Avaliação: Peugeot 2008 ganha plástica em boa hora

Com mudanças externas e internas, o Peugeot 2008 ficou mais SUV e menos crossover – e terá uma opção turbo automática para incrementar as vendas entre os utilitários-esportivos compactos

Em 2014, guiei uma unidade pré-série do Peugeot 2008 por mais de 300 km sob diferentes condições de pisos e clima. À época, na chamada Missão Japurá – em alusão ao rio amazonense de 2.850 km de extensão –, pude dar os meus “pitacos” sobre o então secreto crossover, que chegaria ao mercado apenas no ano seguinte. Após certo tempo de estrada, ele chega ao seu primeiro facelift para tentar melhorar o resultado de vendas no difícil segmento que disputa, no qual encara rivais populares como Volkswagen T-Cross, Jeep Renegade, Honda HR-V e cia.

A plástica não foi igual à europeia. Traz novo para-choque, grade do radiador maior com elementos tridimensionais substituindo as barras longitudinais, emblema do leão centralizado e acabamento em preto brilhante. Esse último material é usado também no rack de teto e nos retrovisores. Outras novidades estão no capô mais alto e no desenho das rodas aro 16, enquanto os apliques plásticos da carroceria – que vinham só nas versões Griffe e Crossway – passam a ser de série em todas as versões. Na traseira, que já era bem acertada, foram preservadas as lanternas e o para-choque saliente dotado das luzes de ré e de neblina.

Tudo isso, ajudou o Peugeot 2008 a ficar com “cara” muito mais de SUV do que de crossover, termo que saiu de moda no Brasil. Antes, o modelo parecia mais ser uma “peruinha” com suspensões elevadas, e isso devia prejudicar suas vendas (agora ele também fica mais alinhado com os irmãos 3008 e 5008).

Ao abrir as portas, os ares de frescor aparecem nos bancos com densidade das espumas e tecidos revistos. Um dos pontos altos continua sendo a posição de dirigir, com volante de raio diminuto (34 cm x 33 cm) e quadro de instrumentos elevado. A central multimídia possui tela tátil de 7” com Android Auto e Apple CarPlay. Embora seja menor que os rivais – principalmente Hyundai Creta, Jeep Renegade Honda HR-V –, a cabine passa uma sensação de amplitude, talvez por causa do grande teto panorâmico. Ele equipa as versões Griffe e Griffe THP, com motor turbo (leia box), mas não está disponível na Allure e na Allure Pack. Todas as configurações têm quatro airbags (frontais e laterais), piloto automático e freio a disco nas quatro rodas – item de segurança não encontrado no Nissan Kicks e no Hyundai Creta. Até o fechamento desta edição os preços não haviam sido divulgados, mas eles devem partir de R$ 69.990, em uma gama que é formada pelas versões Allure, Allure Pack, Griffe AT e Griffe THP.

Leão ou gatinho?

Avaliamos o 2008 Griffe com o motor 1.6 EC5 VTI aspirado de 118 cv de potência e 16,1 kgfm a 4.750 rpm de torque, associado ao já conhecido câmbio automático Aisin com seis velocidades. Ligeiramente mais potente e torcudo que o Nissan Kicks 1.6, o Peugeot tem um desempenho “ok”. Não é um rojão, mas anda com boa desenvoltura e conforto graças ao adequado trabalho da transmissão. Na cidade, no modo ECO (proporciona 6,5% de economia) é possível trafegar com a sexta marcha engatada a apenas 60 km/h, e, durante nossos testes, o consumo médio foi de 10,8 km/l com gasolina e de 8,2 km/l com etanol (próximo do oficial).

Já na estrada, o menor fôlego do Peugeot em relação a Volkswagen T-Cross, ao Honda HR-V 1.8 e ao Hyundai Creta 2.0 exige pisar mais fundo no acelerador em ultrapassagens. Nessas situações, o câmbio reduz três marchas para tentar ganhar força. As trocas sequenciais são realizadas agora só pela alavanca de câmbio – pena, pois a as versão automática de quatro marchas tinha aletas no volante. O consumo médio na estrada com gasolina a constantes 100 km/h foi de 15,4 km/l (e de 12 km/l com etanol). A 80 km/h o ponteiro do conta-giros marca 1.950 rpm, a 100 km/h vai a 2.350 rpm e, a 120 km/h, atinge as 2.950 rpm. Não é uma rotação muito baixa, mas suficiente para manter a cabine silenciosa – há também um novo isolamento acústico.

Além do modo ECO, há também o Sport, que estica um pouco mais as marchas. Embora o câmbio esteja bem casado ao motor 1.6, às vezes ele “titubeia” nas reduções, como de quarta para terceira. O novo acerto da direção e das suspensões, nem firmes nem macias demais, e bastante robustas, melhoraram a dirigibilidade do 2008, principalmente em curvas, com pouca inclinação de carroceria. O vão livre do solo é de ótimos 20 cm (só 1 cm menos que no Jeep Renegade), e o carro passa por valetas e lombadas sem raspar a dianteira. No frigir dos ovos, o Peugeot continua sendo uma boa opção de compra e agora tem mais argumentos para encarar não apenas os concorrentes diretos do segmento, como para agradar aos consumidores que procuram um SUV bom ao volante.


A versão que faltava: turbo e automática

Desde que chegou ao mercado, o Peugeot 2008 Griffe THP (Turbo High Pressure) sempre foi empolgante, graças ao motor 1.6 16V turbinado de 173 cv a 6.000 rpm e 24,5 kgfm quando abastecido com etanol. Se no passado essa versão era oferecida somente com câmbio manual de seis velocidades, agora enfim ganhou uma transmissão automática. Tivemos a oportunidade de conduzir uma versão pré-série na pista do Haras Tuiuti, no interior de São Paulo, para constatar que o modelo continua oferecendo uma dirigibilidade “acesa”.

Mesmo com a aposentadoria da caixa manual, o THP segue entregando um desempenho vigoroso, com as seis marchas trocadas rapidamente. Segundo o fabricante, houve uma readequação da caixa de seis velocidades para trabalhar com o motor turbo. Outra mudança que pudemos perceber está na suspensão dianteira – que não demonstrar mais a tendência de levantar nas acelerações mais fortes. O seletor de terreno Grip Control foi mantido, oferecendo cinco modos (padrão, neve, areia, lama e ESP OFF). O 2008 Griffe THP chegará ao mercado no segundo semestre.


Ficha técnica:

Peugeot 2008 Griffe AT

Preço básico: R$ 69.990*
Carro avaliado: R$ 91.000*
Motor: quatro cilindros em linha 1.6, 16V, variador de fase na admissão
Cilindrada: 1587 cm³
Combustível: flex
Potência: 115 cv (g) e 118 cv a 5.750 rpm (e)
Torque: 16,1 kgfm a 4.000 rpm (g) e 16,1 kgfm a 4.750 rpm (e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,159 m (c), 1,739 m (l), 1,583 m (a)
Entre-eixos: 2,542 m
Pneus: 205/60 R16
Porta-malas: 355 litros
Tanque: 55 litros
Peso: 1.248 kg
0-100 km/h: 11s9
Velocidade máxima: 186 km/h
Consumo cidade: 10,7 km/l (g) e 7,5 km/l (e)
Consumo estrada: 13 km/l (g) 9,2 km/l (e)
Emissão de CO²: 115 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: C (SUV Compacto)