Avaliação: Chevrolet Cruze Sport6 2017 muda radicalmente

O hatch médio chegou totalmente novo trazendo ênfase na dirigibilidade e no conteúdo

21173

Com proposta e apelo diferentes do irmão sedã, o novo Chevrolet Cruze Sport6 debutou no último Salão de São Paulo, que ocorreu de 10 a 20 de novembro deste ano, e agora chega às concessionárias nas versões LT (a partir de R$ 89.990) e LTZ (de R$ 101.190 indo a R$ 110.540). Dependendo da configuração, esses valores são maiores em relação ao do Cruze – LT (R$ 89.990) e LTZ (entre R$ 99.980 e R$ 111.340). 

Para incomodar o rival direto Volkswagen Golf 1.4 turbo TSI, o Cruze Sport6 exibe uma personalidade própria frente ao Cruze. E seu DNA esportivo aparece na dianteira, com novo para-choque dotado de spoiler escurecido, grade do radiador no estilo RS (igual ao do modelo norte-americano), faróis com assinatura em LED e moldura cromada. O coeficiente aerodinâmico (Cx) é 3% melhor que o antecessor trazendo, entre os benefícios, um melhor consumo.

O design da silhueta é compartilhado com o Cruze, enquanto a traseira mais curta exibe lanternas bipartidas, para-choque redesenhado com porção inferior em preto e ponteira de escapamento trapezoidal. O aerofólio não é enfeite, pois ele ajudou tanto a dar continuidade ao teto quanto beneficiar o fluxo/turbilhonamento de ar. As exclusivas rodas de aro 17” são pratas na LT e escurecidas na LTZ. Elas vestem novos pneus superverdes, que ajudaram a diminuir o arrasto em 16%.

Com linhas mais belas e dinâmicas em relação ao antecessor, o novo Cruze Sport6 mede 4,448 m de comprimento, 2,042 m de largura (com os espelhos retrovisores) e 1,484 m de altura. Para comparar, o anterior tinha 4,528 m, 2,098 m e 1,477 m, na ordem. O entre-eixos é igual ao do modelo sedã medindo 2,700 m (antes, 2,685 m). Sendo assim, garante um bom espaço para as pernas de quem viaja atrás. O porta-malas é de 300 litros – 402 litros no antigo.

Ao abrir a porta, o acabamento da cabine agrada pelos materiais de qualidade e bem sensíveis ao toque. A visibilidade melhorou em 11% e o interior está 13% mais silencioso. O teto solar só é de série na LTZ e inexistente no irmão sedã. Outra comodidade é o serviço OnStar, agora com sistema de diagnóstico avançado. Essa nova tecnologia será estendida futuramente aos demais modelos. Por meio do app instalado no smartphone, o proprietário consegue monitorar os principais sistemas do veículo (airbag, emissões, motor, transmissão) prevendo antecipadamente qualquer problemas que possa acontecer.

A arquitetura do Cruze Sport6 é a mesma do Opel Astra e, de acordo com o fabricante, foram empregados mais aços de alta resistência permitindo que a carroceria seja 20% mais leve – são 114 kg a menos – e uma rigidez torsional melhorada em 6%. Se o Cruze Sport6 antecessor tinha um desempenho comedido proporcionado pelo propulsor aspirado 1.8 flex de 140 cv/144 cv (g/e), ele ganhou mais tempero ao utilizar o mesmo conjunto mecânico do Cruze.  Sob o capô, o motor 1.4 turbo flex entrega 150/153 cv de potência (g/e) e 24 kgfm/24,5 kgfm (g/e) de torque. A transmissão é automática sequencial de seis marchas. Só para citar, o 1.4 turbo flex do concorrente Volkswagen Golf oferece 150 cv (g/e) e 25,5 kgfm (g/e).

