Salão de Xangai: entre cópias e personalidade

8393

Não é mais novidade para ninguém, que os utilitários-esportivos dominam qualquer salão internacional ou o do Brasil. Só que a mostra chinesa de Xangai traz um conteúdo diferente: além dos SUVs, as versões alongadas de sedãs e alguns carros curiosos, como as cópias de modelos já consagrados. (Confira aqui a galeria de fotos)

A Mercedes-Benz aproveitou a ocasião para revelar o conceito do Classe A Sedan. Diferente do “irmão” CLA, o Concept A Sedan mede 4,57 m de comprimento, enquanto o CLA, 4,640 m. Na crista da onda dos três volumes, a BMW trouxe o Série 1 Sedan, que foi mostrado no ano passado durante o Salão de Guangzou, na China, e é destinado para o mercado chinês. Esse concorrente da BMW para o Audi A3 Sedan usa a plataforma UKL (dos Mini e do Série 2 Active Tourer) e tem 4,46 m de comprimento. A tração é dianteira, enquanto a gama de motores é composta de variantes turbinadas.

Ainda falando de sedãs, agora de luxo, a Mercedes-Benz mostrou debutou o facelift do topo de linha Classe S, com discretas e pontuais mudanças de desgn. A gama de motores também foi atualizada e passa a contar com um novo seis cilindros em linha 3.0 turbodiesel no S350 D 4Matic de 286 cv e 61,2 kgfm ou de 340 cv e 71,4 kgfm no S400 D 4Matic. Nas apimentadas configurações AMG outra mudança. O propulsor V8 5.5 saiu de cena e entrou um V8 4.0 biturbo. São 612 cv (27 cv a mais em relação ao entecessor) e 91,8 kgfm – o torque foi mantido. A tração é integral e o novo Classe S acelera de 0-100 km/h em míseros 3,5 segundos. Já o S65 AMG manteveo V12 biturbo de 630 cv e brutais 102 kgfm de torque. Igualmente importante nos lançamentos de esportivos, o BMW M4 CS veio para substituir a configuração topo de linha GTS. Sob o capô, está o motor de seis cilindros em linha 3.0 despeja 460 cv e 61,2 kgfm. Já o câmbio é de dupla embreagem e sete marchas. Comparado ao M4 “normal”, o CS pesa 32 kg a menos e acelera de 0-100 km/h em 3,9 segundos. A velocidade máxima é de 278 km/h.

Como já dissemos, na China, as versões alongadas fazem muito sucesso — é comum encontrar pelas ruas os Audi A4L e Audi A6L, Mercedes-Benz Classe C, entre outros. E a BMW aproveitou a ocasião para revelar o Série 5 Li. Feito em parceria pela BMW-Brilliance em Shenyang, localizada no nordeste da China, o seu grande diferencial está nos 133 mm a mais de entre-eixos.  O Série 5 Li é oferecido em três configurações (de entrada, Luxury Line e M Sport). Entre os itens de conforto, esse Série 5 Li têm teto panorâmico e bancos individuais. Outro sedã, foi a nova geração do Hyundai Sonata.

Mesmo com essas novidades no segmento de sedãs, os utilitários-esportivos ainda falam mais alto. A Hyundai trouxe o IX35 2018. Bem diferente do modelo à venda no Brasil, o chinês têm proporções maiores, com 4,435 m de comprimento e 2,640 m de entre-eixos. Só para comparar, o nosso IX35 mede 4,410 m e os mesmos 2,640 m de entre-eixos. A Citroën também aproveitou para debutar o C5 Aircross, a versão de produção do conceito de 2015 e mostrado no Salão de São Paulo do ano passado. Ele tem 4,50 m de comprimento e, na China, os motores turbinados oferecem de 165 a 200 cv de potência. O câmbio é automático de seis marchas. De acordo com a Citroën, uma versão híbrida plug-in (recarga feita em tomada) virá futuramente. Já a Audi mostrou o e-tron Sportback, um crossover-cupê elétrico que chega ao mercado em 2019.

Outras novidades novidades são o facelift do NX e a nova geração do esportivo Mini Countryman John Cooper Works. Já de interesse para os brasileiros, o novo Ford EcoSport apareceu com o estepe fixado na tampa do porta-malas. E alguns outros conhecidos do Brasil deram as caras por aqui, como os Nissan Kicks e a nova geração da picape média Frontier, além do Jeep Renegade.

No estande da Lifan, o destaque foi o M7, um monovolume do porte do Chevrolet Spin, equipado com três opções de motor (1.5 turbo, 1.8 e 2.0) e câmbio CVT. E já tivemos a oportunidade de andar no M7. (Confira a avaliação aqui)

Só lá na China 

Com uma grande quantidade de fabricantes locais, o potencial do mercado chinês é gigantesco, aliás, são mais de um bilhão de pessoas. Diferentes dos fabricantes conhecidas pelos brasileiros, como JAC, Lifan, Chery, na China, o buraco é mais embaixo. E as cópias estão espalhadas por todos os lados. Talvez a mais famosa de todas seja o já conhecido Land Wind X7, que buscou “inspiração” no Range Rover Evoque. Esse crossover usa um motor 2.0 turbinado de 190 cv e a transmissão é automática de oito marchas. Por incrível que pareça, o acabamento interno é até agradável, com plásticos sensíveis ao toque. E só!

Outro que buscou certa “inspiração” em modelos europeus foi a Zoyte Auto. Sem tirar nem por, a traseira do Sr7 é uma cópia do Audi Q5, enquanto o T5DD puxou para ele a frente do Ford Edge. Nem os Porshes Cayenne e Macan passaram ilesos pelos olhos dos designers da Zotye Auto.

E o que dizer do E200 EV? Um smart chinês! E não é só. No estande da Baic Group (Beijing Automotive Industry Holding Co., Ltd.) estavam o BJ 80 e o BJ20. Ou cópias do Mercedes-Benz Classe G e do Jeep Cherokee? Do lado dos conceitos, a Haval, braço da Great Wall, a maior fabricante de veículos na China, trouxe o Hb-03 Concept pegou emprestadas as linhas do BMW X6, enquanto o Wey Pi4 VV7 X, do X4. Assim é o Salão de Xangai. Diferente dos europeus, mas com personalidade e outras muitas curiosidades.

blog comments powered by Disqus