A moda é envelopar

Ninguém mais duvida: a moda do carro fosco pegou mesmo no Brasil. A pintura sem brilho, já conhecida no mercado de personalização, começou a aparecer em modelos novos na Europa. As marcas premium resolveram oferecer essa novidade em seus modelos top de linha e em série especiais (confira o BMW M3 preto fosco avaliado na pág. 59). Os consumidores gostaram da ideia. Pelo menos parte deles: apesar de terem se popularizado, as cores foscas ainda estão longe da unanimidade.

Hoje o proprietário não precisa mais refazer a pintura do carro para seguir a tendência. A alternativa atende pelo nome de envelopamento. Em outras palavras, o carro é recoberto por um adesivo automotivo na cor escolhida e, se o trabalho for bem executado, visualmente não se nota o acabamento plástico. O processo é simples, demora de dois a quatro dias e tem uma desmontagem mínima de peças. São retirados, no máximo, maçanetas, emblemas, frisos, grades e lanternas. O preço, entre R$ 1 mil e R$ 3 mil, depende da loja escolhida e do modelo do automóvel.

Algumas poucas peças, como maçanetas e lanternas, às vezes precisam ser retiradas. O resto do trabalho depende unicamente da habilidade do profissional que gruda o adesivo finíssimo e faz os recortes à mão, com estilete. Por isso, escolha bem a loja onde o trabalho será feito

 

“Decidi investir, quando descobri que era um adesivo e não pintura. Além de mais barato, pode ser retirado se eu mudar de ideia”, afirmou Fábio Queiroz, dono de um BMW série 3 2001, envelopado de preto fosco. A remoção do adesivo é feita pela mesma oficina e não é barata. “Custa entre R$ 300 e R$ 700″, afirma Felipe Castelli, dono da empresa Adesivo Fosco”, que já tem duas unidades em São Paulo. “Se for original, a pintura se manterá intacta”, garante. Além disso, o envelopamento protege a carroceria de riscos.

O tempo de duração do adesivo varia de cinco a dez anos. A única preocupação que o proprietário deve ter é na lavagem, que deve ser feita só com água e sabão. “O produto químico pode diminuir a durabilidade se o carro for exposto ao sol”, alerta Campelli. No caso da cor branca, o adesivo pode encardir. “Se for muito na lama, por exemplo, isso pode acontecer”, diz Paulo Surya, dono da “Preto Fosco”, com sete unidades em São Paulo. O alerta vale porque, apesar de o preto se destacar pelo inusitado, a adesivagem branca (seja fosca, seja brilhante) domina o mercado. “De fato, hoje os carros transformados em branco são o nosso maior volume de trabalho”, confirma Surya.

Acima, um BMW Z4, ainda de geração antiga, que também foi envelopado

Outro cuidado que você deve tomar ao envelopar seu carro é a documentação. Se ele tiver uma alteração de mais de 50% na cor, é necessário mudá-la no documento. Isso tem um custo de cerca de R$ 400 e algumas lojas, como a Preto Fosco, oferecem o serviço de despachante à parte.

Fábio Queiroz decidiu transformar sua BMW Série 3 quando descobriu o envelopamento, mais rápido e barato que a repintura, além de reversível. Mas fique atento: o documento precisa ser alterado. Caso contrário, o motorista pode receber multa grave (R$ 127,69) e cinco pontos na CNH.

 

 

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar