Avaliação: Audi A4 chega revigorado

0
8277

Você quer um sedã mais sofisticado que os mostrados nas páginas anteriores? Eis a quinta geração do Audi A4, que chegou para incomodar o BMW Série 3, o Mercedes-Benz Classe C e o Jaguar XE. O novo visual do A4 não só trouxe um baixo coeficiente aerodinâmico (Cx de 0,23) – o melhor da história da Audi –, como uma estrutura 120 kg mais leve, mais resistente e com maior rigidez sobre o antecessor. Essas mudanças se traduzem ao volante; os olhos não vêem, mas o corpo sente.

A Audi diz que 90% das peças são novas. E sob o capô está uma dessas novidades. O novo motor 2.0 TFSI usa injeção direta e indireta (a pressão de trabalho aumentou para 250 bar), além de coletor integrado ao cabeçote, sistema de levantamento de válvulas (Audi Valvelift) e válvula de alívio (Wastergate) controlada eletronicamente. Esse novo bloco turbo de 2 litros garante uma dirigibilidade precisa, apesar do turbolag (aquele atraso antes do turbocompressor encher) incomodar um pouco nas saídas.


A transmissão de dupla embreagem e sete marchas foi repensada, com trocas e reduções mais rápidas. E quem faz questão de boa dinâmica, vai gostar das suspensões de cinco braços na dianteira e na traseira. São 190 cv de potência, mas a estrela é a redução do gasto de combustível e da emissão de poluentes. Além do start-stop (desliga o motor em breves paradas), o A4 passa a ter a função roda livre – ao aliviar o pé do pedal do acelerador é engatado o ponto morto do câmbio. Em conjunto, esses sistemas possibilitaram um consumo médio urbano de 10 km/l e rodoviário de 13,1 km/l, como aferido pelo computador de bordo.

Já o Audi Drive Select têm os modos Efficiency, Comfort, Auto, Dynamic e Individual, que mudam alguns parâmetros, como as respostas da caixa de direção, do motor e da transmissão. Construído sobre a plataforma modular MLB Evo (também usada pelo Audi Q7), o A4 oferece dimensões generosas. Contudo, o quinto ocupante não encontra bom espaço graças ao túnel central elevado. O Virtual Cockpit é um quadro de instrumentos 100% digital com tela de 12,3”. Ele permite visualizar desde informações básicas (consumo, tempo de viagem) até o mapa do navegador.

Um senão desse Audi está na ausência de itens de segurança, como leitura das placas de trânsito, piloto automático adaptativo (acelera, freia e controla o volante a até 65 km/h) e suspensão adaptativa – itens disponíveis na Europa. Apesar dessa versão de lançamento Launch Edition ter um pacote interessante de série, com faróis Full-LED, bancos dianteiros elétricos e o já citado Virtual Cockpit, outros itens são oferecidos opcionalmente: ar-condicionado de três zonas, rodas aro 18”,  teto solar e head-up display, que projeta no para-brisas informações importantes ao motorista como velocidade, entre outros.

—–

Ficha técnica:

Audi A4 Launch Edition

Preço básico: R$ 159.990
Carro avaliado: R$ 172.990
Motor: 4 cilindros em linha 2.0, 16V, duplo comando continuamente variável, válvulas com variação de abertura (Valvelift), injeção direta e indireta, turbo, start-stop
Cilindrada: 1984 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 190 cv de 4.200 rpm a 6.000 rpm
Torque: 32,6 kgfm de 1.450 a 4.200 rpm
Câmbio: automatizado, sete marchas, dupla embreagem
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e multi-link (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,726 m (c), 1,842 m (l), 1,427 m (a)
Entre-eixos: 2,820 m
Pneus: 225/50 R17 (opcionais 245/40 R18)
Porta-malas: 480 litros (965 litros com o banco rebatido)
Tanque: 54 litros
Peso: 1.480 kg
0-100 km/h: 7s3
Velocidade máxima: 210 km/h
Consumo cidade: 11 km/l
Consumo estrada: 14,3 km/l
Emissão de CO2: 109 g/km
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: A (extra-grande)