Avaliação: Peugeot 2008 THP ganha o câmbio automático que faltava

Versão de topo do SUV compacto chega com preço dos concorrentes intermediários trazendo conjunto mecânico bem afinado e bons itens de série

Peugeot 2008 THP AT
(Rafael Poci Déa)

Faltava ao esperto Peugeot 2008 Griffe THP a opção de câmbio automático. Pois bem, agora não falta mais. Na ponta do lápis, ele é um topo de linha com preço de versão intermediária e custa iniciais R$ 100.990. Recheado de série, entre os itens, oferece seis airbags (frontais, laterais e de cortina), ar-condicionado de duas zonas, central multimídia com tela tátil de 7” e conectividade Android Auto/Apple CarPlay, sensores crepuscular/chuva/estacionamento e teto solar panorâmico. Este último, encontrado apenas no Honda HR-V Touring, cobrado à parte nos Volkswagen T-Cross Comfortline 200 TSI e Highline 250 TSI, além de indisponível no “irmão” Citroën C4 Cactus.

A plástica feita em meados deste ano não seguiu os passos do modelo europeu. Porém, o deixou mais SUV que crossover. As novidades estéticas se concentraram na dianteira, com o para-choque redesenhado e a grade do radiador exibindo elementos tridimensionais, emblema do leão centralizado e acabamento em preto brilhante – mesma tonalidade aplicada no rack de teto e nas capas dos retrovisores. A traseira bem resolvida preservou o desenho das lanternas e o para-choque pronunciado.

Se no passado, o motor 1.6 THP (Turbo High Pressure) vinha associado unicamente ao câmbio manual de seis marchas, eis que a conversa mudou de figura. Segundo a Peugeot, a caixa automática (EAT6) da japonesa Aisin foi retrabalhada e estão disponíveis até 173 cv de potência e 24,5 kgfm de torque a partir de baixos 1.400 rpm, quando abastecido com etanol – a configuração Griffe também é ofertada com o bloco 1.6 aspirado (R$ 91.990).

O bom casamento é comprovado pelas acelerações vigorosas transmitindo um comportamento esportivo, enquanto a transmissão agrada pelo funcionamento suave, com opção de trocas sequenciais para quem deseja dirigir mais esportivamente. Dependendo da situação e ao trafegar em baixa velocidade, as mudanças são acompanhadas de leves trancos. Nada que tire o brilho do 2008 Griffe THP. O tempero apimentado é ajudado pelas suspensões, que receberam uma nova calibração e a dianteira não demonstra mais a tendência de subir demais nos momentos de “pé no porão”.

A caixa automática oferece os modos Sport, Sequencial e Eco, que deixa as respostas mais comedidas e proporciona uma economia de combustível de até 6,5% nos congestionamentos. Já o Grip Control traz os programas Neve, Lama, Areia, Padrão e ESP-OFF (acionado automaticamente a partir de 50 km/h ou na partida do motor).

Com 200 mm de vão livre e 23° de ângulo de entrada, a dianteira do 2008 não enrosca com facilidade em lombadas ou valetas. Para deixar tudo em família, no Citroën C4 Cactus Shine 1.6 THP Pack Automático (R$ 101.090) estão disponíveis 225 mm e 22°, respectivamente. 

Bom de guiar, o modelo da Peugeot ainda brinda os passageiros com um interior bem construído e uma posição de dirigir irretocável, com bancos que abraçam bem o corpo e o volante de raio diminuto. O teto solar panorâmico coopera na sensação de amplitude interna, enquanto o porta-malas tem capacidade para 402 litros. Maior comparado ao do Citroën C4 Cactus (320 litros), do VW T-Cross (373 litros) e do Honda HR-V Touring (393 litros).

Apesar do preço pouco acima de R$ 100.000 e do eficiente motor turbinado, o 2008 Griffe THP deve alguns equipamentos presentes no Citroën C4 Cactus Shine 1.6 THP Pack Automático, como o sistema de frenagem automática, os alertas de colisão, de saída involuntária de faixa e de atenção ao condutor, além do indicador de descanso. Uma pena ele chegar ao nosso mercado quando a nova geração já foi revelada no exterior.


FICHA TÉCNICA

Peugeot 2008 Griffe THP AT
Preço básico: R$ 100.990
Carro avaliado: R$ 100.990
Motor: quatro cilindros em linha 1.6, 16V, turbo, injeção direta, variador de fase na admissão
Cilindrada: 1598 cm3
Combustível: flex
Potência: 165 cv (g) e 173 cv (e) a 6.000 rpm
Torque: 24,5 kgfm a 1.400 rpm (g/e)
Câmbio: automático, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,159 m (c), 1,739 m (l), 1,583 m (a)
Entre-eixos: 2,542 m
Pneus: 205/60 R16
Porta-malas: 402 litros
Tanque: 55 litros
Peso: 1.246 kg
0-100 km/h: 8s3 (g) e 8s1 (e)
Velocidade máxima: 206 km/h (g) e 209 km/h (e)
Consumo cidade: 10,7 km/l (g) e 7,5 km/l (e)
Consumo estrada: 13 km/l (g) e 9,2 km/l (e)
Emissão de CO2: 115 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: C (Utilitário Esportivo Compacto)

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar