Avaliação: Jeep Renegade Custom agrada pelo conjunto mecânico

O Renegade Custom substituiu a versão Sport 2.0 a diesel e ficou mais em conta, porém sem rodas de liga leve e a melhor conectividade

Até há pouco tempo, para ter um Jeep Renegade movido a diesel era preciso gastar pelo menos R$ 116 mil. Mas a FCA decidiu introduzir a versão Custom no lugar da Sport e inicialmente reduziu o preço em R$ 7 mil. Com a inflação, houve um reajuste e agora o Renegade Custom 2.0 custa R$ 110.290. Para quem quer um 4×4 a diesel e com câmbio automático, é a opção mais acessível do mercado, pois o Ford EcoSport 4WD (R$ 99.990)
usa motor flex e o Renault Duster 4WD (R$ 89.490) tem câmbio manual. De qualquer forma, o Renegade Custom não é barato.

Para levar esse ótimo Jeep com tração nas quatro rodas com reduzida, câmbio automático de nove marchas e motor 2.0 a diesel de 170 cv de potência, é preciso se desapegar de alguns luxos. O primeiro e mais visível deles são as rodas de liga leve, ausentes no Renegade Custom. Mas as rodas de aço pretas são agressivas e combinam com visual despojado do carro. Elas têm 16” e vestem pneus 215/65. O torque de 35,7 kgfm, disponíveis a partir de 1.750 rpm, garantem a elasticidade do motor MultiJet turbodiesel. Em qualquer situação, o Renegade Custom responde satisfatoriamente às solicitações feitas pelo motorista no pedal do acelerador. Rodando nas grandes cidades, seu motor chega até a ser subaproveitado, devido ao trânsito pesado que torna o rodar sempre amarrado.

Outro item que deixa um pouco a desejar (afinal, estamos falando de um carro de R$ 110 mil) é o sistema multimídia. Ele tem um rádio com bluetooth, que demora um pouco para conectar, e é preciso se contentar com isso. Para quem sai de um carro com conectividade mais moderna, é difícil acostumar. A maior falta que sentimos, entretanto, foi a de um sensor de estacionamento traseiro. Talvez porque esse equipamento nos acostume mal (ou bem), é sempre mais difícil saber se dá para ir um pouco mais nas manobras de marcha à ré. Os bancos de tecido são bonitos e confortáveis. Trio elétrico ele tem, bem como piloto automático, rack de teto e seletor de terreno. Dá para equipar mais o modelo com opcionais, mas daí ele já não vale a pena. O Renegade Custom pode ser preto, vermelho, branco (R$ 700) ou prata metálico (R$ 1.550).


Ficha técnica:

Jeep Renegade 2.0 Custom AT9

Preço básico: R$ 110.290
Carro avaliado: R$ 110.290
Motor: 4 cilindros em linha 2.0, 16V, turbo, intercooler, injeção direta
Cilindrada: 1956 cm³
Combustível: diesel
Potência: 170 cv a 3.750 rpm
Torque: 35,7 kgfm a 1.750 rpm
Câmbio: automático sequencial, nove marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multilink (t)
Freios: disco (d/t)
Tração: integral 4WD
Dimensões: 4,232 m (c), 1,798 m (l), 1,686 m (a)
Entre-eixos: 2,570 m
Pneus: 215/65 R16
Porta-malas: 260 litros
Tanque: 60 litros
Peso: 1.619 kg
0-100 km/h: 9s9
Velocidade máxima: 190 km/h
Consumo cidade: 9,6 km/l
Consumo estrada: 11,4 km/l
Emissão de CO²: 195 g/km
Nota do Inmetro: D
Classificação na categoria: E (SUV Compacto)