Avaliação: Renault Duster Iconic CVT só fica devendo no desempenho

O Renault Duster Iconic CVT é a configuração topo de linha da família. Bem equipado, oferece um desempenho comedido e câmbio continuamente variável (CVT)

De 2011 para cá, o Renault Duster conquistou os consumidores pela robustez associada ao porta-malas volumoso. Tanto que ele foi o SUV mais vendido de 2012, quando duelava roda-a-roda com o Ford EcoSport, e conquistou a vice-liderança do segmento nos anos de 2013 e 2014. O voo em céu de brigadeiro nublou após a vinda de Jeep Renegade, Honda HR-V, Nissan Kicks, Hyundai Creta, o “irmão” Captur, o Peugeot 2008, além do VW T-Cross e do Chevrolet Tracker.

Muito mais que séries especiais, como a Tech Road (2012), a Tech Road II (2013), a Outdoor (2014), a Dakar (2015) – mesmo ano do facelift – e a GoPro (2019), o utilitário esportivo compacto merecia uma repaginada. Embora não seja uma nova geração, o Duster 2021 debutou importantes aperfeiçoamentos. A plataforma Dacia B0 (a mesma do Captur) está 12,5% mais rígida e todos os painéis externos são novos.

O visual repaginado surgiu na Europa em 2017 e o Duster 2021 passou a exibir grade frontal mais sofisticada e faróis com luzes de LED em formato de “C”. O capô ficou mais alto/vincado e agora é sustentado por duas molas a gás (antes, uma), enquanto as dobradiças não ficam mais à mostra. A traseira ganhou “polêmicas” lanternas quadradas similares às do Jeep Renegade, no lugar das antigas verticais.

Os novos traços não mudaram a personalidade “quadradona” do SUV. E isso é muito bom! Não só mais belo, com elementos incorporados ao Captur 2021 – que debutou no mercado russo (leia mais) – mas também com o interior transformado da água para o vinho.

Ao abrir a porta, somos recepcionados por um aviso sonoro, que pode ser desabilitado. Apesar do painel em plástico duro, a escolha dos materiais foi um “gol de placa”. Aparecem superfícies acetinadas, saídas de ar horizontais, região acolchoada nas portas e central multimídia Easy Link, com tela de 8” e conectividade Android Auto/Apple CarPlay. O equipamento oferece interface intuitiva de mexer, não tem botões físicos e uma saída USB – a única para os ocupantes.

Agora falando da habitabilidade, os bancos possuem boas medidas e o entre-eixos de 2,673 m (o mesmo do Captur) é superior ao dos oponentes Renegade (2,570 m), HR-V (2,610), Kicks (2,620 m), Creta (2,590 m), 2008 (2,542 m), T-Cross (2,651 m) e Tracker (2,570 m), só para comparar. O revestimento em couro é cobrado à parte por R$ 1.700.

O volante é o do Sandero, com sistema de direção assistido eletricamente e coluna ajustável em altura/profundidade. O comando satélite continua lá transmitindo uma pegada antiquada ao Renault Duster 2021. Desculpa, mas não consigo me acostumar a ele. No entanto, os comandos dos vidros elétricos foram reposicionados garantindo maior ergonomia – antigamente, o joelho do motorista esbarrava na peça onde ficavam os controles.

Elogio máximo para o ótimo porta-malas de 473 litros. Ou seja, maior que do Renegade (320), HR-V, Kicks (432), Creta (431), 2008 (402), T-Cross (373) e Tracker (393). O compartimento de bagagens do Renault Duster manteve-se superior inclusive ao do Renault Captur (437).

Um item desta versão Iconic CVT (iniciais R$ 90.690) está nas quatro câmeras espalhadas pela carroceria. Não é um sistema de 360º, como o do Kicks, mas coopera nas manobras/balizas ou evita batidas indesejadas. Afinal, segundo nossas medições, a peça frontal onde estão os faróis de longo alcance mede 16 cm de profundidade podendo gerar batidinhas indesejadas. O equipamento é oferecido opcionalmente no pacote Outsider (R$ 2.300), que também adiciona ao SUV os alargadores de para-lamas, os frisos nas portas e as barras longitudinais de teto na cor preta – a mesma tonalidade das capas dos retrovisores.

Anda bem?

O motor do Duster 2021 é o conhecido quatro cilindros aspirado 1.6 compartilhado no Kicks. Avaliamos o SUV da Renault na ocasião do lançamento (veja aqui) e agora o experimentamos no ambiente tipicamente urbano. Esse bloco “milisseis” está acoplado ao câmbio continuamente variável (CVT), enquanto o câmbio manual aparece na versão de entrada ZEN (R$ 74.690).

