Avaliação: Range Rover Evoque vai muito além dos shoppings


O Range Rover Evoque envelheceu bem, ao contrário do que muito pensavam. E rejuvenesceu o mercado. O fato é que o Land Rover nascido conceitualmente em 2007 e vendido desde 2011 chega à segunda geração, e o mais incrível é que seu design – bastante ousado e futurista à época –, se mantém atual,e por isso nem muda tanto. Quando o SUV nasceu, alguns o chamaram de “anti-SUV”, outros de “Freelander cupê” – tinha até versão duas portas. De fato, está entre os precursores da categoria, não tanto na forma, mas no conceito.

Radical no visual, o Range Rover Evoque foi um divisor de águas da marca. Mais que “SUV-cupê”, é um SUV-chique, “o Range Rover dos SUVs compactos” – inclusive ele inaugurou o uso do nome Range Rover como “submarca” da Land Rover. Porque se “Range Rover” antes era um modelo, o mais luxuoso Land Rover, e depois veio sua versão Sport, na verdade inicialmente baseada no Discovery, o Evoque foi o primeiro dos Land Rover a incorporar o conceito “família Range Rover” (agora formada, além do citados, também pelo Velar).

Falando no Velar, como antecipamos, o novo Range Rover Evoque é um “mini-Velar”. Nenhuma surpresa, já que, tendo sido o Velar inspirado no Evoque e evoluído dele, seria natural o Evoque se parecer com ele. E parece muito. Manteve o teto “flutuante” e descendente, mas trocou faróis, alargou lanternas, mudou para-choques – diferentes neste R-Dynamic avaliado, top de linha, que ainda veio com o “black pack”, com o logo “Range Rover” em preto sobre preto, e a mesma cor no extrator, dando um ar mais invocado – sem trocadilhos – ao SUV.

Apesar de não parecer que mudou tanto, a plataforma do novo Range Rover Evoque é 99,9% nova. “Só não mudam as dobradiças das portas”, diz Paulo Manzano, diretor de marketing e produto da marca. Chamada PTA, está pronta para a hibridização e, para manter o SUV como compacto, cresceu só 1 cm no comprimento (fica entre HR-V e Compass) e 2,1 cm no entre-eixos, ganhando pouco na cabine e no porta-malas. Assim como no clássico Range Rover, a proposta do Range Rover Evoque é fazer de tudo. A marca se refere a ele como “o SUV compacto mais capaz e refinado do mundo”. Seria um carro que te leva ao shopping com luxo e estilo, bem na moda dos SUVs urbanos, anda rápido na estrada e ainda aguenta muita porrada no uso off-road. Mas ele será mesmo tudo isso?

O Range Rover dos compactos

Escondidas na carroceria, as maçanetas do Range Rover Evoque saltam para se abrir o carro. O interior igual ao do Velar, com três telas TFT – quadro de instrumentos, infotainment e, abaixo, a que controla modos de direção, som ou ar (você escolhe). Um botão na própria tela a ajusta elétrica e milimetricamente na inclinação para evitar reflexos. No retrovisor, em vez da imagem do espelho, uma próxima e aberta, sem cabeças, colunas ou coisas no caminho, que vemde uma câmera na antena. Depois de usá-lo, não queria mais usar o normal (é possível).

No mais, o Range Rover Evoque tem materiais impecáveis, um teto de vidro enorme, e, nesta versão, bancos e volante com ajuste elétrico, GPS por CarPlay/Android Auto (e nativo com aviso de radar), head-up display, som Meridian, ACC, park assist, monitor de ponto-cego… De fato, um “Range Rover compacto” (só faltou um carregador por indução).

Para ir ao shopping ou à praia pelo asfalto, o Range Rover Evoque continua quase só elogios. Ao volante, não mudou muito (e nem precisava), exceto pelo desempenho mais apimentado. Afinal, nesta versão, troca o velho 2.0 turbo da Ford de 240 cv pelo da casa, com 300 cv. Boa também a substituição do confuso controle giratório do câmbio pela alavanca, mais fácil e mais esportiva para as trocas manuais (também há aletas).

Este Range Rover Evoque é um MIEV (híbrido leve). O motor-gerador elétrico recupera energia nas frenagens e usa para preencher “vazios” do a combustão. O SUV vai a 100 km/h em ótimos 6,6 segundos, está sempre esperto e chega a 180 km/h sem você notar. Mas cobra no consumo, que, apesar de tudo, piorou: são só 7,1 km/l na cidade e 9,2 na estrada pelo PBEV – na prática, marcamos 6 km/l na cidade e 9 na estrada (mesmo a 120 km/h a baixas 1.750 rpm). Andando forte, ele não decepciona, com suspensões que controlam a carroceria sem sacrificar o conforto e uma direção boa, pesadinha e afiada.

Muito além do shopping

Depois de rodar na cidade de São Paulo e em rodovias, seguimos no Range Rover Evoque para trilhas nas cuestas de Botucatu, SP, para ver se o SUV honra as raízes e vai além do shopping center. Com o know-how da marca inglesa, estranho se não fosse. Mesmo nesta versão com para-choques diferentes e menores ângulos de ataque e saída, exceto por raspadinhas da dianteira, passou com facilidade por estradas de terra em estado deplorável, pastos, riachos (até 60 cm de água) e atoleiros, e isso com pneus de asfalto.

Mérito da tração integral inteligente Terrain Response 2, que reconhece o terreno e e se adapta aos desafios (no novo modo Auto, que se soma aos demais). Outras novidades do Range Rover Evoque são o incrível “capô transparente” (uma câmera mostra o chão para evitar pedras) e o prático ATPC, que mantém a velocidade e supera atoleiros, subidas ou descidas controladamente, melhor do que você faria (resta atuar no volante). Ainda há o gradient release control, que solta os freios lentamente em barrancos.

E tudo isso com conforto surpreendente, ainda mais considerando o desempenho no asfalto. Portanto o Range Rover Evoque tem, também, a prometida ultra-versatilidade de Range Rover. E os preços? Partem de R$ 281.600 no SE flex de 250 cv, indo a R$ 322.300 no modelo avaliado. Caro? Nem tanto. Principalmente comparado a outros SUVs rivais (alemães) de mesmo preço e menos capazes.


Ficha técnica:

Range Rover Evoque P300 HSE R-Dynamic

Preço básico: R$ 281.600
Carro avaliado: R$ 322.300
Motor: quatro cilindros em linha 2.0, 16V, duplo comando variável, turbo, injeção direta
Cilindrada: 1998 cm³
Combustível: gasolina, bateria 42V
Potência: 300 cv a 5.500 rpm
Torque: 40,8 kgfm de 1.500 a 4.500 rpm
Câmbio: automático sequencial, nove marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e multilink (t)
Freios: discos ventilados (d) e discos sólidos (t)
Tração: integral, seletor de terreno
Dimensões: 4,371 m (c), 1,904 m (l), 1,649 m (a)
Entre-eixos: 2,681 m
Pneus: 235/50 R20
Porta-malas: 591 a 1.383 litros
Tanque: 67 litros
Peso: 1.850 kg
0-100 km/h: 6s6
Velocidade máxima: 242 km/h
Consumo cidade: 7,1 km/l
Consumo estrada: 9,2 km/l
Emissão de CO²: 173 g/km
Nota do Inmetro: D
Classificação na categoria: C (Fora-de-Estrada Grande)