Aqui cabem sete

Clique para ampliar a imagem

A JAC Motors chegou com tudo. Seus dois primeiros modelos, o hatch J3 e o sedã J3 Turin, fize- zeram a marca conquistar, em tempo ram arecorde, mais de 1% do mercado nacional. Agora, com a minivan J6, a fabricante chinesa ataca em outro segmento. A novidade chega em duas versões: uma de cinco lugares, por R$ 58.800 e outra, de sete, R$ 1 mil mais cara. A pequena diferença nos preços torna esta última, a J6 Diamond, mais interessante – até porque os bancos adicionais podem ser removidos e guardados, sem roubar espaço no porta-malas.

Logo ao entrar na van da JAC, nota-se que o acabamento é melhor que a média dos modelos chineses. No lugar dos plásticos rígidos que a japonesa Grand Livina mostra no painel, a J6 tem materiais emborrachados, como a Zafira. Ao volante, a melhor posição de dirigir é encontrada na J6, apesar da falta de ajuste de profundidade do volante. O banco tem ajuste de altura que controla a parte dianteira e traseira do assento de modo independente, enquanto na Zafira apenas a parte traseira do banco sobe ou desce e, na Grand Livina, não há ajuste algum.

A J6 Diamond tem painel com bom acabamento e iluminação em azul. O sistema de som tem boa qualidade e o ar-condicionado é automático digital. Só faltou mesmo o câmbio automático

A Grand Livina tem materiais mais simples no revestimento do painel e o câmbio automático, assim como o arcondicionado digital, só vem na versão SL. O CD player tem entrada auxiliar

Só na Zafira a profundidade do volante é ajustável. O ar digital e o som com bluetooth vêm em todas as versões. A versão das fotos é a top de linha Elite, automática, vendida por R$ 76.827

Na China, de onde é importada, a J6 tem um motor 1.5 fraco demais. Por isso, a pedido de Sergio Habib, presidente da JAC do Brasil, a marca adotou para os modelos que vem para cá um 2.0. Apesar de não ser um primor de modernidade (o da Zafira também não é), garante desempenho adequado à proposta. Já o motor 1.8 da Grand Livina é mais moderno, com comando variável. Assim, mesmo menor, garante performance similar. Apesar do bom motor, é no conjunto mecânico que estão os maiores “poréns” da J6: faltam a opção de usar etanol e o câmbio automático.

Na segunda fileira de bancos da chinesa J6 Diamond, com três assentos individuais, Theo ficou bem em sua cadeirinha e Renato e Laura não reclamaram do espaço. Além disso, cada banco desliza individualmente

Na Grand Livina, mais estreita, a cadeirinha do Theo “espremeu” o braço do Renato, que reclamou da falta de espaço. Laura elogiou o fato de o banco ser reclinável, mas ele desliza em só duas partes independentes

Na Zafira, nossos convidados aprovaram o espaço lateral, mas se um deles quiser deslizar o banco, feito em peça única, todos têm de ir juntos. Reclamaram também de não poder reclinar o encosto como nas rivais

Tudo bem que Zafira e Livina têm caixas de quatro velocidades, que “amarram” o desempenho, mas ao menos oferecem a opção. Habib promete um câmbio mais moderno, automatizado, mas só para 2013.

Para compensar a desvantagem mecânica, a novidade da JAC tem um pacote completo. Opcionais, só a pintura metálica, as rodas aro 17” (R$ 1.600) e os bancos em couro (R$ 1.800). Nas versões de até R$ 60 mil, portanto, oferece mais. Só deixa a desejr em relação a seu sistema de som que, apesar dos ótimos alto-falantes, fica devendo bluetooth, entrada auxiliar e uma conexão USB que não exija um adaptador. Já na Grand Livina fazem falta, até na versão top, a saída de ar traseira, os comandos de som no volante e os ajustes de altura dos cintos de segurança e dos faróis. Enquanto isso, a Zafira é a única cuja versão manual básica não tem airbags e ABS (mais detalhes e preços de cada uma das versões na tabela de equipamentos, na página 66).

Na terceira fila, os dois reclamaram das janelas altas, mas não dos alto-falantes “bem no ouvido”. O acesso a ela é mais difícil de ser aberto, e ainda deixa um ferro exposto, “bom” para machucar a canela

O acesso à terceira fileira é fácil de ser aberto, e as crianças gostaram da altura do assento, mas a passagem para ele é apertada. O Nissan é o único dos três com um banco em peça única na traseira

A minivan da GM tem tapetes no assoalho da terceira fileira, mas para acessá-la é preciso deslizar a segunda fila de bancos para depois rebater o encosto. Os apoios de braços “para dentro” liberam mais espaço

O conforto na segunda e na terceira fileiras é equivalente na J6 e na Zafira, mas na grand livina o acesso é mais prático, embora mais apertado. A segunda fileira também tem menos espaço na Nissan

Se a boa oferta de itens de série não for suficiente para suprir a falta do câmbio automático – e reconheço que é um recurso bastante importante para a cidade, transportando a família –, a JAC leva vantagem também no tamanho. Tem quase a mesma distância entreeixos da Zafira, mas é mais longa, com maior espaço. Além disso, é nove centímetros mais larga que a Grand Livina, com mais conforto para o quinto passageiro, que viaja no banco do meio da segunda fileira (confira as medidas nas fichas técnicas). Para comprovar essa vantagem no espaço, convidamos três crianças para testar os assentos. Primeiro Theo, de um ano e dois meses, foi colocado na segunda fileira em sua cadeirinha, dividindo o espaço com Laura, nove anos, e Renato, 12. Depois, colocamos Laura e Theo na terceira fila de bancos para ver como se acomodavam. O resultado foi favorável à Zafira e à J6, como você pode conferir ao lado.