O torque ligeiramente menor comparado ao Volks não é suficiente para tirar o brilho do Cruze Sport6. Ele acelera forte desde cedo e tem pouco turbo lag (aquele atraso antes do turbocompressor encher). As suspensões receberam uma atenção especial e são mais firmes comparadas às do Cruze devido ao ajuste dos amortecedores para evidenciar a estabilidade e priviligiando a capacidade do modelo de contornar curvas mais rapidamente – o eixo traseiro é 10% mais rígido que o Cruze Sport6 anterior. A caixa de direção tem calibração específica transmitindo respostas bem precisas e diretas ao esterço. Já os freios são os mesmos utilizados no sedã.

A engenharia do Cruze Sport6 mudou radicalmente e o modelo está mais aguçado. Além disso, ele também ficou mais eficiente. Segundo o fabricante, está 28% mais econômico. Os dados aferidos pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV) mostram um consumo de 7,6 km/l (cidade) e 9,3 km/l (estrada) com etanol e de 11,3 km/l e 13,6 km/l com gasolina, respectivamente. Como já dissemos, o Cruze Sport6 mudou radicalmente para melhor. Bom de guiar, mais equipado, mais equilibrado e de quebra mais eficiente. 

O que traz de conteúdo o Chevrolet Cruze Sport6?

A LT, entre os itens de série, traz airbags frontais e laterais, controles eletrônicos de tração e de estabilidade, freios com ABS, EBD (sistema de distribuição da força de frenagem) e assistente de frenagem de urgência, sistema de fixação de cadeirinhas infantis (ISOFIX), alarme, bancos forrados em couro, espelhos retrovisores externas elétricos e aquecidos, alerta de pressão dos pneus, assistente de partida em subidas, faróis e lanterna de neblina, luz de condução diurna, sensor de ré, rodas de aro 17”, piloto automático e central multimídia com tela de 7” sensível ao toque.  

A topo de linha LTZ se diferencia pelos airbags de cortina, faróis com luzes de condução diurna em LED (DRL) e ajuste de altura, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, maçanetas externas e molduras das janelas cromadas, rodas de aro 17” com acabamento exclusivo, sensor crepuscular e de chuva, abertura das portas por aproximação e partida do motor remota pela chave, espelhos retrovisores externos com aquecimento e rebatimento elétrico, teto solar (não disponível no Cruze Sedan), central multimídia MyLink2 com tela de 8” sensível ao toque e navegador integrado.

A LTZ ainda pode receber opcionalmente o pacote R7N (R$ 9.800) incluindo alertas de colisão frontal e de ponto cego, assistente de permanência na faixa, farol alto adaptativo, indicador de distância do veículo à frente, carregador de smartphone wireless (uma exclusividade perante o Golf), sistema de estacionamento automático e assento do motorista com ajustes elétricos.

FICHA TÉCNICA

CHEVROLET CRUZE SPORT6 LTZ 
Preço básico: R$ 101.190
Carro avaliado: R$ 110.540

Chevrolet Cruze Sport6 LTZ 

Motor: 4 cilindros em linha 1,4, 16V, turbo, injeção direta, start-stop 
Cilindrada: 1399 cm3
Combustível: flex
Potência: 150 cv a 5.600 rpm (g) e 153 cv 5.200 rpm (e)
Torque: 24 kgfm a 2.100 rpm (g) e 24,5 kgfm a 2.000 rpm (e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensão: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,448 m (c), 2,042 m (l)*, 1,484 m (a)
Entre-eixos: 2,700 m
Pneus: 215/50 R17
Porta-malas: 300 litros
Tanque: 52 litros
Peso: 1.336 kg
0-100 km/h: 9s (e)
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 11.3 km/l (g) e 7,6 km/l (e)
Consumo estrada: 13,6 km/l (g) e 9,3 km/l (e)
Emissão de CO2:  109 g/km
Com etanol: zero
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: A (Grande)
*contando os espelhos retrovisores

blog comments powered by Disqus