Kia Picanto: um coreano bom de papo

15746

Gosto de carros pequenos pela praticidade. Estava com saudades do Kia Picanto (Morning em outros mercados). Ele é bacana de dirigir na cidade e na estrada. Esse carrinho se encaixa no meu perfil, aliás, ainda não tenho filhos e carrego pouca bagagem. Quando meus amigos e familiares o viram, os comentários foram (bem) diversos: de “muito bonitinho” a “apertado, né?”. É difícil agradar a gregos e troianos, não é mesmo?

Desconsiderei as observações alheias e me mantive fiel às minhas opiniões. Continuo achando o Picanto um carro agradável ao volante, apesar de o Kia ser mais fraco abastecido com etanol que os 1.0 Ford Ka e Volkswagen Up e a novidade Peugeot 208 1.2 [leia reportagem aqui]. Mesmo assim, o Picanto não me desapontou. O motor Kappa tricilíndrico 1.0 (também presente no Hyundai HB20) transmite boa dose de força nos baixos giros fazendo-o deslanchar sem muito esforço.

Sendo assim, o pequeno Kia não me deixou na mão ao realizar uma ultrapassagem na estrada ou ao encarar as subidas do meu bairro, pedindo poucas reduções no câmbio manual de cinco marchas, com engates curtos e precisos. Quem quiser mais comodidade pode optar pelo modelo com câmbio automático de quatro velocidades, mas o preço sobe para R$ 49.990. Outra qualidade é a suspensão suave. Em minhas idas e vindas da redação, trafego por algumas ruas esburacadas e o conjunto absorveu boa parte das irregularidades sem comprometer o conforto – minhas costas agradeceram!

Pontos positivos para a posição de dirigir, os bancos e o volante de dois raios revestido em couro. Elogios também para o isolamento acústico. Mas, se bem estar é importante, não gostei de certos pontos: o plástico utilizado no acabamento e a iluminação avermelhada foram alguns deles. Pelo menos o interior do Kia não tem partes da lataria aparecendo, como acontece no VW Up. Se quisesse trocar de carro – ainda não penso em vender o meu – e estivesse disposto a pagar até R$ 40.000, olharia com carinho para o Kia Picanto.

Ele tem um preço superior comparado ao de alguns rivais, como o do VW Take Up de entrada (R$ 32.590) e é mais em conta comparado ao Ford Ka hatch (iniciais R$ 41.590), porém, traz mais itens de série. Para ficar completinho, o Take Up subiria para R$ 39.990, mesmo preço desse Picanto. Também pesa a favor do Kia a garantia de cinco anos e o visual bacaninha e cheio de estilo.

—–

Ficha técnica:

Kia Picanto 1.0 manual

Motor: 3 cilindros em linha 1.0, 12V, comando de válvulas variável
Cilindrada: 998 cm3
Combustível: flex
Potência: 77 cv a 6.200 rpm (g) e 80 cv a 6.200 rpm (e)
Torque: 10 kgfm a 4.500 rpm (e) e 9,6 kgfm a 4.500 rpm (g)
Câmbio: manual, cinco marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,595 m (c), 1,595 m (l), 1,490 m (a)
Entre-eixos: 2,385 m
Pneus: 165/60 R14
Porta-malas: 292 litros
Tanque: 35 litros
Peso: 940 kg
0-100 km/h: 14s4 (g/e)
Velocidade máxima: 165 km/h (g/e)
Consumo cidade: 12 km/l (g) e 8,2 km/l (e)
Consumo estrada: 14,4 km/l (g) e 9,8 km/l (e)
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: C (Subcompacto)

—–

Contraponto

Por Flavio R. Silveira

Concordo com o Rafael em relação ao visual do Picanto. É o ponto que mais me agrada nesse carro, para falar a verdade. Para mim, carros urbanos e pequenos como esse merecem visual e cores divertidos – e nisso não tem outro carro pequenino tão simpático (desculpe, Rafael, mas, para o meu gosto, nem mesmo o Fiat 500). Em relação ao acerto das suspensões, confirmo que ele é surpreendentemente bem adequado ao nosso piso. O isolamento acústico da cabine também é ótimo. O acabamento, por outro lado, não achei ruim.

Olhando para outros modelos nesse segmento de subcompactos, seus plásticos têm mais qualidade e os carpetes de tecido no lugar dos tradicionais tapetes de borracha causam boa impressão. Já o motor 3 cilindros, pioneiro no Brasil, não é ruim – mas o desempenho que proporciona é inferior ao de muitos de seus rivais, que já contam com unidades mais potentes e atualizadas. No fim das contas, o Picanto é, sim, um ótimo carrinho urbano, muito simpático e fácil de manobrar e estacionar. Mas ainda prefiro a dirigibilidade do VW Up ou do Ford Ka.

COMPRE SE…
Você quer um carro descolado e gosta de praticidade na hora de procurar vagas ou de estacionar.
É solteiro ou recém-casado e não precisa de um porta-malas volumoso para carregar muitas bagagens.

NÃO COMPRE SE…
Você é pai de família e viaja com frequência. O porta-malas do Picanto é pequeno e não acomoda todas as bagagens da família.
O desempenho é fator importante. Apesar de transmitir boas respostas, lembre-se que o Picanto usa motor 1.0.

CONSIDERE TAMBÉM ESSES CONCORRENTES