Avaliação: novo Honda Accord 2016 une discrição e racionalidade

0
29714


Se a maioria dos consumidores gosta de marcas que transmitam status e de carros com design chamativo, outros apreciam discrição e racionalidade. Para esses, pelo preço de um sedã alemão – Audi, Mercedes ou BMW – o Accord é uma ótima opção. Além de muito maior, o Honda é mais potente e discreto que A4, Classe C e Série 3. E agora chega à linha 2016 atualizado para seguir na briga até chegar a nova geração, em 2017. Comercializado em versão única – EX V6 –, seu preço deve ficar na faixa de R$ 160.000.

As principais novidades são estéticas. As mais notáveis estão nos faróis full-LED (inclusive neblina) com forte assinatura visual, seja só com as luzes diurnas, seja com faróis acesos. Combinados a eles há novas grade dianteira, capô e para-choques. Atrás, há lanternas de LED e um discreto spoiler. Completam as mudanças as belas rodas aro 18 (antes 17”).

Já no interior, há novos acabamentos e uma central multimídia com Android Auto e Apple CarPlay, além de navegador por GPS e espelhamento de smartphones. Essa linha 2016 ainda ganhou sensor de estacionamento dianteiro, retrovisores com rebatimento elétrico, banco bipartido, pedaleiras esportivas e um útil sistema de partida a distância (por um botão na chave, ele liga o motor e ajusta a temperatura da cabine em 22ºC).


Divulgação
O painel não teve muitas mudanças. É limpo e racional

A marca é japonesa, mas o Accord é feito sob medida para o consumidor norte-americano. A cabine é muito espaçosa tanto na frente quanto atrás (com túnel central baixo), além de bastante silenciosa – graças a um sistema que emite frequências pelos alto-falantes para  anular ruídos do motor. Não é um carro de luxo, mas é extremamente bem construído. Há couro onde o corpo toca, mas também plásticos rígidos.

Uma vez dentro da cabine, é fácil encontrar uma boa posição de dirigir. O ajuste do volante é amplo, assim como os do banco do motorista, elétricos. Os retrovisores grandes dão ótima visibilidade e o elegante painel de instrumentos tem velocímetro enorme e excelente leitura. Interessante é a câmera de ponto-cego, que mostra uma imagem da lateral/traseira direita na tela central (tão boa que você acaba quase não usando o retrovisor direito). Falta só um freio de estacionamento elétrico.

A mecânica não muda. Enquanto os alemães partiram para o downsizing, o Honda mantém seu V6 de ótimos 280 cv – inteligente, capaz de funcionar com 3 ou 6 cilindros. Associado ao câmbio de seis marchas, garante baixo consumo, similar aos dos motores menores e turbinados. Na estrada, numa média de 120 km/h, marca 14/15 km/l (e na cidade fez 8 km/l). As únicas novidades mecânicas são a direção reprogramada (mais leve na cidade e pesada na estrada) e a opção de trocas de marcha por aletas no volante para uma tocada esportiva. Nesses casos, pisando fundo ele acelera forte e até ganha um ronco invocado. Completam o bom conjunto freios progressivos e suspensões confortáveis.

Se você está pensando em comprar um sedã alemão na faixa de R$ 150.000/R$ 160.000, não deixe de considerar esse japonês (e os novos VW Passat e Subaru Legacy, de preço similar). Vai ter que abrir mão de algumas coisas, claro, mas vai ganhar outras. A escolha é sua.

FICHA TÉCNICA
HONDA ACCORD EX V6
Preço básico: R$ 159.900 (estimado)
Carro avaliado: R$ 159.900 (estimado)
Honda Accord EX V6
Motor: 6 cilindros em V 3.5, 24V, comando variável (i-VTEC), desativação de cilindros (VCM)
Cilindrada: 3471 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 280 cv a 6.200 rpm
Torque: 34,6 kgfm a 4.900 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e multi-link (t)
Freios: discos ventilados (d) e discos sólidos (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,910 m (c), 1,850 m (l), 1,475 m (a)
Entre-eixos: 2,775 m
Pneus: 235/45 R18
Porta-malas: 461 litros
Tanque: 65 litros
Peso: 1.632 kg
0-100 km/h: 6s9 (MOTOR SHOW)
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 8 km/ (durante avaliação)
Consumo estrada: 13,5 km/l (durante avaliação)
Emissão de CO2: SEM DADOS
Nota do Inmetro: não participa
Classificação na categoria: não participa