Avaliação: Citroën C5 Aircross é a minivan que virou SUV

Com a falta de interesse dos consumidores pelo C4 Picasso, a Citroën o aposenta e traz em seu lugar, até o final do ano, o C5 Aircross – que capricha no conforto, com assentos especiais e suspensões engenhosas

O mercado é impiedoso. O Citroën C4 Picasso (confira aqui a avaliação) era uma ótima minivan, e para a maioria das pessoas melhor que 99% dos SUVs nas formas e funções, mas quase ninguém o comprava. Agora, ele sai de linha para, até o fim do ano, dar lugar no Brasil a um novo modelo: o C5 Aircross, feito na mesma plataforma e com a mesma mecânica do C4 Picasso. Uma minivan que virou SUV. Mas, para se diferenciar dos demais, além das tradicionais ousadia e criatividade francesas no design, a novidade aposta, principalmente, no conforto.

Do que diz o marketing devemos desconfiar. Seu trabalho é vender, e não é de admirar o entusiasmo exagerado com que exalta as qualidades do produto – chamando-o de “tapete voador”. Nunca experimentamos um, e duvidamos que existam, então falta referência. Mas o efeito que a suspensão do Aircross produz parece mesmo muito próximo da sensação de viajar acima dos obstáculos.

Voltando à terra firme, o novo Citroën C5 tem um conforto quase de suspensão a ar (pneumática). Mas não é. Trata-se de uma solução técnica mais econômica, porém muito engenhosa, baseada em um sistema de amortecedores hidráulicos progressivos (leia quadro). Um sistema bastante simples, mas que garante um conforto ao rodar superior à média. Somado aos assentos de excelente qualidade e à boa insonorização, coloca o conforto no topo da lista de qualidades do SUV médio já vendido na China – sem a suspensão “mágica”, que não sabemos se chegará ao Brasil – e na Europa.

Avaliamos a versão topo de linha Shine, com o conhecido motor 1.6 THP (turbo e injeção direta) a gasolina, aqui com 181 cv. Além do conforto, outro destaque é a praticidade – “culpa” da tradição da marca com minivans. Os três bancos traseiros são individuais e deslizam 15 cm de forma independente, além de terem encosto reclinável. Assim, permitem modular o espaço conforme a necessidade. Na frente, há dois grandes compartimentos no console central (um com carregador wi-fi), muitos porta-copos e uma caixa refrigerada sob o apoio de braço. O quadro de instrumentos digital de 12 polegadas é claro, com diferentes layouts predefinidos.

Mas há coisas cuja praticidade é questionável. O comando do piloto automático, por exemplo – a velha alavanquinha – fica meio escondido pelo volante e o sistema de infotainment é completo e agradável de ver, mas tudo é feito por toque (já criticamos isso no irmão menor C4 Cactus). Para mudar a temperatura do ar-condicionado, por exemplo, é preciso passar por várias telas – não dá para simplesmente girar um botão. Isso rouba a atenção do motorista.

Em movimento, a nova transmissão automática de oito marchas se destaca: fluida, responsiva, com pouco patinamento e perfeita lógica de operação. Quase nunca dá vontade de usar o modo manual, assim como são desnecessários o Sport e o Eco, que variam – mas não muito – respostas da transmissão e do motor. Pena que não ajuste as suspensões, pois elas são passivas e sua calibração, como vimos, privilegia o conforto e não pode ser modificada. Bom para as costas, mas ruim para a dinâmica do SUV.

O motor 1.6 turbo não é novo nos modelos do grupo PSA – é o mesmo usado no primo Peugeot 3008, com quem compartilha a plataforma EMP2. Aqui o conjunto agrada mais uma vez, garantindo ao C5 Aircross uma personalidade elástica, com respostas bastante fortes quando solicitadas pelo pé direito (0-100 km/h em 8,8 segundos). Mas o SUV é pesado, embora não exageradamente, e assim cobra no consumo extra quando se exige mais dele. Em média, marcamos 12 km/l, um resultado apenas razoável para sua categoria.

O C5 Aircross deve conquistar principalmente as famílias que buscam um SUV mais espaçoso e confortável que a média e com design que chama a atenção. Se a Citroën o trouxer com suspensão “tapete mágico” e preço na faixa de R$ 150 mil, deve conquistar uma bela fatia do segmento – aproveitando o embalo do C4 Cactus (confira aqui a avaliação), que vem sendo bem recebido pelo consumidor brasileiro.


Suspensões simples, mas eficientes

O novo C5 Aircross prioriza o conforto usando suspensões especiais. Não são as clássicas e lendárias hidropneumáticas da marca, complexas e caras, mas há amortecedores hidráulicos progressivos, que atuam de maneira diferente conforme o estresse ao qual são sujeitados. Em vez dos batentes normais, o sistema causa um enrijecimento progressivo da suspensão, que fica mais firme à medida que as tensões aumentam. A calibração básica é muito confortável, pois nunca dá final de curso, com absorção sempre muito suave e eficaz.

Já o motor quatro cilindros 1.6 turbinado tem sistema eletromecânico de elevação variável das válvulas de admissão e turbo que coleta os gases de escape dos cilindros em dois dutos separados, de modo a combinar as diferentes pulsações e aproveitar ao máximo a energia. A transmissão de oito velocidades da japonesa Aisin japonês leva a tração às rodas dianteiras; em superfícies de baixa aderência o Grip Control modifica a calibração do motor, da caixa de câmbio e do ESP de acordo com as condições do piso. Aqui é combinado ao controle de velocidade em descidas (HDC), usando o ABS.


Ficha técnica:

Citroën C5 Aircross Shine

Preço básico: R$ 149.990*
Carro avaliado: R$ 174.990*
Motor: quatro cilindros em linha 1.6, 16V, comando variável, turbo, injeção direta
Cilindrada: 1598 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 181 cv a 5.500 rpm
Torque: 25,5 kgfm a 1.750 rpm
Câmbio: automático sequencial, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,50 m (c), 1,84 m (l), 1,67 m (a)
Entre-eixos: 2,73 m
Pneus: 205/55 R19
Porta-malas: 479 a 481 litros (deslizando banco) e 1.630 litros (todos rebatidos)
Tanque: 50 litros
Peso: 1.430 kg
0-100 km/h: 8s8 (QRT)
Velocidade máxima: 200 km/h (QRT)
Consumo cidade: 10,5 km/l (QRT)
Consumo estrada: 14,1 km/l (QRT)
Emissão de CO²: 125 g/km
Nota do Inmetro: C*
Classificação na categoria: B (Grande)

*estimadas