Avaliação: o Jeep Compass S vale os quase R$ 200.000?

O Jeep Compass S tem assistentes de condução de série e alguns detalhes visuais exclusivos; mas será que vale quase R$ 200.000?

Jeep oferece desconto de R$ 70 mil no Compass para PCD
Jeep oferece desconto de R$ 70 mil no Compass para PCD

O Jeep Compass S é o novo topo de linha da gama. Que o SUV é um best seller, ninguém pode negar. Mesmo sem grandes mudanças desde o seu lançamento, em 2016, o SUV registrou 60.361 unidades licenciadas no ano passado, segundo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). 

Ainda de acordo com a entidade, foi o segundo SUV mais vendido, atrás somente do Renegade (68.726). Já no primeiro mês de 2020, o Compass somou 4.312 veículos vendidos. Mesmo assim, a série S vem para tentar dar um gás extra ao Jeep Compass diante dos novos concorrentes.

O Jeep Compass S não é barato: custa R$ 195.990, enquanto as versões Limited ou Trailhawk saem por R$ 181.990. A Longitude custa R$ 161.990, sendo talvez a com melhor custo-benefício. Mas, voltando à versão S avaliada, fica na faixa de VW Tiguan Allspace R-Line (R$ 187.990) e o Peugeot 3008 Griffe Pack (R$ 179.990). 

O que justifica o Jeep Compass S custar quase R$ 200.000? Visualmente, ele se diferencia pelos logotipos, molduras das luzes de neblina, grade frontal e rodas de 19” em grafite. A carroceria pode vir nas tonalidades Branco Polar (perolizada) ou na exclusiva Deep Brown (metálica), sempre com o teto em preto. 

No interior do Jeep Compass S, entre os itens de série estão teto solar panorâmico, multimídia com tela tátil de 8,4” e Android Auto/Apple CarPlay, ar-condicionado de duas zonas, abertura/fechamento elétrica da tampa do porta-malas e som da Beats com oito alto-falantes, subwoofer e 506 W de potência – aliás, uma “porrada” na orelha em qualidade sonora. O revestimento do teto é preto, assim como as saídas de ar e a alavanca de câmbio.

O grande atrativo extra do Jeep Compass S está no pacote de assistência de condução, que inclui de série o alerta de colisão com frenagem de emergência, controlador de velocidade adaptativo, sistema de estacionamento semiautônomo, assistentes de permanência em faixa com correção de trajetória e sensor de pontos cegos.

Ao volante
O Jeep Compass S utiliza o motor 2.0 Multijet II a diesel associado a um câmbio automático de nove marchas do fabricante ZF. Um conjunto conhecido, também aplicado no Renegade, e capaz de oferecer 170 cv de potência e 35,7 kgfm de torque. Só para comparação, o Tiguan Allspace R-Line 350 TSI traz um motor 2.0 turbo (EA888) de 220 cv e 35,7 kgfm, enquanto o 1.6 turbinado do Peugeot 3008 Griffe Pack produz 165 cv e 24,5 kgfm. Ambos movidos a gasolina.
Voltando ao Jeep Compass S, o casamento mecânico possibilita andar com o motor “cheio” entre 1.250 e 2.500 rpm. O funcionamento do 2.0 Multijet II é suave transmitindo baixa vibração. E durante nossa avaliação, registramos médias urbanas de 10 km/l. 

O volante de aro grosso tem borboletas para trocas sequenciais (podem também ser realizadas pela alavanca de câmbio) e ótima ergonomia, com comandos bem à mão, coluna de direção ajustável em altura e profundidade e a boa visibilidade frontal e lateral. Quem viaja atrás encontra saídas de ar e tomada de três pinos de 127V para carregar aparelhos eletrônicos. 

O Jeep Compass S tem rodas de 19” com pneus 235/45, que não comprometem o conforto ao passar por buracos ou demais imperfeições do asfalto. E este não só um “‘SUV de shopping” – tem boa capacidade off-road por conta da tração 4×4 com reduzida. 

O seletor no console central reúne os programas Auto, Mud (Lama), Snow (Neve) e Sand (Areia), além do controle eletrônico de descida. As adversidades do fora-de-estrada são vencidas sem esforços graças aos ângulos de entrada (28,7º), de saída (31,9º) e central (23,2º), além do bom vão livre do solo (21,8 cm – como nas demais versões a diesel, exceto a Trailhawk (29,1º, 33,1º, 23,7º e 22,8 cm, respectivamente).
Respondendo à pergunta do título, O Jeep Compass S vale R$ 200.00? Na ponto do lápis, vale, porque ele cobra por suas exclusividades e seus equipamentos de alta tecnologia. Se eles são essenciais, cada consumidor decide. E não deixe de considerar a versão Trailhawk, que custa R$ 14.000 a menos. Mas é preciso abrir mão do pacote de condução semiautônoma (que passa a ser opcional de R$ 8.000).

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool
+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas
+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial
+ Os 20 carros 1.0 mais econômicos do mercado brasileiro
+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar