Avaliação: Chevrolet Camaro SS é um V8 “porrada na orelha”

O Camaro SS Coupé continua bruto, e com a adoção de um novo câmbio de dez marchas ele ficou ainda melhor de guiar

O Heavy Metal me acompanha desde a adolescência, e me ajudou a adotar a minha filosofia de vida: loud guitars and fast cars (guitarras barulhentas e carros rápidos, em tradução livre). E, assim como aquele estilo musical extremo, o Chevrolet Camaro SS mostra seu poderio logo nos primeiros acordes. Esse headbanger com quatro rodas agora assumiu um olhar mais cerrado. Tem novos faróis full-LED, capô, para-choque e grade frontal – essa última, pela primeira vez, com o emblema “vazado”. Atrás, o para-choque foi remodelado e as lanternas mantém o estilo anterior. As grandes rodas com aro 20 também são novas, com desenho e pintura específicos para o Coupé (R$ 328.990) e o para o Conversível (R$ 365.990, confira aqui a avaliação).

Já as alterações internas incluíram a adoção da terceira geração do sistema multimídia MyLink – que, comparado ao antigo, tem tela de melhor definição, microfone extra para os comandos de voz, possibilidade de atualização via wi-fi e comandos integrados do ar-condicionado de duas zonas. E há ainda outros mimos, como volante com aquecimento, bancos dianteiros elétricos e aquecidos, partida remota e som Bose – mas no Camaro o único som que você vai querer ouvir é o do poderoso 6.2 V8 aspirado com injeção direta e comando continuamente variável.

Na partida, o Camaro acorda emitindo um grito alto, grave e borbulhante. O esportivo merece ser respeitado, pois, quando provocado, responde de forma malcriada. Intenso e violento, com potência de 461 cv e torque de 62,9 kgfm, ele requer moderação. Mesmo dirigindo em velocidades médias, ao cravar o pé no pedal direito é possível sentir a traseira escorregando e os controles eletrônicos botando ordem na casa. Em relação ao Conversível, o Coupé é 89 quilos mais leve.

E o que já era bom ficou ainda melhor com o câmbio automático de dez marchas substituindo o antigo de oito. A nova caixa, desenvolvida em parceria com a Ford e também usada no Mustang, coopera na dirigibilidade, assim como possibilita andar na cidade usando a sétima marcha para poupar gasolina. O consumo, segundo o PBEV, é de 9,9 km/l (estrada) e 6,2 km/l (cidade), enquanto o antecessor, de oito marchas, fazia 9,6 e
6,4 km/l, respectivamente – ou seja, a melhoria ocorreu mais na dirigibilidade mesmo, porque no 0-100 km/h também não ganhou nada. Isso mesmo com o sistema de desativação de cilindros, que “corta” quatro dos cilindros quando pode.

Se a ideia é extrair todo o poder do “V-oitão” e de quebra fazer um “show”, o Camaro ganhou controle de largada e modo burnout, que permite “lixar no asfalto” os largos pneus traseiros 275/35 ZR20. Também estão disponíveis quatro modos de condução (Passeio, Esportivo, Neve e Pista), que alteram os parâmetros do pedal do acelerador, transmissão, volante e da luzes internas. No dia a dia, o Chevy cobra o seu preço por ter uma suspensão mais firme, além de pneus run flat, e uma direção firme ao esterço. E a baixa altura da carroceria dificulta balizas e manobras em locais apertados. Mas isso não importa em um modelo tão visceral de guiar.


Ficha técnica:

Chevrolet Camaro SS Coupé

Preço básico: R$ 328.990
Carro avaliado: R$ 328.990
Motor: oito cilindros em V 6.2, 16V, injeção direta, comando variável, desligamento de cilindros
Cilindrada: 6162 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 461 cv a 6.000 rpm
Torque: 62,9 kgfm a 4.400 rpm
Câmbio: automático sequencial, dez marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) multilink (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: traseira
Dimensões: 4,784 m (c), 1,894 m (l), 1,340 m (a)
Entre-eixos: 2,812 m
Pneus: 245/40 R20 (d) e 275/35 R20 (t)
Porta-malas: 208 litros
Tanque: 72 litros
Peso: 1.709 kg
0-100 km/h: 4,2 segundos
Velocidade máxima: 290 km/h (limitada eletronicamente)
Consumo cidade: 6,2 km/l**
Consumo estrada: 9,9 km/l**
Emissão de CO²: 200 g/km
Nota do Inmetro: E*
Classificação na categoria: E*

*estimado
**dados do fabricante

blog comments powered by Disqus