Avaliação: O Fiat Mobi Way está pronto para a aventura


O estilo aventureiro nasceu no Brasil com a perua Fiat Palio Adventure, em 1999. O público gostou e depois ele foi aplicado na picape Strada, no multiuso Doblò e no monovolume Idea. Da proposta Adventure veio a Way – no antigo Mille, no Palio Fire e no atual Uno. Esse conceito de visual robusto, segundo a Fiat, representa entre 40% e 50% das vendas. E o novo integrante dessa “gangue” é o Mobi Way – ele deverá abocanhar 35% do mix e o fabricante quer encerrar as vendas mensais com 4.000 carros. A previsão inicial para o Mobi era de 7.500 veículos/mês.

As versões Way (R$ 39.300) e Way On (R$ 43.800) trazem visual off-road, com para-choques exclusivos, rack de teto, calotas (na Way) ou rodas de liga leve próprias (Way On), suspensão elevada e novas molduras dos para-lamas e das caixas de rodas. Os faróis de neblina são de série na Way On. Ambas as configurações usam motor de quatro cilindros 1.0 Fire Evo Flex de 73/75 cavalos (gasolina/etanol). Esse é o mesmo propulsor do Palio Fire e do Uno, porém, com nova calibração para gastar menos combustível. O câmbio é de cinco marchas. O aguardado motor tricilíndrico da Fiat não virá no Mobi, mas sim no Uno, ainda este ano.

Embora menos potente que o tricilíndrico aspirado do Volkswagen CrossUp (75/82 cv) o Mobi Way On oferece uma dirigibilidade condizente e honesta com a sua proposta. O pequeno Fiat embala com facilidade e parte desse fôlego é atribuída ao peso de 940 kg (Way) e de 966 kg (Way On). Para comparar, um Fiat Uno Way 1.0 têm 980 kg. Entretanto, em subidas íngremes é preciso fazer algumas reduções. Nada que fuja à regra em carros de 1,0 litro. O câmbio poderia ter os engates mais precisos.

Lado a lado com o Mobi Like, as suspensões do Mobi Way/Way On são elevadas em 1,5 cm. Vieram novas molas, amortecedores e barra estabilizadora dianteira (uma exclusividade da gama Way). O conjunto agrada pelo rodar macio, além do bom controle da carroceria nas curvas e nos terrenos acidentados. A direção hidráulica tem o peso e a precisão corretos. Já o conjunto de freios a disco na dianteira veio do irmão Uno.

O Mobi Way On é menor que o Uno Way em 21,5 cm – contudo, os carros são parecidos nas medidas internas. O acesso no Mobi é facilitado pelas portas com aberturas de 70° (dianteiras) e de 80° (traseiras). E quem viaja atrás encontra espaço pequeno. Uma exclusividade do Mobi Way On é o console de teto. O porta-malas tem capacidade para 215 litros e a inovação fica pela tampa de vidro com espessura de 5 mm. O Mobi passará em breve pelo crivo do Latin NCAP. A Fiat acredita que o carro ganhará três estrelas para a proteção de adultos, já seguindo as novas regras, que são mais rígidas em relação às do ano passado (naquelas, o Volks Up conseguiu cinco estrelas).

—–

Ficha técnica:

Fiat Mobi Way On 1.0

Preço básico: R$ 43.800
Carro avaliado: R$ 43.800
Motor: 4 cilindros em linha 1.0, 8V
Cilindrada: 999 cm3
Combustível: flex
Potência: 73 cv a 6.250 rpm (g) e 75 cv a 6.250 rpm (e)
Torque: 9,5 kgfm a 3.850 rpm (g) e 9,9 kgfm a 3.850 rpm (e)
Câmbio: manual, cinco marchas
Direção: hidráulica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco sólido (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,596 m (c), 1,685 m (l), 1,550 m (a)
Entre-eixos: 2,305 m
Pneus: 175/65 R14
Porta-malas: 215 litros
Tanque: 47 litros
Peso: 966 kg
0-100 km/h: 14s6 (g) e 13s8 (e)
Velocidade máxima: 151 km/h (g) e 152 km/h (e)
Consumo cidade: 11,9 km/l (g) e 8,4 km/l (e)
Consumo estrada: 13,3 km/l (g) e 9,2 km/l (e)
Emissão de CO2: 107 g/km
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: A (Micro Compacto)