Avaliação: Audi A3 entrega dirigibilidade e consumo irretocáveis

A quarta geração do Audi A3 traz o melhor de dois mundos, com uma dirigibilidade empolgante proporcionada pelo motor 2.0 turbo e um consumo acima de 17 km/l

0
58
Audi A3 Sportback
Foto: Roberto Assunção

O mundo era diferente em 1996 e à época o litro da gasolina custava R$ 0,576 e nem de longe pensávamos que os utilitários esportivos seriam uma tendência. Foi também no mesmo ano, que o Audi A3 debutou no Salão de Paris, na França. 

Nascido na plataforma PQ34, compartilhada com o Volkswagen Golf de quarta geração, entre 1999 e 2006, teve a produção na fábrica de São José dos Pinhais (PR). Sendo a versão 1.8 T “vermelho” a mais cobiçada graças ao motor turbinado de 1.781 cm³ e 20 válvulas com 180 cv de potência e 23,9 kgfm de torque – em termos de números de desempenho, tratava-se de um rival para o Volkswagen Golf GTI e o Fiat Marea Turbo.

Não à toa o sucesso veio e ao longo dos anos, segundo o fabricante de Ingolstadt, são mais de 90.000 unidades comercializadas no Brasil e mais de 4.000.000 ao redor do mundo.

Eis que agora o Audi A3 desembarcou completamente revisado, importado da Alemanha, e oferecendo preço público sugerido a partir de R$ 284.990 nesta configuração A3 Sportback 2.0 Performance Black TFSI S tronic. Ou seja, um valor inicial inferior frente os compatriotas BMW 118i Sport GP (R$ 292.950) e Mercedes-Benz A 250 (R$ 328.900), para comparar.


+ MOTOR SHOW 442: especial de carros por assinatura, Volvo C40, Commander vs. Tiggo 8, Audi RS3, Renegade turbo e muito mais
+ Audi vai retomar a produção do Q3 no Brasil em 2022
+ Avaliação: Audi RS e-tron GT pode soar falso, mas é ridiculamente rápido
+ Avaliação: o SUV-cupê Audi Q5 Sportback e o preço do estilo

Mudar é preciso

O novo design trouxe faróis Full LED, grade Singleframe com elementos em colmeia, vincos redesenhados no capô e para-choque frontal com entradas de ar inspiradas nos carros do clã RS (sigla para RennSport), como o RS4 Avant, o RS5 Sportback e o RS6 Avant.

Ainda falando do visual, a linha de cintura foi elevada, os para-lamas ficaram pronunciados, enquanto as lanternas redesenhadas são as mesmas tanto no A3 Sportback quanto no A3 Sedan. Aliás, este último foi produzido no Brasil no final de 2015, sendo o primeiro carro flex da marca das quatro argolas, mas com diferenças para o modelo importado da Hungria, como a suspensão traseira com eixo de torção no lugar do conjunto multilink, a maior altura em relação ao solo e o câmbio automático convencional ao invés da caixa automatizada de dupla embreagem.

Baseado na arquitetura MQB EVO do Grupo Volkswagen, as medidas foram a 4,343 m de comprimento, 1,816 m de largura e 1,430 m de altura. O entre-eixos de 2,636 m é identico ao “irmão”  Audi A3 Sedan e o porta-malas da carroceria Sportback acomoda 380 litros podendo o assoalho ser ajustado em dois níveis. Outra solução está no local dedicado para o tampão na hora de levar objetos volumosos.

Audi A3 Sportback
Foto: Roberto Assunção

A cabine deu um salto evolutivo e as saídas de ar abandonaram o formato circular em troca de um estilo influenciado pelo Lamborghini Urus. Os puxadores das portas são semelhantes ao do Audi Q3, enquanto o quadro de instrumentos totalmente digital de 12,3” possui os modos de visualização Clássico, Dinâmico e Sport.

O multimídia MMI de 10,1” de terceira geração possui conectividade Android Auto/Apple CarPlay. E outros features estão no seletor de marchas parecido com o do Porsche 911 992, o botão sensível no painel, o carregador de smartphone por indução, as duas entradas USB-C à frente e para os ocupantes traseiros, além do carregador de smartphone por indução. Quem viaja atrás encontra um espaço razoável para as pernas/joelhos devido ao entre-eixos de 2,636 m – medida menor frente o BMW 118i Sport GP (2,670 m) e o Mercedes-Benz A250 (2,729 m).

