Avaliação: Renault Sandero R.S. Racing Spirit se destaca pelo custo-diversão

Com visual ainda mais esportivo que o Sandero R.S. normal, série especial Racing Spirit leva a esportividade muito a sério

O Renault Sandero R.S. que já conhecíamos é um hot hatch acessível, com a melhor relação custo-diversão do mercado. Agora, uma nova série limitada soma ao seu nome um outro R.S. – de “Racing Spirit”. O que muda? Basicamente, o visual. Mas para não dizerem que essa é só uma versão “esportivada” do esportivo, há também rodas aro 17 de série e pneus novos. Por R$ 66.400 – ante R$ 63.400 do Sandero R.S. “normal” –, o Racing Spirit quer deixar mais claro que é esportivo de verdade. Como se para perceber isso não bastassem dez minutos ao volante.

Limitada a 1.500 unidades, a série numerada – há uma placa junto à alavanca de câmbio – tem cabine com teto preto e toques de vermelho (sem exageros) nos aros dos difusores de ar​ ​e​ ​do​ ​velocímetro e nas faixas e ​costuras​ ​dos​ ​bancos​. Do lado de fora, a mesma cor está no miolo das rodas, nas pinças de freio, nos contornos do para-choque, nas capas dos retrovisores, no difusor e nas faixas laterais. Detalhes que ficam mais destacados na carroceria preta (outras opções são branco e prata).

No mais, com exceção dos exclusivos pneus Michelin Pilot Sport 4 (na medida 205/45 R17, opcional na versão comum), é o bom e velho R.S., com pegada forte pra quem não se contenta com “esportivados” (para quem curte, indicamos o 1.6 G.T. Line, de R$ 55.900). Porque aqui a esportividade está também onde mais importa – na mecânica e na dinâmica. O motor 2.0 16V – aspirado, portanto sem nenhum turbo lag – tem 150 cv e 20,9 kgfm (etanol) e vem acoplado a uma transmissão manual de seis marchas, levando o hatch de ​0-100​ ​km/h​ ​em​ ​ótimos​ ​8​ ​segundos.

Essa mecânica está fixada a um chassi modificado, com molas e amortecedores muito mais rígidos, barra estabilizadora mais grossa, freios a disco nas quatro rodas e direção eletro-hidráulica com acerto especial. Interessante é o “R.S. Drive”, com três modos de condução. O Standard é para uso diário, mais contido e com controle de estabilidade ativado (sim, ele tem ESP!). No Sport, esse sistema fica mais permissivo, o acelerador responde mais rápido, o ronco aumenta, as rotações caem lentamente e a marcha lenta sobe a 950​ ​rpm.​ ​No​ ​Sport+,​ ​​o​ ESP é totalmente ​desligado. Em muitas voltas no Autódromo de Curitiba, aceleramos o hatch até o limite. E é incrível como vinha sempre “na mão”, com ótimo grip (melhorado pelos novos pneus).

É verdade que a direção podia ser mais direta, os engates mais precisos e os bancos mais duros – mas nada disso estragou a diversão. No modo Sport há indicação sonora para troca de marcha no limite das rotações, para o “piloto” manter todo o foco na pista. As relações curtíssimas do câmbio permitem manter os giros sempre entre 5.000 e 6.000 rpm, explorando melhor o motor 16V. Já o ESP tem atuação tímida, como deve ser em um esportivo. Age só no limite, e de modo bem sutil, deixando o “piloto” conviver com as sensações do hot hatch e sua discreta tendência a sair de frente.

A única e inevitável desvantagem em relação aos esportivados está no consumo – pior que o do Mercedes A 45 AMG, com tração integral e 360 cv. O rival mais próximo do Sandero R.S. é o Peugeot 208 GT ( 1.6 turbo de 173 cv e 24,5 kgfm). Mas ele é mais caro (R$ 83.990) e não tem um acerto tão afiado. O Sandero R.S., normal ou Racing Spirit, segue como campeão nacional de custo-diversão. Por isso mesmo já teve mais de 2.200 unidades – um bom número para esse nicho de mercado.


Ficha técnica:

Renault Sandero R.S. Racing Spirit

Preço básico: R$ 66.400
Carro avaliado: R$ 66.400
Motor: 4 cilindros em linha 2.0, 16V
Cilindrada: 1998 cm3
Combustível: flex
Potência: 145 cv a 5.750 rpm (g) e 150 cv a 5.750 rpm (e)
Torque: 20,2 kgfm a 4.000 rpm (g) e 20,9 kgfm a 4.000 (e)
Câmbio: manual, seis marchas
Direção: eletro-hidráulica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,068 m (c), 1,733 m (l), 1,499 m (a)
Entre-eixos: 2,590 m
Pneus: 205/45 R17
Porta-malas: 320 litros
Tanque: 50 litros
Peso: 1.161 kg
0-100 km/h: 8s4 (g) e 8s0 (e)
Velocidade máxima: 200 km/h (g) e 202 km/h (e)
Consumo cidade: 8,3 km/l (g) e 5,9 km/l (e)
Consumo estrada: 10,8 km/l (g) e 7,6 km/l (e)
Emissão de CO2: 148 g/km
Nota do Inmetro: D
Classificação na categoria: E (Compacto)