Avaliação: Toyota SW4 Flex é um SUV à moda antiga

0
35996

Numa época em que quase todos os utilitários esportivos nada mais são do que crossovers e que os próprios SUVs abriram mão da robustez em busca de conforto, é interessante ver que o Toyota SW4 mantém a tradição. Trata-se de um carro que usa a velha fórmula da carroceria montada sobre um chassi, como eram os primeiros SUVs. Mesmo assim, o SW4 consegue ser bem confortável, pois sua suspensão traseira independente (de quatro braços com molas helicoidais) foi recalibrada nessa nova geração para melhorar a maciez no rodar.

O resultado é um carro robusto e ao mesmo tempo agradável. A novidade aqui, entretanto, é a chegada do motor flex, que estava há cerca de um ano fora da linha SW4. O motor é o mesmo 2.7 de 159/163 cavalos, mas agora com duplo comando variável e com sistema de partida a frio (eliminou o tanquinho de gasolina). Melhor que isso, a transmissão automática passou de quatro para seis velocidades. Essas modificações fizeram bem ao SW4 flex. Disponível com cinco lugares (R$159.600) ou com sete (R$ 164.900), a versão SR 2.7 AT Flex também tornou o carro muito mais acessível.

Antes, o Toyota SW4 mais em conta era o V6 4.0 a gasolina (R$ 216.700). Verdade que na concorrência você ainda encontra um Chevrolet Trailblazer de R$ 159.990 e com muito mais potência (277 cv), mas não é flex e não tem o mesmo carisma. Em termos de economia de combustível, usar o SW4 flex na cidade representa pouca vantagem – apenas R$ 256 a cada 5.000 km, em comparação com o Trailblazer V6 a gasolina. E na estrada o dono de um SW4 gastaria mais (R$ 152). Entretanto, quem gosta do SUV da Toyota não quer saber do rival da Chevrolet.


Enquanto o SW4 ocupa a sétima posição no ranking da categoria (6.063 vendas até julho), o Trailblazer é apenas o 32º carro mais procurado (539 vendas). Rodando, o Toyota agrada bastante. Seu alto padrão de conforto, a generosidade do espaço interno, o bom acabamento, o conforto dos bancos, a maciez da suspensão e até o silêncio a bordo surpreende, justificando seu preço. O carro é imponente e seguro. Na configuração de cinco lugares, o porta-malas é gigante. Só o sistema multimídia peca, por ter manuseio complicado e às vezes irritante.

—–

Ficha técnica:

Toyota SW4 2.7 Flex SR AT

Preço básico: R$ 159.600
Carro avaliado: R$ 159.600
Motor: 4 cilindros em linha 2.7, 16V, duplo comando variável
Cilindrada: 2694 cm3
Combustível: flex
Potência: 159 cv a 5.000 rpm (g) e 163 cv a 5.000 rpm (e)
Torque: 25,0 kgfm a 4.000 rpm (g/e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: hidráulica
Suspensões: McPherson (d) four-link com molas helicoidais (t)
Freios: disco ventilado (d/t)
Tração: traseira
Dimensões: 4,795 m (c), 1,855 m (l), 1,835 m (a)
Entre-eixos: 2,745 m
Pneus: 265/65 R17
Porta-malas: 590 litros
Tanque: 80 litros
Peso: 1.880 kg
0-100 km/h: 14s6 (MOTOR SHOW)
Velocidade máxima: não divulgada
Consumo cidade: 7,1 km/l (g) e 4,9 km/l (e)
Consumo estrada: 8,5 km/l (g) e 5,9 km/l (e)
Nota do Inmetro: E
Emissão de CO2: 180 g/km (com etanol = 0 g/km)
Classificação na categoria: E (Utilitário Esportivo Grande)