Avaliação: Renault Captur Bose é série especial focada na qualidade sonora

O Renault Captur Bose é uma série especial focada para os consumidores que desejam guiar sem pressa e ainda curtindo um som de qualidade

O Renault Captur Bose é a nova opção para quem curte um som de alta qualidade. Não é mais novidade os fabricantes oferecerem sistemas de áudio premium em seus modelos. Entre eles, a VW e a Jeep ofertam os alto-falantes Beats Sound no Polo (leia mais) e no Compass (confira avaliação), respectivamente. A Renault também pegou uma carona, com esta série especial. Ela possui duas versões: Bose 1.6 CVT X-TRONIC (R$ 97.990) e Bose 2.0 Automático (R$ 98.990). 

O Renault Captur Bose custa R$ 2.000 a mais em relação as configurações Intense 1.6 CVT X-TRONIC (R$ 95.990) e Intense 2.0 Automático (R$ 96.990). E se diferencia pelo visual e pela experiência sonora. O visual exibe a exclusiva pintura de dois tons da carroceria, misturando cinza Cassiopée com teto prata Étoile, preto Nacré com prata Étoile, branco Glacier com preto Nacré e vermelho Fogo com preto Nacré. 

Os logotipos alusivos da Bose aparecem nos para-lamas e nas soleiras de portas, enquanto a cabine do Renault Captur Bose possui os bancos revestidos em couro sintético. Sem dúvidas, o destaque do interior é o áudio da renomada marca.

O “palco sonoro” do Renault Captur Bose é composto por amplificador digital de sete canais, tweeters de 25 mm com imã de neodímio no painel, woofers de 165 mm nas portas frontais e as traseiras, com alto-falantes de 130 mm também dotados de imã de neodímio, além de subwoofer de 150×230 mm no porta-malas.

A experiência sonora a bordo do Renault Captur Bose agrada pela clareza. Embora o multimídia com tela tátil de 7” e Android Auto/Apple CarPlay seja limitado nos recursos de equalização.

O tamanho do subwoofer não compromete o espaço do porta-malas (437 litros), mas, dependendo do estilo musical, ele não se faz presente. A sensação que fica é do conjunto produzir um bom desempenho nas faixas agudas/médias e pecar um pouco nas graves. O isolamento da cabine também rouba a experiência sonora. 

Ao volante

O motor 1.6 está associado ao câmbio continuamente variável X-Tronic CVT de seis marchas simuladas. É um SUV para andar sem pressa, pois as saídas de semáforos são morosas e o desempenho é apenas OK para a proposta do utilitário esportivo. O 1.6 entrega 120 cv de potência e 16,2 kgfm, quando abastecido com etanol. Contudo, por R$ 1.000 a mais é possível levar para casa a versão 2.0, que utiliza transmissão automática de quatro marchas e produz 148 cv e 20,9 kgfm com combustível vegetal. 

A boa área envidraçada coopera na visibilidade e quem viaja atrás desfruta de bom espaço para as pernas e os joelhos por conta do entre-eixos de 2,673 m – maior comparado ao do Honda HR-V (2,610 m), só para comparar.

As suspensões bem calibradas ajudam no conforto e na baixa rolagem da carroceria em curvas. Já a direção com assistência eletro-hidráulica é pesada ao esterço em baixas velocidades, como nas manobras ou nas balizas. E a coluna de direção é somente ajustável em altura, enquanto o acabamento do interior possui excesso de plásticos. 

Outros pontos de ergonomia a serem melhorados no Renault Captur Bose estão nos controles de áudio no comando satélite na coluna de direção e na posição baixa das teclas ECO, limitador e controlador de velocidade, próximas ao freio de estacionamento. Para compensar, a alavanca do câmbio CVT possui um acionamento suave nas trocas sequenciais. Entre “mortos e feridos”, salva-se o SUV da Renault por ser uma opção para quem deseja bom espaço interno e ainda um som de grife.


FICHA TÉCNICA

RENAULT CAPTUR BOSE 1.6 CVT X-TRONIC
Preço básico: R$ 76.990 (Zen 1.6 manual)
Carro avaliado: R$ 95.990

Motor:
 4 cilindros em linha 1.6, 16V, duplo comando com variação na admissão
Cilindrada: 1597 cm3
Combustível: flex
Potência: 118 cv (g) e 120 cv (e) a 5.500 rpm
Torque: 16,2 kgfm a 4.000 rpm (g/e)
Câmbio: continuamente variável (CVT), seis marchas simuladas
Direção: eletro-hidráulica
Suspensão: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)  
Tração: Dianteira
Dimensões: 4,329 m (c)1,813 m (l), 1,619 m (a)
Entre-eixos: 2,673 m
Pneus: 215/60 R17
Porta-malas: 437 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 1.286 kg
0-100 km/h: 13s1
Velocidade máxima: 169 km/h
Consumo cidade: 10,5 km/l (g) e 7,2 km/l (e)
Consumo estrada: 11,7 km/l (g) e 8,1 km/l (e)
Emissão de CO2: 122 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: D

 

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool
+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas
+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial
+ Os 20 carros 1.0 mais econômicos do mercado brasileiro
+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar