Avaliação: Ford EcoSport Titanium perde estepe e ganha motor 1.5

Mesmo com as mudanças, o Ford EcoSport Titanium segue como uma opção de compra interessante em sua faixa de preço

As principais novidades do novo Ford EcoSport Titanium 2020 são, na verdade, ausências. O controverso estepe na tampa do porta-malas deixa de ser usado nesta configuração – a mais cara com tração 4×2 –, e o motor 2.0 sai de cena para dar lugar ao 3 cilindros de 1,5 litro. Quem quiser o EcoSport 2020 com o estepe exposto ainda pode optar pelas versões SE ou FreeStyle. E os que não abrem mão do motor 2.0 têm agora como única opção a configuração Storm 4WD, que sai por R$ 108.390 – e também continua com a roda reserva na traseira.

Sem espaço para colocar o estepe dentro do carro, a Ford adotou uma solução comum em modelos esportivos e de luxo: equipou o SUV com pneus run flat (que podem rodar furados por até 80 km a uma velocidade de até 80 km/h) e colocou no porta-malas um kit de reparo com compressor e spray selante, que permite estender a autonomia com o pneu furado para até 200 km. Por outro lado, quem optar por esse EcoSport sem estepe terá que arcar com o custo de reposição mais alto dos pneus run flat, que nesta medida do SUV da Ford custam em média 33% mais do que os normais. Outra má notícia é que a tampa do porta-malas continua abrindo horizontalmente – a marca não a trocou por uma “normal”.

Além de retirar o estepe, a Ford tirou da versão Titanium o motor 2.0 com injeção direta e 170/176 cv. Em seu lugar, o SUV passa a ter o 3 cilindros 1.5 das versões mais acessíveis, com 30 cv a menos. Na prática, ele é menos decepcionante do que indicariam os números. Se antes o Eco Titanium tinha motor de sobra, o 1.5 de 130/137 cv, combinado a um câmbio automático de seis marchas, garante desempenho suficiente para a proposta – e com consumo muito menor, principalmente quando usado na cidade.

Com um bom torque, o novo 1.5 responde muito bem no uso urbano. Já na estrada, colocar a transmissão no modo “S” mantém os giros um pouco mais altos para ajudar a garantir um melhor desempenho. O lado ruim é o funcionamento áspero do conjunto: a Ford afirma que reforçou o isolamento acústico na linha 2020, mas o ronco do motor invade a cabine quando pisamos fundo no pedal do acelerador.

Com as modificações, o SUV ficou 13 quilos mais leve do que na linha 2019, o que exigiu mudanças na calibração da direção, freios e suspensão. Na prática, o SUV ainda agrada com a direção precisa e a suspensão confortável, sem ser macia em excesso. A posição de dirigir é mais alta que a média e os comandos ficam à mão.

Vendida por R$ 103.890, essa versão Titanium segue tendo na lista de equipamentos um dos seus pontos mais fortes: traz de série sete airbags, ar-condicionado automático digital, monitor de pontos cegos, alerta de tráfego cruzado, controles eletrônicos de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, sistema multimídia com tela de 8” e um (bom) sistema de som Sony com nove alto-falantes, acendimento automático dos faróis, teto solar e bancos de couro.


Ficha técnica:

Ford EcoSport Titanium

Preço básico: R$ 78.990
Carro avaliado: R$ 103.890
Motor: 3 cilindros em linha 1.5, 12V, duplo comando variável Cilindrada: 1497 cm³ Combustível: flex
Potência: 130 cv a 6.500 rpm (g) e 137 a 6.500 rpm (e)
Torque: 15,6 kgfm a 4.500 rpm (g) e 16,1 kgfm a 4.500 rpm (e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,096 m (c), 1,765 m (l), 1,693 m (a)
Entre-eixos: 2,519 m
Pneus: 205/50 R17
Porta-malas: 356 litros
Tanque: 52 litros
Peso: 1.310 kg
0-100 km/h: 11s8 (e)**
Velocidade máxima: n/d
Consumo cidade: 9,8 km/l (g) e 6,8 km/l (e)
Consumo estrada: 11,6 km/l (g) e 8,2 km/l (e)
Emissão de CO²: 120 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: C (Utilitário Esportivo Compacto)*

*estimado / **Medição Motor Show