagem e coordenar a aceleração, a frenagem e o movimento do volante até 130 km/h. O City Safety aciona os freios automaticamente em risco de colisão contra o veículo à frente, pedestres, ciclistas e até animais de grande porte. No Volvo, ainda há piloto automático adaptativo (ACC), alertas de ponto cego, de mudança de faixa e sistema de estacionamento automático – muito útil em um utilitário-esportivo desse porte. Você pode achar que tudo isso já é mais do que suficiente, no entanto, a versão T8 Excellence é um degrau acima no quesito requinte e é vendida sob encomenda por R$ 519.950.


Ficha técnica:

Volvo XC90 T8 Inscription

Preço básico: R$ 456.950
Carro avaliado: R$ 456.950
Motor: gasolina 4 cilindros em linha 2.0, 16V, turbo e compressor mecânico, start-stop + elétrico
Cilindrada: 1969 cm3
Combustível: gasolina+eletricidade
Potência: 324 cv a 5.700 rpm + 87 cv do motor elétrico (potência combinada: 407 cv)
Torque: 40,8 kgfm entre 2.200 e 5.400 rpm + 24,5 kgfm do motor elétrico
Câmbio: automático, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensões: duplo triângulo (d) e multilink (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: integral
Dimensões: 4,950 m (c), 2,008 m (l), 1,776 m (a)
Entre-eixos: 2,984 m
Pneus: 275/40 R21
Porta-malas: 721 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 2.319 kg
0-100 km/h: 5s6
Velocidade máxima: 230 km/h
Consumo cidade: 15,3 km/l
Consumo estrada: 15,8 km/l
Emissão de CO2: 87 g/km
Nota do Inmetro: A
Classificação na categoria: A (Utilitário Esportivo Grande)

blog comments powered by Disqus