Avaliação: Chevrolet Tracker Midnight ganha a elegância que faltava

O Chevrolet Tracker Midnight ganha uma decoração externa mais chamativa e mais condizente com o bom rendimento do motor 1.4 turbo

Lançado no mercado brasileiro em 2013 e reestilizado em 2016, o Chevrolet Tracker nunca se destacou por ter uma personalidade marcante. Algo que é uma grande injustiça, já que o modelo da marca americana é o único do seu segmento a combinar uma dinâmica bem acertada com o desempenho empolgante de um motor turbo em todas as versões. Agora, com o lançamento da série especial Midnight, a Chevrolet quis dar ao seu SUV compacto um visual mais chamativo e condizente com o espírito do carro.

Diferente das versões LT e Premier, de visual mais conservador, o Chevrolet Tracker Midnight bebe da mesma fonte da picape S10 Midnight e abandona os adereços cromados. Além da carroceria pintada no tom ouro negro metálico, o preto brilhante está nas rodas de 18” (com desenho exclusivo), nas maçanetas externas e até na gravata da Chevrolet. Parece pouco, mas foi o suficiente para o modelo (já bastante conhecido) chamar atenção no trânsito como se fosse uma novidade.

Baseado no pacote inicial de equipamentos da versão Premier, o Tracker Midnight deve alguns itens: não traz alerta de colisão frontal, assistente de manutenção em faixa nem os airbags laterais e de cortina (itens presentes na versão Premier, mais cara). Porém, mesmo sem esses itens, a lista de série é bem atraente e inclui controles eletrônicos de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, monitor de pontos cegos, monitor de tráfego cruzado na traseira, teto solar elétrico, luzes diurnas de LED, bancos de couro e chave presencial.

Sem mudanças mecânicas em relação ao restante da linha, o Tracker de visual escurecido segue tendo como principal qualidade o motor 1.4 turbo de 153 cv (com etanol). Com o mesmo motor empregado no sedã Cruze e combinado a um câmbio automático de seis marchas, o SUV compacto empolga nas arrancadas e mais ainda nas retomadas de velocidade em estradas. É uma pena que as trocas de marchas manuais possam ser feitas apenas por um incômodo botão na alavanca. Já a suspensão tem um acerto bem equilibrado, mas que agrada mais no asfalto. Em pisos irregulares, incomodam as batidas secas no final do curso dos amortecedores.


Ficha técnica:

Chevrolet Tracker Midnight

Preço básico: R$ 89.790
Carro avaliado: R$ 103.000*
Motor: 4 cilindros em linha 1.4, 16V, turbo, injeção direta, start-stop
Cilindrada: 1399 cm³
Combustível: flex
Potência: 150 cv a 5.600 rpm (g) e 153 cv a 5.200 rpm (e)
Torque: 24 kgfm a 2.100 rpm (g) e 24,5 kgfm a 2.000 (e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: Mac-Pherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,258 m (c), 1,776 m (l), 1,678 m (a)
Entre-eixos: 2,555 m
Pneus: 215/55 R18
Porta-malas: 306 litros
Tanque: 53 litros
Peso: 1.413 kg
0-100 km/h: 9s4 (e)
Vel. máxima: n/d
Consumo cidade: 10,6 km/l (g) e 7,3 km/l (e)
Consumo estrada: 11,7 km/l (g) e 8,2 km/l (e)
Emissão de CO²: 121 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: A (Utilitário Esportivo Compacto)

*preço estimado

blog comments powered by Disqus