Avaliação: Audi TT RS esbanja potência e dirigibilidade

Com motor 5 cilindros 2.5, o TT RS tem a finesse dos esportivos alemães e uma enorme sede de asfalto, com uma dinâmica impecável

6793

Chegou a versão mais empolgante do Audi TT. Depois do TTS, que já está há tempos no mercado e entrega mais potência no motor 2.0 que equipa também o TT, agora a conversa ficou mais séria. Equipada com um motor turbo de cinco cilindros em linha, portanto com
20 válvulas de abertura variável, sua capacidade é de 2,5 litros e a potência chegou aos 400 cv. O torque é de 49 kgfm, numa ampla faixa de 1.700 a 5.850 rpm. Tudo nesse carro é superlativo, inclusive o preço: R$ 424.990 (não tem opcionais). A potência específica é de ótimos 161,3 cv/litro. A relação peso/potência é de baixíssimos 3,6 kg/cv e a relação peso/torque é digna de nota: apenas 3,0 kg/Nm. A sequência da ignição é 1-2-4-5-3, alternando os cilindros externos e terminando com o central.

O resultado disso tudo é uma aceleração excepcional de 0-100 km/h: míseros 3,7 segundos. Para chegar a 200, leva 14,3 segundos se partir da imobilidade. Na estrada, rodando em velocidades de cruzeiro, basta uma fincada de pé para a marca de 200 km/h aparecer rapidinho no velocímetro, entre o contagiros digital, numa das muitas configurações do painel. Ele pode chegar a 280 km/h, mas está limitado eletronicamente em 250. Mesmo em altas velocidades, o Audi TT RS tem um comportamento dinâmico impecável, sem desvios de trajetória.

Se os Audi TT e TTS já são capazes de provocar prazer ao volante, esse TT RS extrapola os limites. O carro tem pneus muito largos, que grudam no chão nas curvas. Ele conta com a famosa tração integral Quattro da Audi, que garante o equilíbrio e a entrega de potência na dose desejada pelo motorista. A direção é muito direta. O volante tem dois botões na parte de baixo – à direita, fica a ignição; à esquerda fica o Drive Select, com os modos Comfort, Auto, Dynamic e Individual. As trocas podem ser automáticas ou manuais, por meio da alavanca ou das borboletas – e são sempre muito rápidas, pois o câmbio S-Tronic de sete marchas, com dupla embreagem, é um dos orgulhos do fabricante alemão. Um botão no console permite selecionar o som do escapamento como esportivo ou normal.

As letras RS não estão no carro só de enfeite. Essa é a denominação das versões mais esportivas dos Audi. E um de seus diferenciais é a suspensão, desenvolvida especialmente para os carros esportivos da marca. Dessa forma, o Audi TT RS proporciona muita emoção (boa) em estradas sinuosas, onde as rápidas acelerações e a firmeza do carro atuam de forma sublime com o sistema de vetorização de torque da tração Quattro, entregando a potência sempre nas rodas necessárias. As frenagens contam com discos ventilados e perfurados na dianteira e sólidos na traseira.

Apesar de sua grande esportividade, o Audi TT RS tem um porta-malas surpreendente (305 litros bem largos). E na cabina existe conforto e sofisticação, com um ótimo sistema multimídia, sistema de som Bang & Olufsen e acabamento em fibra de carbono. Lindo e com um vistoso aerofólio, mas não espalhafatoso, o Audi TT RS é um brinquedo que está perto do meio milhão de reais, mas para quem é fã do TT e busca ainda mais exclusividade, talvez valha a pena. Como carro, é impecável. Para muitos, isso é tudo.


Ficha técnica:

Audi TT RS Coupé 2.5 TFSI Quattro

Preço básico: R$ 424.990
Carro avaliado: R$ 424.990
Motor: 5 cilindros em linha 2.5, 20V, turbo, injeção direta
Cilindrada: 2480 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 400 cv de 5.850 a 7.000 rpm
Torque: 49 kgfm de 1.700 a 5.850 rpm
Câmbio: automático sequencial, sete marchas, dupla embreagem
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multi-link (t)
Freios: disco ventilado e perfurado (d), disco sólido (t)
Tração: integral
Dimensões: 4,191m (c), 1,832 m (l), 1,344 m (a)
Entre-eixos: 2,505 m
Pneus: 245/35 R19
Porta-malas: 305 litros
Tanque: 55 litros
Peso: 1.440 kg
0-100 km/h: 3s7
Velocidade máxima: 250 km/h
Consumo cidade: 5,8 km/l (computador de bordo)
Consumo estrada: 7,8 km/l (computador de bordo)
Emissão de CO²: sem dados
Nota do Inmetro: não participa

blog comments powered by Disqus