Avaliação: o VW Passat vale a pena?

À época com apenas seis anos de idade, fiquei boquiaberto ao ver o VW Passat pela primeira vez, na belíssima versão GTS Pointer. Mal sabia que seria apenas o começo de uma longa história minha com o modelo da Volks. Passados alguns anos, já jornalista automotivo, experimentei o Passat “turbão” de um antigo chefe, e depois, os modelos das sexta e sétima gerações (2006-2009 e 2011-2014, respectivamente). Então tive que deixar de lado as emoções ao elaborar uma pesquisa sobre a relação custo-benefício do sedã executivo alemão.

CUSTO-BENEFÍCIO

O VW Passat é vendido por R$ 164.620, ou R$ 172.490 com o teto solar e a pintura perolizada, e é uma opção a modelos como Audi A4 Prestige (R$ 175.990), Mercedes-Benz C180 Avantgarde (R$ 179.900) e BMW 320i Sport (R$ 199.950).

O VW Passat seduz principalmente pelos itens de série, com faróis full-LED inteligentes, piloto automático adaptativo, frenagem automática de emergência, central multimídia de 9,2”, painel digital, modos de condução e ar-condicionado de três zonas.

Aproveitei também para compará-lo aos médios-grandes japoneses. Sem o teto solar e a pintura perolizada, o Passat custa R$ 40.280 a menos que o Honda Accord (R$ 204.900) e é R$ 61.370 mais barato que o Camry (R$ 225.990)leia um comparativo dos japoneses aqui. Praticamente um Renault Kwid de diferença. Mas o Volks é menor que o Accord (que tem 4,889 m de comprimento e 2,839 m de entre-eixos) e ainda entrega menor potência. Então, será que o Passat não vale a pena?

AO VOLANTE

Mas bastou assumir o volante do VW Passat para chegar a outra constatação. O motor 2.0 turbo com injeção direta e indireta é o mesmo do Golf GTI, do Tiguan R-Line e do Jetta GLI e trabalha com a transmissão de dupla embreagem e seis marchas. A dirigibilidade afiada aparece em qualquer faixa de rotação, e no modo Eco, ao tirar o pé do acelerador é engatado o “ponto morto eletrônico” para cooperar no consumo (fiz médias urbanas de 11,2 km/l).

As suspensões do VW Passat são mais firmes que as do Accord ou do Camry, mas tratam melhor os ocupantes frente aos carros da Audi e da Mercedes-Benz. O conjunto do se enrijece no programa Sport, prejudicando um pouco o conforto em pisos irregulares. Só não gostei do volante, igual ao de outros Volks, e da escotilha manual do teto solar.

Apesar de todas as qualidades do VW Passat Highline, que certamente vale o quanto custa, eu ainda compraria no lugar um Jetta GLI. A partir de R$ 147.990, ele vem com o mesmo 2.0 turbo, mas com 230 cv, e dimensões mais adequadas à minha vida. Além disso, o Passat mudou lá fora e, provavelmente, chega ao Brasil neste ano.


Contraponto

Por Evandro Enoshita

Assim como meu colega Rafael, também tenho uma grande ligação sentimental com o VW Passat. Voltei da maternidade no Village 1986 do meu pai e cresci a bordo no LS 1979 do meu avô. Mas, mesmo mesmo que não tivesse esses laços afetivos, não seria nada difícil eu me encantar pelo sedã médio-grande da marca alemã. É um dos raros carros da Volkswagen que conseguem combinar baixo preço (considerando a sua categoria, claro) com um ótimo conjunto mecânico, uma lista de equipamentos farta e uma acabamento interno bastante refinado – e melhor até do que o visto em alguns modelos premium alemães posicionados na mesma faixa de preços. Como sempre digo, não sou daqueles que compram carro pensando na revenda. Então fatores como a novidade do desenho e a baixa procura no mercado não fariam diferença para mim. E não ligo para o status de ter um carro de uma marca premium. Por valorizar a técnica acima de tudo e pelo seu custo-benefício, acho que o Passat, mesmo com seus quase cinco metros de comprimento, seria o carro perfeito para mim.

COMPRE SE…

Você gosta de uma dirigibilidade afiada, precisa de muito espaço na cabine e de um porta-malas volumoso.
Faz questão de um bom negócio, pois o Passat vale o que custa ao ofertar um amplo pacote de itens de segurança e conveniência.

NÃO COMPRE SE…

Você se preocupa com o visual. Afinal, o Passat reestilizado foi apresentado no primeiro semestre deste ano e, possivelmente, estará disponível em nosso mercado a partir deste ano.
Você anda em pisos muito ruins, pois as suspensões são delicadas.

CONSIDERE TAMBÉM ESSES CONCORRENTES


Ficha técnica:

VW Passat Highline

Preço básico: R$ 164.620
Carro avaliado: R$ 172.490
Motor: quatro cilindros em linha 2.0, 16V, turbo, injeção direta e indireta, duplo comando variável
Cilindrada: 1984 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 220 cv a 4.500 rpm
Torque: 35,7 kgfm a 1.500 rpm rpm
Câmbio: automatizado de dupla embreagem, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e multibraços (t)
Freios: discos ventilados (d) e discos sólidos (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,767 m (c), 1,832 m (l), 1,456 m (a)
Entre-eixos: 2,791 m
Pneus: 235/45 R18
Porta-malas: 586 litros (1.152 litros com o banco traseiro rebatido)
Tanque: 66 litros
Peso: 1.529 kg
0-100 km/h: 6s8
Velocidade máxima: 246 km/h
Consumo cidade: 6,6 km/l
Consumo estrada: 12,9 km/l
Emissão de CO²: 118 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: A (Extra Grande)

Veja também

+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA

+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar