Avaliação: Ford Fiesta SEL Style EcoBoost empolga ao volante

Tudo “culpa” do eficiente conjunto composto de motor 1.0 turbinado e câmbio automatizado de dupla embreagem

Roberto Assunção

Eis um Ford Fiesta divertido de guiar. Antes disponível somente na topo de linha Titanium, agora o premiado motor tricilíndrico 1.0 turbo EcoBoost passou a ser ofertado na forma de pacote na SEL Style EcoBoost de R$ 69.790 – a SEL 1.6 aspirada manual custa R$ 61.090. E essa é uma das novidades da linha 2018, juntamente de outras discretas mudanças visuais e mecânicas (confira neste link: bit.ly/2mxgCAw). Outros diferenciais dessa versão em relação às demais estão na pintura em preto brilhante da grade do radiador, das capas dos retrovisores, das molduras das luzes de neblina e das rodas de liga leve de 16”. E os faróis exibem máscara negra.

Sem ambições esportivas, como a variante ST do exterior, esse Fiesta é da trupe do downsizing e preocupado em ser eficiente/econômico. O propulsor “mil” de três cilindros importado da Romênia oferece turbo com pressão de trabalho de 1,5 bar, injeção direta e duplo comando variável. Apesar disso, continua bebendo só gasolina, ao contrário do rival Volkswagen Polo Highline 200 TSI (R$ 69.190), mas com 125/128 cv (g/e). A potência do Fiesta com gasolina, aliás, é maior: são 125 cv contra 116 cv do hatch da Volks. O Fiesta é bem prazeroso ao volante devido ao torque disponível em ampla faixa de giro e pouco turbo lag (atraso antes de o turbocompressor encher).

Em outros mercados, esse propulsor EcoBoost equipa os Ford Fusion e o C-Max. Os antigos problemas do câmbio automatizado de dupla embreagem PowerShift, segundo a Ford, foram resolvidos. E vieram novos módulos de controle e de calibração, que deixaram as trocas/reduções mais ágeis, assim como novos materiais de atrito da embreagem e retentores de borracha. As mudanças sequenciais continuam sendo feitas pelo nada prático botão na lateral da alavanca. Porém, esse conjunto não só garante agilidade, como um bom consumo de 12,1 km/l nos trajetos urbanos, apesar de não ter o sistema start-stop.

As respostas diretas da caixa de direção junto das suspensões firmes na medida certa – e agora dotadas de novos amortecedores – contribuem na dinâmica. Merecem críticas o espaço interno e o porta-malas de 281 litros – menor que do VW Polo e do Fiat Argo, ambos de 300 litros. Os bancos ganharam novas capas, espumas e encostos de cabeça reposicionados. E a posição de dirigir seduz por conta da coluna de direção amplamente ajustável em altura/profundidade. A nova central multimídia Sync 3 tem tela sensível ao toque de 6,5” e conectividade Android Auto/Apple CarPlay. Entretanto, poderia ser flutuante de 8”, igual à do EcoSport e como na Europa. No final das contas, esse Fiesta é mais interessante que as versões 1.6 aspiradas. Para ficar perfeito, o motor EcoBoost poderia ser flex.


Ficha técnica:

Ford Fiesta SEL Style EcoBoost

Preço básico: R$ 61.090
Carro avaliado: R$ 69.790
Motor: 3 cilindros em linha 1.0, 12V, duplo comando variável, turbo, injeção direta
Cilindrada: 999 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 125 cv a 6.000 rpm
Torque: 17,3 kgfm de 1400 a 4.500 rpm
Câmbio: automatizado de dupla embreagem, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: discos ventilados (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,969 m (c), 1,722 m (l), 1,464 m (a)
Entre-eixos: 2,489 m
Pneus: 235/55 R19 (d) e 255/50 R19 (t)
Porta-malas: 281 litros
Tanque: 51 litros
Peso: 1.175 kg
0-100 km/h: 9s6
Velocidade máxima: 190 km/h
Consumo cidade: 12,1 km/l
Consumo estrada: 14,9 km/l
Emissão de CO2: 101 g/km
Nota do Inmetro: A
Classificação na categoria: A (Compacto)