Dirigibilidade digna de palmas 

Dizem que mudar é preciso, não é mesmo? No caso do Audi A3 só posso dizer algo: “que carro, que carro, que carro, meus amigos!”. Um dos seletos automóveis à venda em nosso mercado, o qual quanto mais dirigimos mais queremos estar ao volante.

A mágica é fruto do casamento do propulsor 2.0 turbinado (EA 888) ao câmbio automatizado de dupla embreagem e sete marchas. O resultado são 190 cv de potência e 32,63 kgfm de torque disponível em ampla faixa de 1.500 a 4.180 rpm. O Audi A3 é rápido nas reações tanto pela “mesa de torque” disponível quanto pela construção leve utilizando 90% de novos componentes/peças. Ao volante, o turbolag (aquele atraso antes do turbo encher) não incomoda ao passo que o desempenho é auxiliado pelas ágeis mudanças/retomadas da transmissão.

+ Audi terá só carros elétricos a partir de 2033
+ Avaliação: Audi RS 6 Avant, a perua milionária que nos faz perder o juízo
+ Conceito Audi Skysphere é um esportivo de luxo com tamanho variável
+ Avaliação: Audi TT RS é verdadeiro parque de diversões sobre rodas

Outro ponto positivo está na direção assistida eletricamente precisa ao esterço e as belas rodas de 18” vestem pneus Bridgestone Turanza T005 (mesmo modelo empregado no Nissan Kicks Exclusive) de medidas 225/45 R18. No entanto, dependendo da condição do asfalto, o barulho da rolagem dos pneus é enviado para a cabine – nada que desabone o bom isolamento acústico do habitáculo, pois o Audi A3 não sofre de ruídos aerodinâmicos. A calibração das suspensões entregam conforto em nossas ruas esburacadas, além de uma dinâmica invejável.

Audi A3 Sportback
Foto: Roberto Assunção

O seletor de modos de condução oferece os programas Efficiency, Comfort, Auto, Dynamic e Individual. No primeiro, o Audi A3 responde de maneira branda focado na eficiência energética. O volante fica leve e durante nossa avaliação, na cidade e sem trânsito, o computador de bordo registrou médias entre 12,7 km/l e 13,5 km/l com o ar-condicionado ligado.

Na estrada, indo a 100 km/h em sétima marcha o conta-giros crava 1.500 rpm (120 km/h a 2.000 rpm) e consumo foi de 17 km/l em grande parte do tempo – o melhor foi de incríveis 23,7 km/l a 120 km/h constantes. Há pouca diferença entre o Efficiency e o Normal. Entretanto, neste ultimo o Audi A3 responde mais rápido ao pedal do acelerador. A maior diversão ao volante é entregue no Sport possibilitando reações mais brutas, as marchas passadas em rotações mais altas e a direção firme contribuindo na condução.

Pelo que você conferiu o Audi A3 continua um carro sedutor, mas falaremos agora do seu bolso. A versão avaliada custa iniciais R$ 284.990 e estão disponíveis alguns opcionais para deixá-lo mais sedutor. Há pintura metálica/perolizada/sólida especial (R$ 1.700), sistema de som premium Bang&Olufsen 3D (R$ 6.000), faróis Full LED Matrix (R$ 8.500), iluminação do habitáculo personalizável em 30 cores (R$ 1.500), pacote S Line interno (R$ 5.500) e a capa dos retrovisores em fibra de carbono (R$ 6.000).

Portanto, quem quiser o Audi com tudo o que tem direito irá desembolsar R$ 314.190. Mesmo assim, uma bela economia de R$ 14.800 comparado ao Mercedes-Benz A250.


FICHA TÉCNICA
AUDI A3 SPORTBACK PERFORMANCE BLACK 2.0
Preço básico: R$ 284.990
Carro avaliado: R$ 308.190

Audi A3 Sportback Performance Black 2.0
Motor: quatro cilindros em linha, 2.0, 16V, turbo, injeção direta e indireta
Cilindrada: 1984 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 190 cv de 4.200 a 6.000 rpm
Torque: 32,63 kgfm entre 1.500 e 4.180 rpm
Câmbio: automatizado de dupla embreagem, sete marchas
Direção: elétrica
Suspensão: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,343 m (c), 1,816 m (l), 1,430 m (a)
Entre-eixos: 2,636 m
Pneus: 225/40 R18
Porta-malas: 380 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 1.300 kg
0-100 km/h: 7s4
Velocidade máxima: 241 km/h
Consumo cidade: 11 km/l*
Consumo estrada: 14 km/l*
Emissão de CO2: 113 g/km*
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: A (Grande)*
*estimado