Avaliação: Mercedes-AMG A 35 é um divertido esportivo para o uso diário

O Mercedes-AMG A 35 4Matic entrega esportividade ao volante e usabilidade diária. Um "foguete de bolso" com 306 cv de potência e mais de 40 kgfm de torque

Mercedes-AMG A 35 4Matic (3)
Fotos: Divulgação

O Messerschmitt Bf 109 é considerado o primeiro avião de caça inteiramente construído de metal e foi uma das poderosas armas da Segunda Guerra Mundial (1 de setembro de 1939 a 2 de setembro de 1945). Projetado por Willy Messerschmitt e Robert Lusser, ele é uma obra da Bayerische Flugzeugwerke Messerschmitt AG. Passados mais de 60 anos do término de sua produção, eis outra obra da engenharia capaz de intimidar os “inimigos”. E o Mercedes-AMG A 35 4Matic oferece poderio suficiente para atacar o Audi S3/RS3 e o BMW M140i.

A máquina de Affalterbach se apresenta com a carroceria na cor Sun Yellow (a tonalidade amarela aparece em determinadas pinturas da Luftwalle) e combina dirigibilidade afiada a usabilidade diária, posicionado abaixo do radical Mercedes-AMG A 45 S (com preço inicial de R$ 434.990).

Embora não ofereça os brutais 421 cv de potência e 51 kgfm de torque extraídos do motor 2.0 turbo construído à mão do “irmão”, sob o capô do Mercedes-AMG A 35 4 Matic pulsam 306 cv e 40,8 kgfm.

+ Picape Silverado volta ao Brasil em 2021; veja fotos
+ Xuxa lembra primeira vez com Senna: saí 2kg mais magra
+ Tudo sobre o novo SUV Trailblazer que chega em setembro
+ Audi 100% elétrico chega com preço a partir de R$ 512 mil

O time de engenharia aplicou comando variável de válvulas CAMTRONIC, processo de polimento dos cilindros para reduzir o atrito interno, gerenciamento inteligente do motor/óleo e turbocompressor twin-scroll. Outras soluções aparecem no cárter de alumínio fundido para reduzir o peso do carro e o sistema de escape com flap.

Mercedes-AMG A 35 4Matic (3)
Fotos: Divulgação
Rápido igual a um foguete

No ano passado, tivemos um primeiro contato com o Mercedes-AMG no traçado do Autódromo da Fazenda Capuava, no interior de São Paulo, e agora passamos alguns dias a bordo do esportivo para avaliar o hot hatch no uso diário.

E o que já tinha sido comprovado na pista ficou mais evidente nos cinco dias em que este novo A 35 4Matic habitou a minha garagem. É um daqueles carros viciantes, que impressiona não só pelos dados de ficha técnica, mas sim pelo equilíbrio do conjunto.

Uma entrega eficaz auxiliada pelo torque disponível a partir de 3.000 rpm, o baixo turbo lag (aquele atraso antes de o turbocompressor encher) e o bom trabalho do câmbio automatizado de sete marchas (7G-DCT). Estão disponíveis os modos de condução Comfort, Sport, Sport+, Individual e Piso Escorregadio, que alteram determinados parâmetros, como as respostas do motor, o tempo de troca de marchas e o peso do volante, só para citar.

No Comfort, o Mercedes-AMG A35 4Matic fica civilizado, com a direção mais leve, as marchas passadas brevemente para auxiliar no consumo e o ronco do escape em baixas/médias rotações não invade a cabine. Mesmo assim, as respostas aparecem com disposição, seja nas acelerações ou retomadas.

A sensação muda ao selecionar o Sport e o Sport+. Neste último, o hot hatch despeja todo o seu potencial. Endiabrado ao ser provocado ele dispara como um foguete e responde de forma malcriada ao abusar do pedal do acelerador.