São até 120 cv de potência e 16,2 kgfm de torque, quando abastecido com etanol. Entretanto, o Renault Duster Iconic pesa 1.279 kg, que resulta em uma relação peso-potência de 10,66 kg/cv. Ao volante, não espere por respostas de prontidão, pois seu comportamento é ligeiramente lento nas acelerações e retomadas.

Nos momentos de “pé no porão”, o ruído do motor não invade a cabine, como no antecessor, pois o isolamento acústico teve uma atenção especial. Entre as novidades, os vidros dianteiros são 3,5 mm mais espessos.

O câmbio CVT ajuda a dar uma matada no desempenho. Embora menos potente, a bordo do Nissan Kicks fica a sensação de maior agilidade graças ao peso de 1.142 kg e a relação peso potência de 10,02 kg/cv. Para quem sentiu falta do motor aspirado 2.0 de até 148 cv de potência, ele saiu de cena para dar espaço, futuramente, ao bloco 1.3 turbinado, desenvolvido pela Mercedes-Benz, que equipa as carrocerias Hatch e Sedan do Classe A. Essa unidade já está disponível no Captur 2021 à venda na Rússia.

+Avaliação: Mercedes mais barato, Classe A Sedan conquista ao volante
+Avaliação: mais econômico que Corolla, ES 300h é um híbrido surpreendente
+Avaliação: Toyota Prius 2020 é um híbrido sem concessões

O modo ECO deixa o Renault Duster (mais) comedido em prol do consumo e também ajuda na eficiência o sistema Start-Stop, com funcionamento suave ao ligar/desligar o motor em breves paradas, como nos semáforos. A vinda da direção assistida eletricamente possibilitou leveza ao esterço.

A segurança é garantida pelos controles eletrônicos de tração/estabilidade, o assistente de partida em rampas, os cintos de segurança de três pontos/encostos de cabeça para todos os passageiros traseiros, o sensor crepuscular e o alerta de pontos cegos. Entretanto, o Duster só tem os airbags frontais. Uma falha, pois Kwid e Captur oferecem as bolsas de ar frontais e laterais.

O contato com o piso fica a cargo dos confortáveis pneus Continental ContiCross Contact de medidas 215/60 R17 e as suspensões macias. Outra novidade está na versão 4WD sumir do catálogo, porém, o SUV oferece uma pitada de estripulia no off-road light por conta dos ângulos de entrada (30º), de saída (34,5º) e vão livre de 23,7 cm.

As mudanças providenciadas no Duster 2021 foram bacanas e substanciais para mantê-lo vivo entre os consumidores. Quem não o considerava uma opção de compra, agora pode olhar com bons olhos. Mesmo não sendo, a rigor, uma nova geração.


FICHA TÉCNICA
Renault Duster Iconic CVT 2021
Preço básico: R$ 74.690
Carro avaliado: R$ 98.040
Motor: quatro cilindros em linha 1.6, 16V
Cilindrada:
1598 cm³
Combustível:
flex
Potência:
118 cv (g) e 120 cv (e) a 5.500 rpm
Torque:
16,2 kgfm a 4.000 (g/e)
Câmbio:
automático CVT, seis marchas simuladas
Direção:
elétrica
Suspensão:
MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios:
disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração:
dianteira
Dimensões:
4,376 m (c), 1,832 m (l), 1,693 m (a)
Entre-eixos:
2,673 m
Pneus:
215/60 R17
Porta-malas:
475 litros
Tanque:
50 litros
Peso:
1.279 kg
0-100 km/h:
12s4 (g) e 12,3 (e)
Velocidade máxima:
172 km/h (g) e 173 km/h (e)
Consumo cidade:
7,2 km/l (e) e 10,7 km/l (g)
Consumo estrada:
7,8 km/l (e) e 11,1 km/l (g)
Emissão de CO2:
128 g/km
Nota do Inmetro:
C
Classificação na categoria:
A (SUV Grande)

Veja também

+ Fiat faz desconto em toda a linha; preço do Toro cai R$ 32 mil
+ Acesso de fúria de macaco deixa um homem morto e 250 pessoas feridas na Índia
+ Risco de casos graves de Covid é 45% maior em pessoas com sangue do tipo A, segundo pesquisadores europeus,
+ Aprenda a fazer o brigadeiro de paçoca de Ana Maria Braga