Avaliação: Renault Logan 1.0 2020 inova onde não se vê

Com um tímido retoque no visual, sedã de entrada da marca francesa ganha reforço na segurança para enfrentar a concorrência renovada

Renault Logan Zen 1.0
Renault Logan Zen 1.0 (Roberto Assunção)

O Renault Logan 1.0 mudou, mas muita gente nem percebeu. Também pudera. Enquanto as versões 1.6 ganharam a opção do câmbio CVT (confira aqui a avaliação) e da suspensão elevada, as versões “mil” entraram na linha 2020 sem mudanças mecânicas. Mas isso não significa que elas também não tenham recebido a sua cota de novidades.

Diferente do Sandero, que ganhou um tapa no visual da traseira, o Logan ganhou apenas a nova dianteira com para-choques redesenhados e faróis com luzes diurnas de LED e calotas com novo desenho (apenas na versão Zen, a Life usa as herdadas do Expression 2019). Já no interior, nada de novo painel ou quadro de instrumentos. As intervenções foram pontuais e as novidades ficam por conta dos novos revestimentos dos bancos, do teto e das colunas (agora em material escuro), do volante redesenhado (embora ainda sem os controles do som, que seguem no comando satélite da coluna de direção) e dos novos bancos dianteiros. 

A marca francesa ousou mais na segurança. Na linha 2020, os airbags laterais são de série em toda a linha (algo que ainda é raro nessa faixa de preços e só se vê no recém-lançado Chevrolet Onix Plus) e vieram acompanhados da fixação Isofix para assentos infantis e de reforços estruturais na carroceria (necessários depois do modelo levar bomba nos testes de colisão do Latin NCap). De resto, o Logan segue imbatível no custo por metro quadrado da cabine, impressionando com o seu amplo espaço no banco traseiro (o entre-eixos de 2,64 m só perde para o mais caro VW Virtus, com 2,65 m) e o porta-malas de 510 litros (também um dos maiores entre os compactos). 

Ao volante, o Logan não impressiona e nem desagrada. O motor 1.0 de até 82 cv tem desempenho honesto, mas o câmbio de cinco marchas poderia ter engates mais macios. A mesma maciez que falta no conjunto de direção com assistência eletro-hidráulica, que é mais pesada em manobras e menos precisa em estrada do que a direção elétrica. Pelo menos a suspensão cumpre bem o seu papel e filtra bem as imperfeições do solo.

Com preço inicial de R$ 53.490, o Logan 1.0 Zen sai de fábrica bem equipado para um carro na sua faixa de preços. Além dos já citados airbags laterais, traz isofix, vidros dianteiros elétricos, ar-condicionado, alarme, computador de bordo, sensor de estacionamento traseiro e central multimídia com tela de 7″ e compatível com Android Auto e Apple CarPlay. Se a lista de mudanças estéticas não foi grande, pelo menos o Logan segue conquistando pelo espaço interno e pela lista de equipamentos bem completa. E com os preços competitivos, vai seguir cativando compradores mesmo frente à concorrência renovada.


FICHA TÉCNICA

Renault Logan Zen 1.0 CVT
Preço básico: R$ 53.490
Carro avaliado: R$ 54.190 (pintura branca)
Motor: três cilindros em linha 1.0, 12V, duplo comando variável
Cilindrada: 1597 cm3
Combustível: flex
Potência: 79 cv (g) e 82 cv (e) a 6.300 rpm
Torque: 10,2 kgfm (g) e 10,5 kgfm (e) a 3.500 rpm
Câmbio: manual, cinco marchas
Direção: eletro-hidráulica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,350 m (c), 1,730 m (l), 1,517 m (a)
Entre-eixos: 2,635 m
Pneus: 185/65 R15
Porta-malas: 510 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 1.042 kg
0-100 km/h: 13s3 (g) e 13s2 (e)
Velocidade máxima: 162 km/h (g) e 164 km/h (e)
Consumo cidade: 14 km/l (g) e 9,4 km/l (e)
Consumo estrada: 14,9 km/l (g) e 10,2 km/l (e)
Nota do Inmetro: B
Classificação na categoria: A
Emissão de CO2: 91 g/km