Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi vai investir 23 bi de euros em elétricos

Até 2030, o planejamento prevê 35 novos veículos, baseados em cinco plataformas elétricas comuns

0
2
Foto: Divulgação

A chamada Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi promete desembolsar 23 bilhões de euros nos próximos cinco anos, que terá como foco o desenvolvimento de automóveis elétricos.

Até 2030, o planejamento prevê 35 novos veículos, baseados em cinco plataformas elétricas comuns. Um exemplo desse tipo de plataforma, para o segmento C e D, será utilizada para cinco modelos das três marcas da Aliança (Nissan Qashqai e X-Trail, Mitsubishi Outlander, Renault Austral e um futuro SUV de sete lugares).

Foto: Divulgação

+ Renault Kwid 2023 recebe novo visual e agrega mais tecnologia
+ Tailandeses constroem réplica de Nissan Skyline GT-R
+ Avaliação: Mesmo sem turbo, Nissan Kicks vai muito bem ao volante
+ Salão de Tóquio: Mitsubishi revela conceitos e relança a divisão Ralliart


Para reduzir custos, as empresas que fazem parte da aliança vão intensificar o uso de plataformas comuns nos próximos anos, passando dos 60% atuais para mais de 80% do total combinado de 90 modelos em 2026.

Veja as plataformas prometidas abaixo:

CMF-AEV: uma plataforma acessível, base do novo Dacia Spring.

KEI-EV: uma plataforma para veículos elétricos ultracompactos.

LCV-EV: uma plataforma destinada aos clientes profissionais, base do Renault Kangoo e do Nissan Town Star.

CMF-EV: plataforma elétrica global e flexível já estará nas ruas daqui em algumas semanas, base do crossover elétrico Nissan Ariya e do Renault Mégane E-Tech Electric. Até 2030, mais de 15 modelos serão baseados na plataforma CMF-EV, com até 1,5 milhão de carros produzidos anualmente com base nesta plataforma.

CMF-BEV: plataforma elétrica compacta, que será lançada em 2024. Esta oferece até 400 km de autonomia. Ela servirá de base para 250.000 veículos por ano para as marcas Renault, Alpine e Nissan, como o Renault R5 e o novo veículo compacto elétrico que substituirá o Nissan Micra. 

Foto: Divulgação

Baterias

A Aliança está trabalhando com parceiros de negócios para reduzir os custos das baterias em até 50% em 2026 e 65% até 2028.

Com esta estratégia, até 2030, a Aliança terá uma capacidade de produção de 220 GWh para baterias de veículos elétricos, considerando todas as plantas-chave de produção em todo o mundo.

Além disso, a Aliança compartilha uma visão comum para a tecnologia de baterias de estado sólido (ASSB), sendo que a Nissan vai liderar as inovações nesta área, em benefício de todas as empresas-membro.

A tecnologia ASSB promete o dobro de densidade de energia em comparação com as baterias de íons de lítio líquidos atuais. O tempo de recarga também será bastante reduzido – um terço do nível atual. O objetivo é produzir em massa a tecnologia ASSB até meados de 2028.

“Hoje, a Aliança está acelerando para liderar a revolução da mobilidade e entregar ainda mais valor para os clientes, nossas pessoas, nossos acionistas e todos os nossos stakeholders. As três empresas-membro definiram um roadmap comum para 2030, compartilhando investimentos em futuros projetos de eletrificação e conectividade. Esses são investimentos massivos, que nenhuma das três empresas poderia fazê-los sozinha. Juntos, estamos fazendo a diferença para um novo futuro global e sustentável, para a Aliança se tornar carbono neutro até 2050”, afirmou Jean-Dominique Senard, Presidente do Conselho da Aliança, em nota divulgada.

MAIS NA MOTOR SHOW:

+ Nova placa preta é lançada oficialmente; veja quando entra em vigor
+ Preço da gasolina aumenta e pode chegar a quase R$ 8, diz ANP
+ IPVA SP 2022: veja quando começa o vencimento do desconto de 5%
+ Rodízio de veículos em SP está suspenso nesta segunda e terça; veja
+ Monstruosa Ram TRX 6×6 está sendo leiloada
+ Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+ CNH vencida: veja o grupo que precisa renovar o documento em janeiro
+ Leilão da Receita tem Ford Mustang e Dodge Dart a partir de R$ 5 mil
+ Scooters elétricas: confira 5 vantagens de apostar nesse modelo
+ Kombi elétrica: veja o que sabemos sobre a van em produção; assista
+ Transferência de veículos com IPVA a vencer pode virar realidade em SP
+ Volkswagen Gol vai virar SUV em 2023; veja a projeção