Avaliação: Citroën C4 Cactus THP é um carro racional

Na ponta do lápis, o Citroën C4 Cactus THP é uma boa compra, pelo motor e equipamentos de segurança que oferece, mas ainda falta algo para empolgar

O Citroën C4 Cactus tem duas opções de motor 1.6: aspirado de 115/122 cv ou este turbo de 166/173 cv. A versão Shine THP que avaliamos pode vir com dois airbags por R$ 94.990 ou na configuração Pack, com seis airbags e sistema de frenagem automática, entre outros itens de segurança, por R$ 98.990. Na ponta do lápis, é um SUV bastante competitivo se comparado com o Ford EcoSport 2.0 Titanium (176 cv) custa R$ 100.590, com o Hyundai Creta Sport 2.0 (166 cv) de R$ 97.890 e com o Jeep Renegade Longitude 1.8 (139 cv) de R$ 96.990. É evidente que o trunfo do Cactus THP é o motor.

Durante o período em que rodei com o carro, tanto na cidade quanto na estrada, o motor só mereceu elogios. Verdade que ele não é dos mais econômicos (nota C no Inmetro), mas não causa o tormento de um SUV beberrão. O Cactus é o melhor carro já feito pela Citroën do Brasil. As linhas são agradáveis, o interior é espaço e bem planejado, com porta-objetos bem distribuídos, o painel é minimalista, pós-moderno, e o volante é excelente. Destaque para a direção elétrica levíssima, o aro grosso e a facilidade de lidar com os comandos. Graças ao motor, o Cactus THP é ágil nas arrancadas e ultrapassagens. O acabamento também é de bom gosto.

Três pontos impedem o Cactus de ser um carro brilhante: o porta-malas pequeno (nisso, ele empata com EcoSport e Renegade), a falta de borboletas para trocas de marcha (inadmissível num carro de R$ 100 mil e com tanta potência) e a ergonomia dos bancos dianteiros. Ele tem o assento curto e muito plano. Dessa forma, a área de contato com a parte de trás das coxas é pequena. No trânsito engarrafado da cidade isso incomoda e na estrada, em viagens longas, mais ainda. O resultado disso é que não consegui uma posição de dirigir elevada (razão de ser de um SUV) e tive que deixar o banco mais baixo e o volante também rebaixado para não cansar tanto.

Particularmente, também não gosto do formato do quadro de instrumentos. Algumas barras são difíceis de ler, é quase imperceptível o aviso de que o carro está no modo Sport ou Eco. Prefiro os velhos e bons ponteiros. Sem contar que a ótima potência praticamente exige um painel mais esportivo e, principalmente, as aletas para mudanças de marcha. São pequenos detalhes num carro que ficou excelente, mas que seriam suficientes para que eu não o comprasse. Além disso, se eu fosse comprar um SUV, gostaria de ter um carro mais “raiz”, como um Renegade ou o próprio EcoSport, que tem potência similar, shift paddles e multimídia superior.


Contraponto

Por Evandro Enoshita

Depois de ter criticado na edição de setembro da o desempenho do motor 1.6 VTi do Citroën C4 Cactus, agora tenho certeza de que o motor 1.6 turbo é a escolha perfeita para equipar o SUV compacto. Afinal, são 120 cv do motor aspirado contra 173 do THP. A versão Shine THP combina todas as qualidades das configurações aspiradas a um motor que esbanja potência mesmo no modo Eco do câmbio, que faz as trocas de marcha em rotações mais baixas, para reduzir o consumo de combustível.

Discordo dos elogios em relação à direção elétrica (um pouco mais de peso não faria mal ao conjunto) e das críticas aos bancos dianteiros (que são confortáveis para motoristas mais baixos, como eu, que tenho 1,65 m de altura). Apesar de ter uma opinião distinta da do Quinta nesses pontos, concordo com ele que o Cactus, com seu desenho externo bem resolvido e interior caprichado, é o melhor produto já produzido pela marca francesa no Brasil. Se eu fosse comprar um SUV, o modelo da Citroën com certeza seria um dos mais fortes candidatos da minha lista.

COMPRE SE…
SUV para você é um carro para rodar na cidade, com pouca bagagem, mas com potência de sobra para as arrancadas.
Você procura um carro prático para o dia-a-dia, pois ele é facílimo de estacionar e muito bem resolvido por dentro.

NÃO COMPRE SE…
Você gosta de antecipar marchas em algumas ocasiões, pois o Cactus THP só tem alavanca manual e não a borboleta do volante.
Você é uma pessoa muito alta, pois o assento do banco é curto e causa cansaço nas pernas, além de prejudicar a posição de dirigir.

CONSIDERE TAMBÉM ESSES CONCORRENTES


Ficha técnica:

Citroën C4 Cactus Shine 1.6 THP Pack

Motor: 4 cilindros em linha 1.6, 16V, turbo
Cilindrada: 1598 cm3
Combustível: flex
Potência: 166 cv a 6.000 rpm (g) e 173 cv a 6.000 rpm (e)
Torque: 24,5 kgfm a 1.400 rpm (g/e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: Pseudo MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,170 m (c), 1,714 m (l), 1,563 m (a)
Entre-eixos: 2,600 m
Pneus: 205/55 R17
Porta-malas: 320 litros
Tanque: 55 litros
Peso: 1.617 kg
0-100 km/h: 7s5 (g) e 7s3 (e)
Velocidade máxima: 212 km/h (g/e)
Consumo cidade: 10,4 km/l (g) e 7,2 km/l (e)
Consumo estrada: 12,6 km/l (g) e 8,9 km/l (e) Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: B (Utilitário Esportivo Compacto)