Avaliação: BMW X3 M40i combina conforto e prazer ao dirigir

A terceira geração do BMW X3 foi lançada no último Salão de Frankfurt e já está sendo fabricada no Brasil, inclusive a nervosa versão seis cilindros M40i, que ganhou 56 cavalos

4292

Faz apenas 15 anos que o BMW X3 surgiu no mundo automotivo, como irmão menor, mais acessível e mais prático do X5. De lá para cá foram duas gerações de muito sucesso. Finalmente, no Salão de Frankfurt de 2017, a BMW apresentou a terceira geração do X3, que começou a ser vendida no Brasil este ano, nas versões xDrive 30i X-Line, com motor 2.0 de 252 cv, e M40i, com um 3.0 de 360 cv. Apesar de suas qualidades, o X3 poderia ser apenas mais um ótimo carro no mercado brasileiro, mas a nova geração chegou com algo mais: a produção nacional. Desde março o X3 2.0 está sendo produzido na fábrica da BMW em Araquari (SC). E o X3 3.0, que vinha importado dos EUA, também começou a ser fabricado em Santa Catarina em junho.

E é exatamente na versão mais nervosa, a M40i, que o X3 nacional estreia em nossas páginas. Como se sabe, a letra M significa que um carro da BMW tem o dedo da divisão de Motorsports. Mas nem todos os M são iguais na marca alemã. Se o M vem à frente de um número (M2, M3, M4, M5 e M6) significa que é quase um carro de corrida. Se o M vem sozinho depois do nome (X5 M ou X6 M) é porque se trata de um SUV que também poderia ser levado para a pista. Todos os outros M são seguidos de números, como esse M40i. Nesse caso, trata-se de um “esportivado”, se é que essa palavra tão avacalhada por algumas marcas caberia num BMW e sua linha M Performance.

Enfim, o X3 M40i não é um legítimo esportivo. Mas também não é um SUV normal. Ele tem mais potência, suspensão e rodas mais esportivas e usa vários elementos estéticos e aerodinâmicos da linha M. É isso que explica o fato de o X3 M40i custar R$ 397.950, enquanto o X3 xDrive 30i X-Line custa “apenas” R$ 309.950. Uma diferença de R$ 88.000. Por isso, é preciso respeito para dirigir um X3 M40i. Quando os seis cilindros acordam, o rugido é grave e já chama atenção em qualquer ambiente. O carro se impõe também pelo porte e pela beleza. Mas para quem está ao volante, isso pouco importa. Uma vez selecionado o Drive no câmbio sequencial de oito marchas, o X3 M40i entrega-se aos prazeres do motorista. São 360 cavalos e uma relação peso/potência de apenas 5 kg/cv. Para ir de 0-100 km/h de forma espantosa, em apenas 4,8 segundos, basta fincar o pé no pedal do acelerador com o carro configurado no modo Sport. O novo motor M Performance trouxe um ganho de 54 cavalos ao X3 de seis cilindros.

Se as arrancadas são vigorosas, as retomadas surpreendem para um carro de quase duas toneladas, pois seus 51 kgfm de torque surgem a partir de 1.500 giros. Para rodar na estrada esse X3 é muito agradável. Em trechos um pouco mais sinuosos ele se mantém divertido – a suspensão traseira independente, os enormes pneus (especialmente os traseiros) e principalmente a tração integral xDrive estão ali para garantir a dignidade dinâmica. Mesmo com pouco trânsito à frente, o X3 precisa desviar-se rapidamente, pois é muito rápido.

Infelizmente, nem sempre o trânsito colabora. Em locais congestionados, o M40i vai melhor no modo Eco (acionado por um toque no botão do console central), modificando os parâmetros do carro e também o visual do quadro de instrumentos, que muda de tom vermelho para azul. Para acentuar seu caráter esportivo, até mesmo no modo Comfort o cluster desse X3 tem as cores vermelhas. Até aí, nenhuma novidade. O que realmente faz diferença nesse novo X3 são algumas tecnologias herdadas de seu irmão maior, o X5.

Como o carro não é feito para agradar somente ao motorista, o X3 agora vem com a conectividade iDrive 6.0 da BMW. Ela é muito completa e fácil de usar. Uma enorme tela de 12,5” no alto do painel exibe seis pequenos quadros (três de cada vez): Mídia/Rádio, Meu Veículo, ConnectedDrive, Navegação, Comunicação e Notificações. É quase um escritório a bordo. Qualquer um desses quadros pode ser ampliado e ocupar toda a área da tela central. Porém, como nem tudo é perfeito, tivemos dificuldade para fixar o mapa do navegador num tamanho padrão (ele ficava mudando ao seu bel prazer e isso atrapalhava a navegação, apesar de a próxima manobra estar indicada também no head-up display). Menos mal que o mapa da Here indica com precisão onde existe tráfego ou não. Além de serviços de concierge, a central multimídia oferece o Apple CarPlay.

Uma das inovações desse X3 é o Driving Assistant Plus, sistema que informa situações de tráfego em cruzamentos, possibilidade de colisão traseira e prevenção de aproximação muito rápida do carro da frente. Para quem sofre ao estacionar, o Parking Assistant Plus faz isso sem que o motorista precise tocar no volante. Já a função Surround View, que exibe imagens do entorno do veículo em tempo real, causa certa confusão, pois traz um excesso de informações ao motorista. O ideal é mesmo olhar nos espelhos, em alguns casos. Desenhado pelo australiano Calvin Luk, o novo BMW X3 tem méritos para agradar o consumidor brasileiro, mas sua tarefa não será fácil.

No primeiro semestre, a BMW vendeu 126 unidades importadas e 189 nacionais, totalizando 315 carros (dos quais menos de 20 foram da versão M40i). Esses números devem melhorar com a nacionalização do veículo, mas alguns rivais vendem bem mais, casos do Volvo XC60 (mais de 1.400 emplacamentos), do Mercedes-Benz GLC (542 unidades), do Audi Q5 (495) e até do Range Rover Velar (408). Mas o BMW X3 já supera ou ameaça rivais como o Porsche Macan (244 vendas) e o Jaguar F-Pace (343). Esse mercado de SUVs médios de luxo é muito disputado e, se não vai contribuir muito com as vendas, a versão M40i fará muito bem para a imagem do novo BMW X3.


Ficha técnica:

BMW X3 M40i

Preço básico: R$ 397.950
Carro avaliado: R$ 397.950
Motor: 6 cilindros em linha 3.0, 24V, turbo, injeção direta, duplo comando variável, start-stop
Cilindrada: 2998 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 360 cv de 5.500 a 6.500 rpm
Torque: 51,0 kgfm de 1.520 a 4.800 rpm
Câmbio: automático sequencial, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco ventilado (d/t)
Tração: integral
Dimensões: 4,716 m (c), 1,897 m (l), 1,467 m (a)
Entre-eixos: 2,864 m
Pneus: 245/40 R21 (d) e 275/35 R 21 (t)
Porta-malas: 450 litros
Tanque: 65 litros
Peso: 1.930 kg
0-100 km/h: 4s8
Velocidade máxima: 250 km/h
Consumo cidade: 7,6 km/l
Consumo estrada: 8,7 km/l
Nota do Inmetro: D
Emissão de CO²: 170 g/km
Classificação na categoria: D (Utilitário Esportivo Grande)

blog comments powered by Disqus