Conheça cinco exóticos carros argentinos

4139

A indústria automobilística da Argentina produz atualmente modelos globalizados, como os Chevrolet Cruze, Ford Focus e Toyota Hilux vendidos no mercado brasileiro. Mas nem sempre foi assim. Assim como no Brasil, onde tivemos carros como o Ford Del Rey e o Volkswagen SP2, até os anos 1990 a indústria local produzia modelos exclusivos para o país. Conheça abaixo cinco desses carros feitos só para os argentinos.

Volkswagen 1500

Reprodução
Reprodução

Apesar da frente parecida com a do Passat brasileiro do final dos anos 1970, o sedã fabricado na Argentina entre 1982 e 1990 não tinha nada de alemão. O carro que lhe deu origem foi o Dodge 1500, que por sua vez era uma versão local do britânico Hillman Avenger. O Avenger, aliás, foi o carro que deu também origem aos Dodge 1800/Polara brasileiros. Mas diferente daqui, onde o Polara foi descontinuado pouco tempo após a Volkswagen assumir a operação local da Chrysler, na Argentina, o modelo sofreu uma reestilização e passou a ser vendido com o logotipo da marca alemã.

Dodge Polara/Coronado

Reprodução
Reprodução

Entre 1969 e 1979, a Chrysler argentina produziu o sedã Dodge Polara/Coronado. Feito sobre a mesma plataforma ‘A Body’ do Dart americano (e brasileiro), tinha uma carroceria exclusiva, com linhas bem menos harmoniosas que os dos Dodge grandes brasileiros. Sob o capô, no lugar do 5.2 V8 que tivemos por daqui, a única opção de motorização era um 3.7 de seis cilindros e 139 cv.

IKA Bergantin

Reprodução
Reprodução

A Industrias Kaiser Argentina (IKA) foi uma das primeiras fabricantes de automóveis a se instalar no país. E o primeiro modelo exclusivo da empresa (que já produzia o sedã Carabela, o Jeep e a Estanciera, a versão local da Rural Willys) foi o Bergantin, que foi produzido entre 1960 e 1962. O sedã utilizava a carroceria de Alfa Romeo 1900, récem-descontinuado na Europa e cujo ferramental de produção fora comprado pela IKA. Mas no lugar da sofisticada mecânica italiana, com direito a motor com duplo comando de válvulas no cabeçote, o carro argentino era uma salada de componentes: além dos motores de 4 e 6 cilindros do Jeep e da Estanciera, o sedã tinha partes da suspensão e freios herdados dos utilitários americano.

Picape Mercedes-Benz

Flavio R. Silveira
Flavio R. Silveira

A Futura Classe X não será a primeira produzida pela marca alemã. Entre 1971 e 1975, a filial da Mercedes-Benz produziu no país uma variação picape do modelo 220 D da geração W115 (cuja encarnação mais recente é o Classe E). Era uma maneira de a empresa contornar as restrições à importação de peças para carros de passeio, que liberavam o uso de componentes importados apenas para a produção de utilitários. O conjunto mecânico completo e boa parte dos componentes eram trazidos da Alemanha, mas a carroceria (cabine simples ou dupla) era produzida por um encarroçador local.

Ford Falcon

Reprodução
Reprodução

O compacto americano que acabou servindo de base para o Ford Mustang teve uma vida bem longa no mercado argentino. Lançado em 1962, saiu de linha apenas em 1991, 21 anos depois de ter virado história nos EUA. A curiosidade é que o sedã conservou a mesma carroceria ao longo de todos esses anos, recebendo reestilizações apenas na dianteira, traseira e interior. E o resultado, aliás, não foi dos mais felizes.

 

blog comments powered by Disqus