Avaliação: Chevrolet Cruze Midnight é sedã para esbanjar estilo

O Chevrolet Cruze Midnight chama muita atenção e ao volante a dirigibilidade é garantida pelo propulsor 1.4 turbinado e a ótima calibração das suspensões

0
42
Chevrolet Cruze Midnight
Foto: Divulgação

A nomenclatura Midnight da Chevrolet já estampou as carrocerias da picape média S10, da geração passada do SUV Tracker e também do Equinox. Atualmente, ela aparece no Onix Plus e foi estendida ao Cruze. A novidade da linha 2022 complementa a gama do sedã médio, posicionada entre a LT e a LTZ, sendo comercializada a partir de R$ 137.350 (R$ 139.780 para São Paulo).

Os diferenciais ficam pelo estilo, com a dianteira exibindo o emblema da gravata do fabricante com fundo preto, assim como detalhes em cromo escurecido e os faróis com máscara negra dotados de luz de circulação diurna (DRL) em LED.

Nas laterais, os destaques vão para o logotipo Midnight na porção inferior das portas frontais, as rodas de liga leve de 17” mesclam acabamentos em preto/cromado, enquanto atrás o nome Cruze trocou o cromado por um tom escurecido.

Ao contrário da S10, do Tracker e do Onix Plus, para citar, o Chevrolet Cruze não é ofertado unicamente na cor preto Ouro Negro e a palheta ainda traz o azul Eclipse e o cinza Satin Steel por conta de um pedido dos consumidores, de acordo com a Chevrolet.

As três tonalidades são disponibilizadas no Tracker, no Spin e no Spin Activ7, sendo que o azul Eclipse não possui custo ao passo que tanto o preto Ouro Negro (carro das fotos) quanto o cinza Satin Steel adicionam R$ 1.900 ao valor do sedã.

+ Avaliação: Chevrolet Onix Premier é conectado e bom de guiar, mas já passa de R$ 100 mil
+ Avaliação: Chevrolet Cruze é para a família que se fala pela internet
+ Chevrolet Cruze ganha financiamento com dois pagamentos em um ano
+ Comparativo: Toyota Corolla x Honda Civic x Chevrolet Cruze


Interior

O habitáculo bem construído é escurecido seguindo a pegada do exterior, assim como oferece materiais sensíveis ao toque e uma boa posição de dirigir devido aos amplos ajustes de altura/profundidade da coluna de direção da mesma forma que a ergonomia ainda é beneficiada pelos comandos bem posicionados à mão.

O volante possui uma boa empunhadura e atrás estão os comandos de áudio ao invés das borboletas para realizar as trocas sequenciais – elas são feitas unicamente pela alavanca. A nomenclatura Midnight (meia-noite, traduzido do inglês) também está presente nas soleiras das portas e nos tapetes.

Entre os itens de série, o Chevrolet Cruze Midnight possui ar-condicionado com controle eletrônico de temperatura, entrada/partida sem chave, sensor de estacionamento traseiro/câmera de ré, regulagem da altura do facho dos faróis, controlador/limitador de velocidade, controles de tração/estabilidade, freios a disco nas quatro rodas, assistente de partida em rampas, seis airbags (frontais, laterais e de cortina) e monitoramento da pressão dos pneus.

O multimídia com Android Auto/Apple Car requer a utilização de cabos ao contrário do Tracker. A praticidade do Wi-Fi “nativo” tem gratuidade de três meses ou 3 GB (o que ocorrer primeiro). Depois é cobrada uma mensalidade, com planos de 2 GB (R$ 29,99), 5 GB (R$ 39,99), 10 GB (R$ 59,99) e 20 GB (R$ 84,99). Já o assistente pessoal/serviço de concierge OnStar é grátis por 10 anos no pacote Standart Connect e tem um valor mensal de R$ 75,90 no Protect, de R$ 64,99 no Connect e de R$ 99,90 no Protect+Connect.

Dependendo da escolha, entre as comodidades/funcionalidades, há alertas de diagnóstico do veículo, notificações de manutenções/revisões, resposta automática em caso de acidentes, serviços de emergência, recuperação veicular, status e localização do veículo, por exemplo.

