Avaliação: Renault Kwid Outsider não é só um tapa no visual

Demorou, mas o Renault Kwid Outsider chegou. E essa versão aventureira do “SUV dos compactos” estreia também uma importante mudança mecânica

O Renault Kwid Outsider surgiu ainda como conceito em 2016, na primeira aparição do subcompacto no Salão de Buenos Aires. Depois, foi exibido no Salão de São Paulo, para agora, enfim, estrear em nosso mercado. A versão aventureira do hatch que a marca já chamava de “SUV dos compactos” estreia por R$ 43.990 e traz apliques nos para-choques, novas molduras dos faróis de neblina, logotipos nas portas, proteções laterais e barras longitudinais decorativas no teto. As calotas em preto brilhante também são exclusivas.

No interior, o visual descolado aparece nos detalhes em laranja no volante, nas laterais de portas e no pomo de câmbio. Essa mesma cor está no tecido dos bancos, e ainda há um easter egg (surpresa) no console central. O sistema multimídia tem tela de 7”, com interface intuitiva, respostas rápidas e Android Auto/Apple CarPlay. Como nas versões Life, Zen e Intense, essa topo de linha Outsider fica devendo ajustes de altura do banco do motorista ou da coluna de direção.

As suspensões não foram elevadas, pois um dos pontos altos do Kwid sempre foram os excelentes 18 cm de vão livre do solo, além dos 24° de ângulo de ataque e 40° de saída (que o qualificam como SUV, na classificação técnica do PBEV-Inmetro). O petit Renault encara valetas e lombadas sem medo e transmite um comportamento ágil graças ao motor tricilíndrico 1.0 12V associado ao câmbio manual de cinco marchas. Embora seja 20 kg
mais pesado que a versão Intense (786 kg), as arrancadas são boas. Mas bem que o câmbio podia ser mais justo e preciso, principalmente no engate da primeira marcha – que fica muito próxima da terceira.

Não tão elogiados eram seus freios, mas agora eles têm discos frontais ventilados no lugar dos sólidos, além de servofreio maior. A novidade será adotada no resto da linha, e contribui para frenagens bem mais eficientes. Já a direção elétrica ajuda a tornar mais agradável a dirigibilidade urbana. Segundo o Inmetro, o Kwid Outsider faz 9,3 km/l na cidade e 10 km/l na estrada com etanol e 13,8 km/l e 14,4 km/l, respectivamente, com gasolina. Para comparação, o Kwid Intense roda 10,3 km/l na cidade e 10,8 na estrada com etanol e 14,9 e 15,6 km/l, respectivamente, com gasolina. O maior consumo é parte do preço a se pagar pelo visual diferente.

Falando nisso, o novo Outsider custa exatos R$ 2.100 mais que a versão Intense. O rival Fiat Mobi Way com o mesmo nível de equipamentos – mas sem Android Auto e Apple CarPlay – sai por R$ 46.800. A novidade é um bom negócio, e deve representar 15% a 20% das vendas do modelo.

Pena que essa demora toda para chegar tenha feito o Outsider estrear quase junto da primeira reestilização do subcompacto no mercado indiano, com linhas inspiradas no elétrico City K-ZE, mostrado no Salão de Xangai. O alívio é que sua chegada por aqui ainda deve demorar, pois o Kwid tem apenas dois anos de estrada no Brasil.


Ficha técnica:

Renault Kwid Outsider

Preço básico: R$ 33.290
Carro avaliado: R$ 43.990
Motor: três cilindros em linha 1.0, 12V
Cilindrada: 999 cm³
Combustível: flex
Potência: 66 cv (g) e 70 cv (e) a 5.500 rpm
Torque: 9,4 kgfm (g) e 9,8 kgfm (e) a 4.250 rpm
Câmbio: manual, cinco marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: discos ventilados (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,680 m (c), 1,579 m (l), 1,474 m (a)
Entre-eixos: 2,423 m
Pneus: 165/70 R14
Porta-malas: 290 litros
Tanque: 38 litros
Peso: 806 kg
0-100 km/h: 15s5 (g) e 14s7 (e)
Velocidade máxima: 152 km/h (g) e 156 km/h (e)
Consumo cidade: 13,8 km/l (g) e 9,3 km/l (e)
Consumo estrada: 14,4 km/l (g) e 10 km/l (e)
Emissão de CO²: 93 g/km
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: A (Subcompacto)

blog comments powered by Disqus