Avaliação: Porsche Macan GTS é a exceção da regra

Nem todo SUV precisa ser chato de dirigir. E o Porsche Macan GTS ainda faz curvas como poucos…

6347

Muitos fãs de station wagons não conseguem entender a comoção causada pelos SUVs. São carros que geralmente têm um comportamento dinâmico pior do que o de uma perua. Isso sem contar os gastos superiores com a manutenção e o consumo de combustível mais elevado. Mas há exceções. E uma delas é o Porsche Macan GTS. Com preço de tabela de R$ 458.000, a GTS é a versão intermediária dentre os Macan com motores de seis cilindros. Com um 3.0 V6 biturbo de 360 cv, fica posicionado entre a S (340 cv) e a Turbo (400 cv).

Das linhas da carroceria à chave de partida posicionada à esquerda do motorista, passando pelo quadro de instrumentos com o conta-giros em destaque, o Macan tem o visual típico dos Porsche. Mas as semelhanças não ficam só no visual. Ele é tudo o que se poderia esperar de um SUV feito por uma marca de esportivos. No mais pacato dos três modos de condução, o Macan GTS age como um utilitário familiar. A suspensão é relativamente macia mesmo em pisos irregulares. Já o propulsor ronca baixo (rodando a 100 km/h, o motor gira a 1.600 rpm) e, para reduzir o consumo, o Macan conta com start-stop e um sistema de “banguela” automática. Assim, consegue fazer 9,4 km/l de gasolina na estrada. Com 4,69 m, o SUV da Porsche é pouco mais longo do que um sedã médio, o que garante o espaço suficiente para levar a bagagem e mais quatro passageiros com conforto.

O Macan GTS muda de personalidade quando se seleciona os modos de condução Sport e Sport Plus. É nessa hora que o modelo faz jus ao logotipo da empresa de Stuttgart e deixa um pouco o lado familiar de lado. A suspensão fica mais firme e os sistemas de direção e câmbio ganham agilidade, enquanto o V6 biturbo responde rápido e ronca alto ao menor toque no acelerador. Dotado do câmbio automatizado PDK de sete marchas e dupla embreagem (que faz trocas com uma agilidade impressionante) e da tração integral que opera a maior parte do tempo enviando a força para as rodas traseiras, o Macan é rápido em linhas retas e também faz curvas com mais equilíbrio e segurança do que muitos carros de passeio com vocação urbana. Daria para esquecer que se está a bordo de um SUV, não fosse o banco em posição mais alta.

Depois dos elogios ao Macan GTS, é nosso dever de ofício lembrar também dos pontos não tão positivos o carro. E eles estão todos dentro da cabine. Os bancos dianteiros têm ajustes elétricos e memória de posição, mas não trazem aquecimento ou regulagem lombar. Sobram botões no console central, que dão um visual mais antigo ao conjunto, enquanto o sistema multimídia com tela de 7” não é compatível com Android Auto. E esqueça os pacotes de assistência ao motorista oferecidos nos veículos esportivos e de luxo mais atuais: apenas o alerta sonoro de mudança involuntária de faixa está presente no carro vendido aqui no Brasil. Mas, no final das contas, a balança do Macan GTS ainda pesa muito mais para os acertos do que para as falhas. Que bom seria se todos os SUVs fossem como esse da Porsche.


Ficha técnica:

Porsche Macan GTS

Preço básico: R$ 321.000
Carro avaliado: R$ 458.000
Motor: 6 cilindros em V 3.0, 24V, biturbo, injeção direta, start-stop
Cilindrada: 2997 cm³
Combustível: gasolina
Potência: 360 cv a 6.000 rpm
Torque: 51 kgfm entre 1.650 e 5.000 rpm
Câmbio: automatizado, sete marchas, dupla embreagem
Direção: elétrica
Suspensões: braços transversais (d) e trapezoidal (t)
Freios: discos ventilados (d/t)
Tração: integral com distribuição eletrônica
Dimensões: 4,692 m (c), 1,926 m (l), 1,609 m (a)
Entre-eixos: 2,807 m
Pneus: 265/45 R20 (d) e 295/40 R20 (t)
Porta-malas: 500 litros (1.500 litros com os bancos rebatidos)
Tanque: 68 litros
Peso: 1.895 kg
0-100 km/h: 5s
Velocidade máxima: 256 km/h
Consumo cidade: 6,9 km/l
Consumo estrada: 9,4 km/l
Nota do Inmetro: D
Emissão de CO²: 178 g/km
Classificação na categoria: E (Utilitário Esportivo Grande)

blog comments powered by Disqus