+ Avaliação: de Chevrolet Trailblazer Premier na selva de pedra
+ Avaliação: Chevrolet Camaro SS Coupé é o doce veneno da brutalidade
+ Avaliação: Chevrolet Onix RS, parece esportivo, mas não é (e faz 15 km/l)
+ Impressões: Chevrolet Equinox 1.5 turbo dá conta do recado

Motor 1.4 turbinado

Depois da saída do Honda Civic, que passará a vir importado para o Brasil neste ano, o Chevrolet Cruze encara pela frente a concorrência dos sedãs médios Toyota Corolla, do Caoa Chery Arrizo6, do Volkswagen Jetta e do Kia Cerato, por exemplo.

Sob o capô, o três volumes da Chevrolet – a atual geração foi lançada no Brasil, em 2016, enquanto a primeira chegou às concessionárias em setembro de 2011 – emprega o propulsor Ecotec de quatro cilindros 1.4 com turbo e injeção direta associado ao câmbio automático de seis marchas para oferecer até 153 cv de potência e 24,5 kgfm de torque, quando abastecido com etanol.

Chevrolet Cruze Midnight
Foto: Divulgação

Competente, o casamento mecânico do Chevrolet Cruze não demonstra falta de fôlego transmitindo a sensação de andar sempre cheio, além de proporcionar um funcionamento suave/silencioso e entregar reações ligeiras, seja nas mudanças quanto nas retomadas. O turbolag (o atraso antes do turbocompressor encher) é baixo e o desempenho cooperado pelo bom trabalho da caixa automática.

A direção poderia ser mais direta da mesma forma que outra crítica vai para as trocas sequenciais realizadas apenas pela alavanca de câmbio, conforme falamos anteriormente. As suspensões são um ponto alto garantindo o conforto em nosso asfalto e uma dose de diversão nas curvas ao evitar a rolagem da carroceria no estilo coupé-sedã de quatro portas.

Chevrolet Cruze Midnight
Foto: Divulgação

Com um estilo próprio, o Chevrolet Cruze Midnight agradará os clientes dos sedãs médios, que desejam praticidade/conforto na hora de levar a família, mas que não abrem mão do estilo.


FICHA TÉCNICA
CHEVROLET CRUZE MIDNIGHT
Preço básico R$ 137.350 (R$ 139.780 para São Paulo)
Carro avaliado R$ 139.250 (R$ 141.680 para São Paulo)  

Chevrolet Cruze Midnight
Motor: quatro cilindros em linha 1.4, 16V, duplo comando de válvulas com variação na admissão e no escape, turbo, injeção direta
Cilindrada: 1399 cm3
Combustível: flex
Potência: 150 cv e 153 cv a 5.200 rpm (g/e)
Torque: 24 kgfm e 24,5 kgfm a 2.000 rpm (g/e)
Câmbio: automático, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,665 m (c), 1,807 m (l), 1,484 m (a)
Entre-eixos: 2,700 m
Pneus: 215/50 R17
Porta-malas: 440 litros
Tanque: 52 litros
Peso: 1.310 kg
0-100 km/h: 9s
Velocidade máxima: 214 km/h
Consumo cidade: 10,5 km/l (g) e 7,1 km/l (e)
Consumo estrada: 14,3 km/l (g) e 9,6 km/l (e)
Emissão de CO2: 113 g/km
Consumo nota: C
Classificação na categoria: B (Grande)

MAIS NA MOTORSHOW:

+ Abarth chega ao Brasil como marca; Pulse será o primeiro modelo comercializado
+ Caça russo é usado pela primeira vez em combate
+ Carro por assinatura vale a pena? Confira um guia completo com preços, vantagens e desvantagens
+ Qual é a melhor versão do Jeep Compass 2022?
+ Mitsubishi Pajero completa 40 anos cheio de histórias e curiosidades
+ Comparativo de SUVs: Jeep Compass vs. VW Taos e Toyota Corolla Cross
+ Avaliação: Honda CR-V agrada aos fãs, mas vale a pena?
+ Surgem primeiras imagens do Antonov An-225 destruído
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Mercedes de Hitler é pivô de grande polêmica