Avaliação: Nissan Versa V-Drive usa um velho (e bom) truque

O antigo Versa não saiu de linha: rebatizado Nissan Versa V-Drive, aposta no custo-benefício, em uma estratégia já conhecida. Compensa?

“Nissan V-Drive? Não é o Versa?”, pergunta o fotógrafo Roberto Assunção. Com razão: o nome mudou com a estreia da nova geração do sedã compacto, e o velho Versa esconde o primeiro nome, adota o “V-Drive” e se mantém em linha apostando no custo-benefício. É Nissan Versa V-Drive, ou só V-Drive, então.

+Avaliação: Aston Martin DBX, o primeiro SUV da marca (até tu, Bond?)
+Avaliação: Com motor 1.3 turbo, Jeep Compass 2022 surpreende ao volante

+Avaliação: Nissan Kicks e a verdadeira importância do turbo
+Avaliação: Chevrolet Onix Plus Midnight troca mimos por estilo

Há tempos elogio a racionalidade do sedã, que atende bem quem a deseja um carro espaçoso ou trabalha como motorista de aplicativo. É verdade que o visual não seduz. Este topo de linha 1.6 Premium CVT tem detalhes cromados pela carroceria e belas rodas aro 16.

Mais do que na forma, os atrativos do Nissan Versa V-Drive estão na função. Ao abrir a porta traseira, o espaço impressiona. Do “alto” dos meus 1,70 m, me acomodei com muito conforto – mérito não só do entre-eixos de 2,60 m, superior aos do Chevrolet Joy Plus e do novo Hyundai HB20S (leia avaliação), mas também da posição avançada do banco do motorista – por isso mesmo, ao assumir o volante, não senti a mesma amplitude.

Os bancos revestidos em couro acomodam bem o corpo e há detalhes em black piano. Mas a ergonomia é que mostra a idade do projeto deste Nissan Versa V-Drive: a posição dos comandos elétricos dos retrovisores não é nada cômoda e a alavanca de abertura da tampa do porta-malas remete a um veículo dos anos 2000. De positivo, achei intuitiva a interface da central multimídia de 7”, e o ar-condicionado é digital e automático.

O motor 1.6 é casado a um câmbio CVT, com dirigibilidade condizente com a proposta (a mecânica foi mantida na nova geração). Assim como no SUV Nissan Kicks (leia avaliação), a boa tocada é proporcionada pela leveza do conjunto. Aliás, gostei das respostas em baixos giros: o carro ganha velocidade sem esforços nas saídas de semáforos. Ao cutucar mais forte o pedal do acelerador, porém, o ruído do propulsor invade a cabine (um isolamento melhor seria bom).

As suspensões do Nissan Versa V-Drive são macias, mas, em buracos ou irregularidades do asfalto, batem seco, tirando um pouco do bem estar. O volante é leve ao esterço e o raio de giro de 5,20 m me ajudou a manobrar na apertada vaga do prédio. Também curti o acionamento progressivo do pedal do freio. Em termos de segurança, ele fica devendo controles eletrônicos de tração/estabilidade e os airbags laterais.

Ainda que tenha as suas qualidades, eu não o compraria nesta versão topo de linha. Se fosse o de entrada 1.0 MT (R$ 64.990), aí a conversa muda de figura, pela melhor relação custo-benefício. Pelos quase R$ 83 mil cobrados, prefiro investir em um Chevrolet Onix Plus Midnight (R$ 91.090)

Rafael Poci Déa | Repórter

Contraponto

● O “truque” de manter de geração “velha” em linha após lançar uma nova fez/faz muito sucesso com o Hyundai Tucson (o velho ix35) e os Chevrolet Classic (Corsa) e Joy (Onix), entre outros. Mas o grande atrativo é sempre o preço, então as versões do V-Drive que mais me interessariam certamente são a 1.0 mais simples, de R$ 64 mil, e a 1.6 MT, de R$ 68.490. Ou no máximo, caso fizesse questão de um carro automático (ainda não faço), a 1.6 com câmbio CVT, de R$ 72.690.

Olhando para a concorrência, essa versões “peladas” são bastante competitivas, mesmo quando comparadas à versões igualmente básicas de rivais mais atuais. Qualquer das opções citadas acima do Nissan Versa V-Drive conquistam quem quer um carro, acima de tudo, espaçoso (e que espaço no banco traseiro tem!). Mas, se é para pagar um valor extra por um ar-condicionado automático, rodas de liga e outros mimos, pessoalmente, eu iria preferir comprar um modelo mais moderno na versão pelada, com qualquer evolução que seja – mais segurança, melhor dirigibilidade, um design mais atual que ajudará na revenda, etc. Como costumo dizer aqui, sou racional. Não vejo sentido em encher de equipamentos um carro ultrapassado.

Flávio Silveira | Editor

COMPRE SE…

  • Você procura por um carro espaçoso para levar a família ou ser motorista de app. O porta-malas não o fará perder viagens.
  • Você não liga muito para o visual e coloca a racionalidade acima de tudo, além de querer um desempenho adequado à proposta.

NÃO COMPRE SE…

  • Você faz questão de itens de conforto e conveniência. Nas versões que compensam, o Nissan Versa V-Drive tem apenas os equipamentos essenciais.
  • Você gosta de andar na “crista da onda” e deseja um carro mais moderno trazendo sob o capô um motor turbo e outras tecnologias.Nissan Versa V-Drive

Nissan Versa V-Drive 1.6

Preço básico (1.0 MT) R$ 61.990
Carro avaliado R$ 81.990

Motor: quatro cilindros em linha 1.6, 16V, variação contínua de abertura das válvulas (CVVTCS)
Cilindrada: 1.598 cm3
Combustível: flex Potência: 111 cv a 5.600 rpm (g/e)
Torque: 15,1 kgfm a 4.000 rpm (g/e)
Câmbio: automático, continuamente variável (CVT)
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,492 m (c), 1,695 m (l), 1,506 m (a)
Entre-eixos: 2,600 m
Pneus: 195/55 R16
Porta-malas: 460 litros
Tanque: 41 litros
Peso: 1.093 kg
0-100 km/h: 11s6
Velocidade máxima: 187 km/h (e)
Consumo cidade: 11,6 km/l (g) e 7,8 km/l (e)
Consumo estrada: 14,1 km/l (g) e 10 km/l (e)
Emissão de CO2 106 g/km com etanol = 0 g/km
Consumo nota C
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: C (Médio)

Considere também esses concorrentes

VW Voyage 1.6 MSI AT – R$ 76.490

O veterano não oferece turbo e sente falta de uma atualização. Tem 2,467 m de entre-eixos e 480 litros de porta-malas.

Renault Logan Zen 1.6 – R$ 74.990

 

 

 

 

 

 

Espaçoso, tem entre-eixos de 2,635 m e porta-malas de 510 litros – maior que o de carros de segmentos superiores.

Mais na Motor Show

+ Fiat quer produzir só carros 100% elétricos a partir de 2030
+ Veja 5 recomendações bizarras que estão no manual dos carros
+ Leilão do Bradesco tem Jeep Compass Trailhawk e Toyota Yaris
+ Confira quanto custa manter um Hyundai HB20 1.0 até os 100.000 km
+ Vaga de estacionamento é vendida por R$ 6,6 milhões em Hong Kong
+ Carros PCD: Câmara aprova novo teto de R$ 140 mil