Avaliação: SsangYong Actyon Sports é um estranho no ninho

Apesar da carroceria bastante incomum, a SsangYong Actyon Sports tem mais características para agradar aos fãs das picapes médias tradicionais do que àqueles consumidores mais “moderninhos”

A picape SsangYong Actyon Sports não é exatamente novidade. Mas é como se fosse, tamanha a atenção que o modelo desperta no trânsito. Lançada em 2006, a picape derivada do SUV Actyon (primeiro SUV-cupê do mundo) evoluiu muito nessa terceira geração, ainda de 2012 (que abandonou o Brasil em 2015 e voltou no ano passado, com nova mecânica). Ainda assim, ela continua se destacando, mais por ser rara do que pelo design em si. E, sem que muitos saibam, é das picapes a diesel mais acessíveis do mercado.

Com porte intermediário entre o da Fiat Toro e o das médias tradicionais, a Actyon Sports volta ao Brasil em duas versões: STD (R$ 129.990) e DLX (R$ 149.990). Com o novo motor 2.2 turbodiesel de 178 cv (o 2.0 tinha 155) e o câmbio automático de seis marchas, são quase idênticas por fora. Mas só a topo de linha traz rack no teto, banco elétricos para o motorista, chave presencial e piloto automático. O exotismo do exterior se repete no interior – mais na disposição dos comandos do que nas linhas. O comando do computador de bordo fica no painel, no mesmo módulo do botão do pisca-alerta e do desembaçador do vidro traseiro, enquanto a regulagem de altura dos faróis fica junto dos comandos de ventilação.

Já o interior é mais apertado do que o das picapes médias mais atuais, com pouco espaço para as pernas no banco traseiro, e a lista de equipamentos deixa de fora itens presentes em modelos da mesma faixa de preços, como assistente de partida em rampas, controle de estabilidade e airbags laterais e de cortina.

Por outro lado, os bancos são confortáveis e têm tecido agradável ao toque. Os materiais macios estão presentes mesmo em áreas quase invisíveis do painel. Além disso, o isolamento acústico é digno do visto em SUVs mais caros: na estrada e em velocidade de cruzeiro, quase não se ouve o motor funcionar. Montada sobre chassi, a Actyon Sports agrada mais aos que curtem o comportamento de uma picape “raiz”.

A direção hidráulica é pouco direta, enquanto a suspensão, embora seja mais macia e confortável do que a média em pistas com bom pavimento, transmita para a cabine todas as vibrações dos buracos e ondulações. O conjunto mecânico mostra desempenho condizente com a proposta. Mas sem contar com controles eletrônicos, a picape exige moderação do motorista ao pisar no acelerador em piso molhado e com a caçamba vazia. Com a tração 4×4 acionada, o comportamento fica um tanto mais agradável e previsível, embora com aumento no consumo de combustível.

No final das contas, a Actyon Sports é uma picape para quem quer chamar a atenção nas ruas, mas não faz questão de muito espaço na caçamba ou de uma lista recheada de equipamentos tecnológicos. Para atender a esse público, a SsangYong promete trazer até o fim do primeiro semestre a recém-lançada Musso. Essa, sim, uma picape média “de verdade”.


Ficha técnica:

Ssangyong Actyon Sports DLX

Preço básico: R$ 129.990
Carro avaliado: R$ 149.990
Motor: 4 cilindros em linha 2.2, 16V, turbodiesel
Cilindrada: 2157 cm³
Combustível: diesel
Potência: 178 cv a 4.000 rpm
Torque: 41 kgfm de 1.400 a 2.800 rpm
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: hidráulica
Suspensões: duplo A (d) e eixo rígido com five-link (t)
Freios: disco ventilado (d/t)
Tração: 4×2 ou 4×4, com reduzida e bloqueio eletrônico do diferencial traseiro
Dimensões: 4,999 m (c), 1,910 m (l), 1,780 m (a)
Entre-eixos: 3,060 m
Pneus: 225/80 R18
Caçamba: 1.126 litros/1.000 kg
Tanque: 75 litros
Peso: 2.028 kg
0-100 km/h: 12s0 (medição MOTOR SHOW)
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 9,1 km/l
Consumo estrada: 11,2 km/l
Emissão de CO²: 201 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: C (picape)