Avaliação: Mercedes mais barato, Classe A Sedan conquista ao volante

Classe A Sedan

Este novo Classe A Sedan estreou ainda no ano passado, mas só agora chegou para nosso primeiro teste como a nova porta de entrada da Mercedes-Benz. Ele é o modelo mais barato da marca da estrela.

Enquanto o Classe A Hatch parte de R$ 237.900, o SUV GLA, de R$ 211.900, e o Classe C mais barato, de R$ 218.900 (todos na linha 2020/2020, que teve um grande aumento nos preços), o Classe A Sedan 200 Style, com a mesma mecânica desta que avaliamos, porém menos equipada, custa “apenas” R$ 190.900.

O modelo que usamos por uma semana foi este das foros, um A 200 Sedan Advance, que já vai a R$ 213.900. Um preço perigosamente próximo do Classe C que acabo de citar e de seus rivais, carros maiores, nas versões de entrada. Mas este é um sedã para quem liga mais para a dirigibilidade, equipamentos e luxo do que para o tamanho. Uma pequena joia.

Classe A Sedan

POR DENTRO

Ao entrar neste A 200 Sedan, a impressão é a mesma de entrar no Classe A com carroceria hatch do qual deriva. O painel é a coisa mais maravilhosa do mercado atual. Tem uma espécie de “mega tablet” com telas super wide, que vai do parte dos instrumentos ao centro da cabine, na área da central multimídia. Esse foi um dos motivos que levou o hatch a ser eleito Compra do Ano 2020.

O sistema MBux do Classe A Sedan tem tela sensível ao toque, mas grande parte das funções são resolvidas nos dois comandos no volante com mini-touchpads. Os botões e o touchpad do lado esquerdo do volante controlam as funções do cluster, que tem inúmeras interfaces e opções de visualização; os do lado direito controlam o multimídia em si.

E os comandos são redundantes, então se você pode usar os botões no volante e no console ou a própria tela, como preferir. Só faltou um botão no volante para passar para a próxima faixa (ele fica no console central).

Falando em comandos, os ajustes elétricos dos bancos dianteiros ficam localizados nas portas, um clássico da marca que tinha sido abandonado nas primeiras gerações da família Classe A, mas agora voltou.

E, falando em portas, o acabamento da parte interna delas, e também do carro como um todo, não podem ser considerados como de “entrada”. Muito pelo contrário: são dignos dos Mercedes-Benz mais caros. É muito luxo, com material nobre e uma construção impecável.

Classe A Sedan
O interior é lindo, com enormes telas de LCD. Ao lado, detalhe do quadro de instrumentos digital configurável
e da tela central com algumas das opções de visualização. O acabamento não é “de entrada”. Pelo contrário

TAMANHO COMPACTO

Em relação ao espaço interno, é bom ficar claro que este Mercedes-Benz é um carro para dois adultos ou dois adultos e duas crianças. No banco de trás, adultos até podem fazer viagens rápidas, mas falta espaço.

O porta-malas, por outro lado, acomoda ótimos 430 litros, número próximo aos dos SUVs compactos mais vendidos. E essa desvantagem no espaço se reflete em uma carroceria compacta, boa para rodar e estacionar na cidade.

É verdade que a lista de equipamentos tem algumas falhas gravíssimas. Essa versão top de linha fica devendo um simples retrovisor interno eletrocrômico e partida sem chave, por exemplo. Ao mesmo tempo, o sedã oferece monitor de distância do carro da frente (que fica reclamando se você anda grudado e, nesse ponto, é meio exagerado) e também um sistema de frenagem automática em situações de emergência.

Uma função interessante é o brake hold no pedal, uma exclusividade da Mercedes. Quando você freia o sistema de freio eletrônico automático não se ativa; mas, se você faz uma forcinha extra com o pé esquerdo no pedal, ele é ativado – muito fácil e simples. Ah, e o comando do freio de estacionamento ainda fica do lado esquerdo, como já é tradição, mas agora ele é elétrico e acionado usando a mão, não o pé.

Detalhes do mini-touchpad do volante e da aleta de troca de marchas.A alavanca do câmbio na coluna de direção. O console central com um touchpad grande, opção mais segura ao novo sistema touchscreen

MECÂNICA SOB MEDIDA

Debaixo do capô, o motor de origem Renault é um primor (e o hatch, por aqui, não o ganhou). Ele é um moderno quatro cilindros de 1,3 litro turbinado com 163 cv e sistema de desativação de cilindros: em baixas cargas, trabalha apenas com dois cilindros, melhorando o consumo (leia mais sobre isso nesta edição).

Além disso, usando o modo Eco, o câmbio automatizado de dupla embreagem e sete marchas faz a “banguela” automática (desacopla motor e câmbio) quando se alivia o pé direito. Assim, foi fácil marcar, durante nossos testes na cidade, de 10 km/l (bairro, com trânsito) a mais de 12 km/l (grandes avenidas).

AO VOLANTE

Nas saídas de semáforo e situações similares, o carro dá uma sensação de ser pesado e o motor parece se esforçar muito – e às vezes o A 200 segura a primeira marcha demais, aumentando o ruído e causando um pequeno tranco na troca para a segunda.

Já na estrada, andando a uns 120 km/h o Classe A Sedan, mesmo com o motor pequeno, tem a ajuda do ótimo câmbio para circular girando a apenas 2.200 rpm em sétima marcha. Legal que, nas situações de “alerta”, ao ver o carro da frente muito próximo, a banguela automática é desativada automaticamente para mais segurança.

Usando os modos normal ou esporte, o motor fica mais “vivo” e “puxa bem” até velocidades muito acima das permitidas – mas sempre reduzindo mais marchas subindo mais as rotações do que se gostaria.

Ele responde muito bem, sim, mas é mais um carro para se dirigir de um modo mais pacato e fazer marcas de consumo excelentes, que passaram dos 17 km/l na estrada em nossos testes. De pé leve, ele raramente decepciona. Na verdade até surpreende, considerando seu tamanho e potência.

No mais, as suspensões são extremamente boas na dinâmica, embora não sejam feitas sob medida para nossas ruas, principalmente com as rodas aro 18 desta versão, então em algumas situações piores o conforto é parcialmente sacrificado.

De qualquer modo, como um todo, o conjunto seja digno de muitos elogios. Para terminar, um ponto no qual esse Mercedes garante o máximo de prazer ao volante: o sistema de direção perfeito, direto, preciso e com um feedback impecável. Este A 200 Sedan é um carro pequeno com prazer ao volante e solidez de carro grande.

LUXO E DIRIGIBILIDADE DIGNOS DE SEDÃ GRANDE EM EMBALAGEM COMPACTAClasse A Sedan

Mercedes-Benz A 200 Sedan Advance

Preço básico R$ 190.900
Carro avaliado
R$ 213.900

Motor: quatro cilindros em linha 1.3, 16V, turbo, injeção direta, desativação de cilindros Cilindrada: 1336 cm3 Combustível: gasolina Potência: 163 cv a 5.500 rpm Torque: 25,5 kgfm de 1.620 a 4.000 rpm Câmbio: automatizado, sete marchas, dupla embreagem, roda livre Direção: elétrica Suspensões: MacPherson (d) e multi-link (t) Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t) Tração: dianteira Dimensões: 4,549 m (c), 1,992 m (l), 1,440 m (a) Entre-eixos: 2,729 m Pneus: 225/45 R18 Porta-malas: 430 litros Tanque: 43 litros Peso: 1.385 kg 0-100 km/h: 8s1 Vel. máxima: 230 km/h Consumo cidade: 11,3 km/l Consumo estrada: 14,1 km/l  Emissão de CO2 107g/km Consumo nota A Consumo médio: 12,4 km/l Nota do Inmetro: B Classificação na categoria: A (Grande)

Veja também

+ Fiat faz desconto em toda a linha; preço do Toro cai R$ 32 mil
+ Acesso de fúria de macaco deixa um homem morto e 250 pessoas feridas na Índia
+ Risco de casos graves de Covid é 45% maior em pessoas com sangue do tipo A, segundo pesquisadores europeus,
+ Aprenda a fazer o brigadeiro de paçoca de Ana Maria Braga