As mudanças de marchas ocorrem em giros altos e elas são acompanhadas de “pipocos” emitidas pelas duas saídas ovais de escape. A direção fica mais pesada, porém, não ao ponto de ser desconfortável no uso cotidiano.

Com potência específica de 153 cv/litro e relação peso-potência de 5,08 kg/cv, o Mercedes-AMG A 35 4Matic parte da imobilidade aos 100 km/h em rápidos 4,7 segundos e crava 250 km/h de velocidade máxima (limitada eletronicamente). A função Race-Start configura o carro para oferecer o máximo de desempenho.

A tração 4Matic reparte a força entre os eixos na ordem de 50:50 o mantendo colado no chão. O “pequeno notável” não demonstra a tendência de sair de frente ou de traseira. Caso aconteça, ele retoma de forma controlada e sem pregar sustos ao motorista.

Mercedes-AMG A 35 4Matic (3)
Fotos: Divulgação

Se o Messerschmitt trazia soluções inovadoras à época, como o trem de pouso retrátil, o Mercedes-AMG possui rodas de 19″ vestidas por pneus de medidas 235/35, que ajudam a garantir o contato com o piso.

As suspensões da “Meca” não alteram nos programas de condução e são firmes. Portanto, é preciso cuidado ao trafegar em ruas esburacadas e também com lombadas ou valetas, pois a frente raspa com facilidade devido a baixa altura em relação ao solo.

Olá, Mercedes!

Foi a partir do Messerschmitt Bf 109 G que o cockpit passou a ser pressurizado e havia local apenas para o piloto. No Mercedes-AMG, o interior recebe os seus ocupantes com luxo, ergonomia e tecnologia.

Mercedes-AMG A 35 4Matic (14)
Fotos: Divulgação

O multimídia MBUX (Mercedes-Benz User Experience) oferece tela de 10,25”, interface bastante intuitiva e conectividade Android Auto/Apple CarPlay realizada por cabo. Os comandos podem ser feitos por meio de toques na tela, pelos botões táteis no volante ou pelo touchpad encontrado no console central.

Um recurso interessante está no comando de voz. Ou seja, basta falar “Olá, Mercedes” para, por exemplo, ajustar a temperatura do ar-condicionado ou trocar uma estação de rádio. Os bancos dianteiros possuem uma função capaz de realizar pequenos movimentos para corrigir a postura do motorista e do passageiro. Muito útil em viagens longas. Também é encontrado o sistema de estacionamento autônomo.

Se o avião de caça da Bayerische Flugzeugwerke Messerschmitt AG somou mais de 34.000 unidades produzidas e foi um oponente dos aviões Hawker Hurricane e Supermarine Spitfire, o Mercedes-AMG A 35 4Matic está em plena forma transmitindo uma dirigibilidade afiada e precisa. E como falamos, ele é mais que dados de ficha técnica. É equilíbrio puro!


Mercedes-AMG A 35 4MATIC
Preço básico: R$ 349.900
Carro avaliado: R$ 349.900

Motor: quatro cilindros em linha 2.0, 16V, turbo, injeção direta, duplo comando de válvulas com variador de fase na admissão e escape
Cilindrada: 1991 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 306 cv a 5.800 rpm
Torque: 40,78 kgfm a 3.000 rpm
Câmbio: automatizado de dupla embreagem, sete marchas
Direção: elétrica
Suspensões: Independente MacPherson (d) e multibraços (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: integral sob demanda
Dimensões: 4,436 m (c), 1,797  m (l), 1,405 m (a)
Entre-eixos: 2,729 m
Pneus: 235/35 R19
Porta-malas: 370 litros
Tanque: 51 litros
Peso: 1.555 kg
0-100 km/h: 4s7
Velocidade máxima: 250 km/h (limitada eletronicamente)
Consumo cidade: 9,2 km/l
Consumo estrada: 10,9 km/l
Emissão de CO2: 138 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: E (Grande)

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar