Avaliação: Toyota Etios 2017 é o senhor da razão

0
197406

Olhando por fora mal dá para notar, mas o Etios mudou. Ganhou uma antena mais curta e novas rodas. E só. Não podia ser diferente com esse Toyota, uma das compras mais racionais do mercado. Hatch e sedã chegam à linha 2017 – mudados no que era fundamental – para seguirem conquistando mais pelas qualidades construtivas e dirigibilidade do que pelo visual. E fundamental, no caso, era consertar o pavoroso painel e oferecer um câmbio automático. Mas a marca até foi além.

Às tradicionais configurações X, XS e XLS (hatch/sedã) e Cross (hatch), se somam inéditas opções automáticas. Estarão nas lojas a partir do dia 28 próximo. Com câmbio manual – agora de seis marchas – o hatch custa R$ 43.990 (X), R$ 48.995 (XS), R$ 53.895 (XLS) e R$ 57.395 (Cross), enquanto o sedã sai por R$ 48.495 (X), R$ 51.695 (XS) e R$ 56.795 (XLS). Interessante é que a Toyota oferece a caixa automática desde a versão de entrada. Custa sempre R$ 3.500, levando o hatch XLS das fotos aos R$ 57.395 do Cross manual (e colocando o hatch X como carro automático mais barato do Brasil). Confira aqui todas as versões, preços e equipamentos.


A mudança mais importante se nota logo ao entrar no carro. Duramente criticado por público e crítica, o painel de instrumentos – que havia ganhado melhorias discretas ao longo do tempo – enfim mudou substancialmente. Continua central (o que nem todos gostam), mas no lugar daquele plástico com ponteiros correndo atrás, de péssima leitura, há um painel digital com tela de 4,2”. À esquerda fica o velocímetro digital, enquanto na direita pode-se optar por ver conta-giros/consumo médio, computador de bordo ou até um sistema que calcula quanto se gastou (em reais) numa viagem.

Na mecânica, não mudam apenas as transmissões. Agora fabricados no Brasil (Porto Feliz, SP), os motores 1.3 e 1.5 ganharam comando variável (Dual-VVTi), maior taxa de compressão e outras melhorias. Aposentaram o tanquinho de partida a frio, ganharam potência (o 1.3 foi de 90 para 98 cv com etanol; o 1.5 passou de 96 para 107 cv) e ainda ficaram mais econômicos. Outras mudanças foram melhorias na acústica e um retrabalho das suspensões, que ganharam batentes hidráulicos e estão mais macias. Além disso, a direção elétrica foi recalibrada (já era boa) e há novos equipamentos (apoio de cabeça central, isofix e chave canivete em todas as versões; piloto automático e apoio de braço a partir da XS AT).

Aceleramos os Etios hatch nas versões de entrada e topo de linha XLS. Vamos começar pela última, a que você vê nas fotos. O painel foi aprovado, principalmente se comparado ao anterior. A configuração é simples, por botões no volante e nele próprio, e a leitura é clara. Já a transmissão automática, por ter só quatro marchas sem trocas sequenciais, era candidata a decepcionar. Mas não foi o que ocorreu. Isso porque, além de bem programada, está combinada a um motor elástico e moderno – o que ajuda a “disfarçar” as relações longas. Claro que o consumo é pior que nas versões manuais, mas ainda assim é inferior ao de um Gol 1.0 8V. Na estrada, marcamos 15 km/l (gasolina) a 120 km/h. As retomadas não são exatamente rápidas, mas suficientes. Na cidade, o consumo ficou em 9 km/l e não houve incômodo com “buracos” entre marchas. Só em ladeiras íngremes falta força após subidas de marcha.

Já a versão X é a única com motor 1.3 16V. Graças à sexta marcha da nova transmissão, de engates impecáveis, vai bem até na estrada. A 120 km/h o conta-giros está a discretas 2.800 rpm e o consumo fica na faixa de 18 km/l (nos teste do Inmetro, gasta o mesmo que o Hyundai HB20 1.0 com seu motor 3 cilindros, mas anda mais: são 2s2 de vantagem no 0-100 km/h). O Etios X não tem rádio nem rodas de liga, mas fora isso vem completinho. Por pouco mais do que custa o Fiat Mobi Like On e outros 1.0, é mais econômico e muito superior mecanicamente. Na hora de fazer sua escolha, não deixe de considerá-lo.

Toyota Etios Hatchback XLS 1.5 AT

Preço básico: R$ 43.990
Carro avaliado: R$ 57.395
Motor: 4 cilindros em linha 1.5, 16V, duplo comando variável
Cilindrada: 1496 cm3
Combustível: flex
Potência: 102 cv a 5.600 rpm (g) e 107 cv a 5.600 rpm (e)
Torque: 14,3 kgfm a 4.000 rpm (g) e 14,7 kgfm a 4.000 rpm
Câmbio: automático, quatro marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: discos ventilados (d) e tambor (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 3,777 m (c), 1,695 m (l), 1,510 m (a)
Entre-eixos: 2,460 m
Pneus: 185/60 R15
Porta-malas: 270 litros
Tanque: 45 litros
Peso: 965 kg
0-100 km/h: 13s7 (g) e 12s7 (e)
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 11,9 km/l (g) e 8,1 km/ (e)
Consumo estrada: 13,2 km/l (g) e 9,2 km/ (e)
Emissão de CO2: 106 g/km*
Classificação na categoria: A (Compacto*)
Nota do Inmetro: B*
Com etanol: ZERO