Em termos de conforto ao rodar, a J6 até se sai bem, com suspensões que, apesar de levemente ruidosas, são confortáveis e, ao mesmo tempo, não deixam a carroceria inclinar demais em desvios de trajetória. Na Zafira, as suspensões são silenciosas, mas a carroceria deita demais nas curvas. Enquanto isso, a Nissan é equilibrada, mas menos confortável em ruas esburacadas.

Depois da decisão de compra, vêm as despesas com seguro, manutenção, revisões e peças de troca frequente (leia tabela ao lado). Aí, a minivan chinesa mostra mais algumas vantagens que devem ser consideradas. A maior delas está na garantia de seis anos sem limite de quilometragem contra os três anos da Nissan e só um da Zafira. Seu pacote de peças também custa menos: é 27,5% mais barato que o da Zafira e 17,8% mais em conta que o da Grand Livina.

Já no custo das revisões, o modelo da JAC é um pouco mais atraente que as rivais, mas a marca exije revisões muito frequentes. Isso visa, segundo a marca, garantir a qualidade dos carros, mas pode ser cansativo para o proprietário. O seguro da J6 ainda não foi possível cotar, já que se trata de um lançamento, mas deve ficar na média do segmento. Zafira e Livina tem valores de apólice similares.

Na casa dos R$ 60 mil, o pacote mais completo de equipamentos é o da J6, que tem ainda a maior garantia e as peças mais baratas, mas Fica devendo o câmbio automático e o motor flex

No fim das contas, por R$ 60 mil a J6 tem melhor custo-benefício e maior espaço para pessoas e bagagem, além do design mais atraente, da maior garantia e da manutenção mais barata, mas a rede JAC é pequena e fica devendo o motor flex e o câmbio automático. A Zafira tem um sistema de bancos mais inteligente e a maior rede de concessionárias, mas sua manutenção é mais cara, sua garantia menor e, com um projeto antigo, deve ser substituída em breve. Já a Grand Livina peca pela limitada largura e tem uma lista de equipamentos mais modesta, mas também o menor preço, seja básica, seja automática. Uma escolha difícil, que só pode ser tomada segundo as suas prioridades.

Nissan Grand Livina S

Motor quatro cilindros em linha, 1,8 litro, 16V, comando variável Transmissão manual, seis marchas, tração dianteira dimensões comp.: 4,42 m – larg.: 1,69 m – alt.: 1,59 m Entre-eixos 2,600 m Porta-malas 123/607/964 litros (7/5/2 passageiros) Pneus 185/65 R15 Peso 1.293 kg

• Gasolina Potência 125 cv a 5.200 rpm Torque 17,5 kgfm a 4.800 rpm Vel. máxima 187 km/h 0 – 100 km/h 11,5 segundos Consumo cidade:11,4 km/l – estrada 15,7 km/l Consumo real cidade: 8,8 km/l – estrada: 11,1 km/l • Etanol Potência 126 cv a 5.200rpm Torque 17,5 kgfm a 4.800 rpm Vel. máxima 189 km/h 0 – 100 km/h 11 segundos Consumo cidade: 6,9 km/l – estrada: 9,4 km/l Consumo real cidade: 5,3 km/l – estrada: 6,7 km/l

Na Grand Livina, os bancos, quando são todos rebatidos, deixam a área de carga quase totalmente plana

Chevrolet Zafira Comfort

Motor quatro cilindros em linha, 2,0 litros, 8V, aspirado Transmissão manual, cinco marchas, tração dianteira Dimensões comp.: 4,33 m – larg.: 1,74 m – alt.: 1,69 m Entre-eixos 2,703 m Porta-malas 150/600/1.700 litros (7/5/2 passageiros) Pneus 195/65 R15 Peso 1.405 kg • Gasolina potência 133 cv a 5.600 rpm torque 18,9 kgfm a 2.600 rpm Vel. máxima 186 km/h 0 – 100 km/h 11s5 Consumo cidade: 9,7 km/l – estrada 14 km/l Consumo real cidade: 7,5 km/l – estrada: 9,9 km/l

• Etanol Potência 140 cv a 5.600 rpm Torque 19,7 kgfm a 2.600 rpm Vel. máxima 192 km/h 0 – 100 km/h 11 segundos Consumo cidade: 6,8 km/l – estrada: 9,8 km/l Consumo real cidade: 5,2 km/l – estrada: 7 km/l

Na Zafira, a terceira fila de bancos “some”, enquanto a segunda corre para a frente. Tudo fica plano

JAC J6 Diamond

Motor quatro cilindros em linha, 2,0 litros, 16V, aspirado Transmissão manual, cinco marchas, tração dianteira Dimensões comp.: 4,55 m – larg.: 1,78 m – alt.: 1,66 m Entre-eixos 2,710 m Porta-malas 710/2.200 litros (5/2 passageiros, removendo bancos) Pneus 205/55 R16 Peso 1.500 kg

• Gasolina Potência 136 cv a 5.500 rpm Torque 19,1 kgfm a 4.000 rpm Velocidade máxima 183 km/h 0 – 100 km/h 13s1 Consumo não disponível Consumo real não disponível

A J6 permite rebater os bancos (abaixo) ou ainda retirá-los do carro, liberando mais espaço (acima)