Avaliação: Porsche Cayenne Coupé é o esportivo que todo SUV queria ser

Apesar da carroceria elevada e das mais de duas toneladas de peso, SUV cupê surpreende pelo comportamento acima da média

Porsche Cayenne Coupé (Divulgação)

Não faz muitos anos, alguns fabricantes de esportivos ainda relutavam em se render aos SUVs. E não sem razão. Nada mais contrário à essência dos devoradores de asfalto do que carros de carroceria elevada e suspensão molenga. Mas o mercado só quer saber dos modelos “altinhos” e foi preciso fazer uma concessão. Assim que eu imagino que surgiram modelos como o Porsche Cayenne Coupé. Um carro que, apesar de ser um SUV, contraria essa lógica dos utilitários e poderia ser muito bem confundido com um esportivo puro.

No mercado brasileiro, o cupê será oferecido em duas versões (confira aqui os preços): a de entrada Coupé, que está equipada com um motor 3.0 V6 de 340 cv, e a topo de linha híbrida Coupé Turbo S E-Hybrid, que combina um propulsor V8 de 550 cv a um elétrico de 136 cv). Ambas são combinadas a um câmbio automático Tiptronic S de oito marchas e contam com o sistema de tração integral que utiliza embreagem multidisco controlada eletronicamente para a distribuição de torque para o eixo dianteiro. 

O modelo é montado sobre a plataforma modular MLBEvo, que é a mesma empregada nos Audi Q7 e Q8 e no Lamborghini Urus. Na comparação com o Cayenne SUV, o Coupé é um carro novo do capô para trás, trazendo uma carroceria 13 mm mais longa, 18 mm mais larga e 20 mm mais baixa, além de coluna A mais inclinada e para-lamas mais largos.

Apesar do parentesco com outros SUV esportivos das marcas do Grupo VW, o Cayenne Coupé é um bicho com DNA próprio. Diferente do tecnológico Audi Q8, o Porsche é mais minimalista e voltado para o motorista. Não falta luxo e itens de comodidade, como o ar-condicionado automático de quatro zonas, os bancos com ajustes elétricos e o sistema multimídia com tela de alta resolução de 12”. Mas os comandos de climatização são mais simples e estão concentrados no console central (embora tragam alguns botões sensíveis ao toque), o volante traz o comando para o seletor de modos de condução e o interruptor de partida está na esquerda, como em todo bom Porsche.

Mesmo com o teto rebaixado, não falta espaço para os passageiros no banco traseiro, que foi rebaixado em 30 mm em relação ao do Cayenne SUV. Já o compartimento de bagagens pode acomodar bons 625 litros na versão Coupe ou 500 litros na híbrida Coupé Turbo S E-Hybrid. 

Com 4,93 m de comprimento e mais de duas toneladas de peso, a expectativa é que o Coupé tenha um comportamento de “barca”. Mas o SUV cupê impressiona. Se não tivesse visto o carro anteriormente, dificilmente diria que estava à bordo de um utilitário esportivo. Avaliamos uma unidade da versão Coupé em um percurso de 400 quilômetros pelo litoral e a serra gaúcha, que incluiu desde pistas de asfalto perfeito (e outras cheias de crateras) a caminhos de terra. 

Apesar de ser a configuração de entrada do modelo, os 340 cv de potência e 45,89 kgfm de torque do motor V6 são mais do que suficientes para a proposta, permitindo acelerar de 0-100 km/h em 6 segundos e atingir 243 km/h de velocidade máxima. No uso cotidiano, esses números se traduzem em potência e torque de sobra nas acelerações e retomadas. Já o câmbio automático merece elogios, pelo funcionamento suave e ao mesmo tempo rápido nas trocas quando solicitado. 

Mas ao apertar a tecla Sport Response no volante, a experiência fica ainda mais interessante. Por 20 segundos, as respostas do carro ficam mais extremas e as trocas de marcha são feitas no limite de giros do V6, fazendo com que o Tiptronic S deixe de lado toda a sua suavidade e transmita um “coice” para os ocupantes. O sistema, aliás, é um dos integrantes do pacote Sport Chrono, que inclui ainda o cronômetro, controle de largada e o modo Sport para o controle de estabilidade. Em termos de diversão, fica ainda melhor se o comprador optar pelo escape esportivo sonoridade variável, um opcional de R$ 16.483.

A diversão continua nas curvas, onde o Cayenne Coupé segue surpreendendo pela direção firme e direta e pela suspensão ativa com controle eletrônico, que deixa o carro pregado ao chão. Quase não se nota a rolagem da carroceria. Outro destaque vai para o sistema de tração integral, que mantém a tração na traseira na maior parte do tempo.

Mas o apelo esportivo do SUV da Porsche acabou cobrando o seu preço quando deixamos o asfalto liso. E enquanto rodávamos por uma rodovia próxima da cidade de São Francisco de Paula, um par de buracos destruiu dois dos pneus de perfil baixo. Por sorte, as rodas opcionais de 22” (uma das 16 disponíveis no lugar das de série, de 20″, e com preço unitário de R$ 28.071) resistiram bravamente aos impactos.

Unindo visual e comportamento esportivos e o interior requintado (e com a aura típica dos esportivos “puros” da marca), o Porsche Cayenne Coupé é uma opção para quem procura um SUV de luxo. Mas que, no fundo, sente saudades mesmo é de um tempo em que eles nem existiam. 


FICHA TÉCNICA:

Porsche Cayenne Coupé V6
Preço básico: R$ 459.000
Carro avaliado: R$ 503.554
Motor: 6 cilindros em V 3.0, 24V, turbo, injeção direta, start-stop
Cilindrada: 2995 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 340 cv de 5.300 a 6.400 rpm
Torque: 45,9 kgfm de 1.340 a 5.300 rpm
Câmbio: automático sequencial, oito marchas
Direção: elétrica
Suspensões: multilink (d/t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: integral
Dimensões: 4,931 m (c), 1,997 m (l), 1,676 m (a)
Entre-eixos: 2,895 m
Pneus: 275/45 R20 (d) e 305/40 R20 (t)
Porta-malas: 625 litros
Tanque: 75 litros (opcional com 90 litros)
Peso: 2.030 kg
0-100 km/h: 6s0
Velocidade máxima: 243 km/h
Consumo cidade: 6,4 km/l
Consumo estrada: 7,4 km/l
Emissão de CO²*: 194 g/km
Nota do Inmetro*: D
Classificação na categoria*: A (Utilitário Esportivo Grande)
*dados estimados

Veja também

+ Fiat faz desconto em toda a linha; preço do Toro cai R$ 32 mil
+ Acesso de fúria de macaco deixa um homem morto e 250 pessoas feridas na Índia
+ Risco de casos graves de Covid é 45% maior em pessoas com sangue do tipo A, segundo pesquisadores europeus,
+ Aprenda a fazer o brigadeiro de paçoca de Ana Maria Braga