Avaliação: Mercedes-Benz C 300 Estate é alternativa (cada vez mais rara) aos SUVs

Essa Mercedes C 300 Estate é rápida, boa de guiar, luxuosa e... muito injustiçada. Um dos melhores carros que quase ninguém compra

Outra vítima do modismo dos SUVs. Como toda perua, a Mercedes-Benz Classe C Estate está sendo trocada pelos SUVs por quem busca um carro familiar. Pena, pois como o C4 da página ao lado, é em muitos pontos superior. Antes trazida na pacata versão 180, agora é vendida só na 300, de R$ 273.900. Cara, mas uma rara oferta no mercado e excepcional em desempenho e versatilidade.

Diferentemente de minivans e SUVs, as peruas não têm a dinâmica sacrificada pela forma. Ainda mais essa de tração traseira. É boa de guiar como um sedã. O pedal pivotado no chão, o volante com amplo ajuste elétrico e o banco com regulagem elétrica até do comprimento do assento garantem excelente posição de guiar. Mas os maiores destaques estão no versátil conjunto mecânico e nas suspensões.

Graças ao câmbio de nove marchas, e também ao start-stop (discreto) e à “banguela” automática do modo Eco, o 2.0 turbo é econômico: fizemos 10 km/l na cidade e 15 na estrada (a 120 km/h, segue a 1.800 rpm em silêncio absoluto). No modo Sport+, por outro lado, vira uma perua brava, devoradora de autobahnen (estradas alemãs sem limites), que chega a 100 km/h em 6s1 e têm retomadas de tirar o fôlego. Escolha o modo conforme a ocupação.

Já as suspensões, multilink na frente e atrás, são incríveis, com maciez e conforto únicos e, ao mesmo tempo, precisas nas curvas, onde contém bem a rolagem. Pneus de perfil baixo melhorariam a discreta tendência a desgarrar, mas prejudicariam o conforto. Opção dos engenheiros. Completam o ótimo conjunto a direção precisa e os freios progressivos (com brake hold ativado ao apertar o pedal com mais força).

Ela é boa também pra quem não dirige: a cabine tem amplo espaço (2,84 m de entre-eixos), acabamento fino e muitos equipamentos – embora seja inexplicável que não tenha entrada sem chave (só partida) e a tela multimídia pudesse ser maior e sensível ao toque (há o botão giratório e o touchpad que não entende nada). Além disso, a cobertura e tampa do porta-malas têm acionamento elétrico, o sistema de baliza automática está sempre atento (não é preciso ativar) e há teto-solar duplo. Pena que o estepe roube espaço do porta-malas: por causa da nossa lei, fica “jogado” no meio do caminho. Nada que ofusque o brilho dessa esquecida estrela.


Ficha técnica:

Mercedes-Benz C 300 Estate Avantgarde

Preço básico: R$ 273.900
Carro avaliado: R$ 273.900
Motor: 4 cilindros em linha 2.0, 16V, duplo comando continuamente variável, injeção direta, turbo, start-stop
Cilindrada: 1991 cm3
Combustível: gasolina
Potência: 245 cv a 5.500 rpm
Torque: 37,7 kgfm de 1.300 a 4.000 rpm
Câmbio: automático sequencial, nove marchas
Direção: elétrica com nível de assistência ajustável
Suspensões: multilink (d/t)
Freios: disco ventilado (d/t)
Tração: traseira
Dimensões: 4,702 m (c), 1,810 m (l), 1,457 m (a)
Entre-eixos: 2,840 m
Pneus: 225/50 R17
Porta-malas: 490 litros
Tanque: 66 litros
Peso: 1.595 kg
0-100 km/h: 6s1
Velocidade máxima: 250 km/h (limitada eletronicamente)
Consumo cidade: 9,2 km/l
Consumo estrada: 12,6
Emissão de CO2: 130 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: B (Extra-Grande)