Avaliação: JAC T80 prova que carro chinês tem cada vez menos defeitos

Aceleramos a novidade da JAC que chega ao Brasil com motor 2.0 turbo e espaço para sete passageiros com preços a partir de R$ 139.990

Chegou ao Brasil o JAC T80. Foi-se o tempo em que a marca oferecia o compacto J3 destacando a combinação da farta lista de equipamentos com o preço de carro nacional de entrada. Hoje, a montadora chinesa quer ser conhecida no Brasil pelos seus SUVs. E, para deixar no passado esse seu estigma de marca popular, a JAC começa a trazer para cá o T80, um utilitário-esportivo que chega a partir de R$ 139.990 para ser não só o maior carro da empresa, mas também o chinês mais caro do mercado brasileiro.

Seguindo o script já conhecido de outros modelos da marca, a ideia do JAC T80 é oferecer mais por menos. A começar pelo tamanho. Posicionado – em preço – abaixo de SUVs médios de sete lugares como VW Tiguan Allspace Comfortline 250 TSI (R$ 149.990) e Mitsubishi Outlander 2.0 HPE (R$ 155.990), o SUV da JAC se destaca por ter a mesma capacidade de passageiros deles, mas em uma carroceria ligeiramente maior, com 4,79 m de comprimento e 2,75 m de entre-eixos — dimensões similares às do grandalhão Toyota SW4.

O resultado é um espaço interno que impressiona. Baixando os dois assentos no porta-malas, o espaço para as bagagens da família é de 620 litros, capacidade que pode subir para 1.550 litros com a segunda fileira de bancos rebatida. Apesar das linhas internas não serem tão originais – lembram os Mercedes-Benz em detalhes como saídas de ar –
e da presença de um adesivo que imita fibra de carbono no painel e no console central (de gosto discutível), em linhas gerais a cabine surpreende pela qualidade do acabamento, com bancos de couro com costuras contrastantes e várias áreas com materiais macios ao toque.

A lista de equipamentos do JAC T80 é bastante correta. Traz itens comuns nessa faixa de preço – como os seis airbags, o painel digital configurável (três opções de ajuste), os faróis com acendimento automático e luzes diurnas de LED, o piloto automático, a chave presencial, o ar-condicionado automático digital bizone e os controles de tração e estabilidade com assistente de partida em rampas. E vai além, com itens mais raros como bancos dianteiros com aquecimento, refrigeração e massageador e um sistema de direção com três opções de calibragem. Os únicos opcionais são o (bom) sistema de som premium com 10 alto-falantes e 280 watts RMS e o teto solar panorâmico, que elevam seu preço para R$ 145.990. Para ficar mais completo, só se o SUV da JAC tivesse um pacote com sistemas semiautônomos.

Avaliamos o SUV em um trajeto de ida e volta entre São Paulo e Araçoiaba da Serra, no interior. Foram cerca de 50 km ao volante e mais 150 km de carona. Andando como passageiro, o T80 surpreende pelo conforto. Além do já citado amplo espaço, o SUV tem bom isolamento acústico: só se ouve o ronco do motor quando o motorista pisa mais fundo no acelerador. Já o sistema de suspensões é mais firme do que se espera em um modelo chinês. Mas ainda privilegia o conforto.

Ao volante, porém, o JAC T80 não impressiona tanto. A posição de dirigir é boa e o banco é bastante confortável, mas o painel de instrumentos digital de 12,3” só pode ser configurado com o veículo parado. Os comandos do sistema de ventilação e da central multimídia ficam posicionados no console central, como em alguns Porsche. Mas são pouco intuitivos e exigem treino do motorista. E, ainda, o sistema tem tela de 10”, mas para espelhar a tela de seu smartphone é necessário antes baixar um aplicativo no celular.

O modelo é equipado com um motor 2.0 turbo de 210 cv e um câmbio automatizado de seis marchas e dupla embreagem. Mas, apesar dos números de desempenho animadores (velocidade máxima de 217 km/h e 0-100 km/h em 9s2, segundo a JAC), no uso normal o conjunto se mostra apenas suficiente para os 1.725 kg do SUV. O câmbio funciona bem na maior parte do tempo, porém em retomadas demora a responder ao comando do acelerador e às vezes acaba reduzindo mais marchas do que deveria. Nas curvas, a carroceria tem a rolagem típica dos utilitários esportivos, mas os freios exigem mais força do que o normal em seu acionamento.

Com concorrentes fortes e de marcas mais tradicionais quase na mesma faixa de preço, o T80 não terá vida fácil no mercado. Mas a JAC tem plena noção disso e espera emplacar apenas 600 unidades do modelo até o fim deste ano. São números bastante tímidos para um segmento em alta no mercado brasileiro. Mas o SUV traz uma relação custo-benefício interessante para a sua faixa de preço e quem optar por ele terá poucos motivos para se arrepender. O T80 é a prova de que está cada vez mais complicado achar defeitos nesses carros chineses.


Ficha técnica:

JAC T80

Preço básico: R$ 139.990
Carro avaliado: R$ 145.990
Motor: 4 cilindros em linha 2.0, 16V, turbo
Cilindrada: 1997 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 210 cv a 5.000 rpm
Torque: 30,5 kgfm de 1.800 a 4.000 rpm
Câmbio: automatizado, seis marchas, dupla embreagem
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco ventilado (d) disco (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,790 m (c), 1,900 m (l), 1,760 m (a)
Entre-eixos: 2,750 m
Pneus: 235/60 R18
Porta-malas: 620 litros (1.550 litros com o banco rebatido)
Tanque: 64 litros
Peso: 1.775 kg
0-100 km/h: 9s2
Velocidade máxima: 217 km/h
Consumo cidade: 8,0 km/l
Consumo estrada: 10,4 km/l
Emissão de CO²: 151 g/km
Nota do Inmetro: D
Classificação na categoria: B (Utilitário Esportivo Grande)

blog comments powered by Disqus