Avaliação: Suzuki Vitara muda de personalidade

Agora um legítimo crossover, ele ficou bom de guiar com o novo propulsor 1.4 turbo de 146 cv

15129

Você com certeza se lembra do simpático Suzuki Vitara. Ele começou a ser vendido no Brasil ainda no início dos anos 1990, com duas ou quatro portas e teto de lona na versão Canvas Top. Passadas três gerações (de 1988, 1998 e 2005), agora o Vitara abdicou da personalidade SUV para assumir seu lado crossover compacto. Por enquanto importado da Hungria, ele será produzido no Brasil até o final de 2018. O Vitara quer incomodar Honda HR-V, Jeep Renegade e cia. Para isso, oferece seis versões e duas opções de motorização, câmbios manual de cinco marchas e automático de seis, além do sistema All Grip.

As versões com motor aspirado 1.6 de 126 cv de potência e 16,7 kgfm de torque são a 4All manual (R$ 83.990), a 4All automática (R$ 89.990), a 4You automática (R$ 94.990) e a 4You All Grip (R$ 99.990). Já o novo motor 1.4 turbo a gasolina de 146 cv e 23,5 kgfm está reservado para as 4Sport (R$ 107.990) e 4Sport All Grip (R$ 112.990). O Vitara está posicionado abaixo do Grand Vitara 2.0. Dependendo da versão escolhida, é mais caro que os líderes Honda HR-V EX CVT (R$ 93.000) e Jeep Renegade Longitude AT (R$ 90.490). Por outro lado, o Suzuki traz o controle eletrônico AllGrip, que é inexistente nas versões citadas dos rivais, por serem 100% urbanas.

O Vitara também compensa por sua dirigibilidade bem acertada, pois o pequeno turbo compressor de geometria variável enche rápido, garantindo muita agilidade. O câmbio automático faz mudanças rápidas e breves. Esse bloco 1.4 turbo garante ao Suzuki Vitara uma relação peso/potência de 8 kg/cv. Ou seja, melhor que HR-V (9,1 kg/cv) e Jeep Renegade (11,6 kg/cv), considerando a potência com gasolina porque o Vitara não é flex. No turbinado Peugeot 2008 Griffe THP, é de 6,6 kg/cv. Bom de curva, o crossover da Suzuki foi avaliado na configuração 4Sport e oferece pouca inclinação de carroceria – a estabilidade é assegurada pelas suspensões bem calibradas.

Mesmo no asfalto ruim, pouca vibração é passada para o volante e para dentro da cabine.
A direção elétrica é direta nas respostas, além de ser leve em baixa velocidade e com peso correto em alta. É um carro divertido de guiar. O start-stop tem funcionamento suave tanto ao ligar quanto ao desligar o motor durante breves paradas. Ele está presente nas versões com câmbio manual e automático. A versão 4Sport pode ter o controle eletrônico AllGrip, nascido no modelo S-Cross, que oferece quatro modos de condução: Auto, Sport, Snow/Mud e Lock 4WD.

Ele altera os parâmetros do carro de acordo com o tipo de terreno e o estilo de condução do motorista, mexendo em tração, motor, transmissão, direção e nos controles de tração e estabilidade. Além disso, o Vitara 4Sport traz de série itens como faróis e luzes diurnas de LED, sete airbags, sensores de luz/chuva, acendimento automático dos faróis, câmera de ré e assistente de aclive e declive. O monitor de pressão dos pneus não está disponível. O Vitara quer agradar pela dirigibilidade esperta e até por transmitir um “quê” de exclusividade em meio a tantos HR-V e Renegade circulando pelas ruas.

—–

Ficha técnica:

Suzuki Vitara 4Sport

Motor: 4 cilindros em linha 1.4, 16V, turbo, start-stop
Cilindrada: 1373 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 146 cv a 5.500 rpm
Torque: 23,5 kgfm de 1.700 a 4.000 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: discos ventilados (d) e discos sólidos (t)
Tração: dianteira Dimensões: 4,175 m (c), 1,775 m (l), 1,610 m (a)
Entre-eixos: 2,500 m
Pneus: 215/55 R17
Porta-malas: 375 litros
Tanque: 47 litros
Peso: 1.235 kg
0-100 km/h: 10s2*
Velocidade máxima: 198 km/h*
Consumo cidade: 12 km/l
Consumo estrada: 13,7 km/l
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: A (Utilitário Esportivo Compacto)

blog comments powered by Disqus