Avaliação: VW Polo Beats é músico bom, mas falta palco

As versões turbo do VW Polo têm como opcional o som premium Beats, mas não adianta alto-falantes poderosos se a montagem não está à altura

Enquanto avaliava o Polo Beats, morreu João Gilberto, um dos maiores músicos da história. Aproveitei para fazer meu tributo: cai na estrada e botei o álbum Getz/Gilberto para tocar. Música de alta qualidade em um sistema de som premium, não poderia ser melhor. Mas logo me lembrei de João no palco, mostrando a língua para o público do Credicard Hall, em plena inauguração da casa, em 1999. O músico respondia às vaias que levou por criticar a qualidade do som, e prometeu não mais tocar lá. Acho que se ouvisse sua voz e seu violão no Polo, tampouco o compraria.

E não é preciso ser exigente como João para reclamar – diversos consumidores nas redes sociais se queixam dele. Como no Credicard Hall, falta palco: o som é límpido em baixo volume, mas não é preciso aumentar muito o volume para os graves poderosos, mesmo com a voz calma e o violão suave de João, fazerem reverberar painel de porta e acabamentos, numa sinfonia de plástico que se sobrepõe à voz do cantor. Um caso de “músico bom, mas falta palco”.

O Polo Beats é um kit opcional de R$ 3.020 no versão Comfortline e R$ 2.400 no Highline (é mais caro no Polo básico pois troca rodas aro 15 por 16, que a versão top sempre tem). Por esses valores, tem amplificador de 300W, quatro alto-falantes e dois tweeters especiais (na coluna, com logo Beats), além de subwoofer no porta-malas – daí o sistema S.A.V.E., com prateleira que divide o bagageiro, ser adicionado (debaixo sobra pouco espaço, então ele fica menor). Ainda fazem parte do pacote adesivos laterais, soleiras Beats e bancos com costuras vermelhas, além de painel todo com acabamento vermelho (um tanto cansativo) e retrovisores na mesma cor (esses charmosos).

Uma outra coisa boa do som poderoso é que esconde o barulho do três cilindros – que, convenhamos, não é tão bonito. Sua performance, por outro lado, impressiona. O carro é bem ágil, ainda mais quando se assume as trocas de marcha pelas aletas (e ainda assim econômico). E as suspensões são macias, mas mantém o carro plantado ao chão, com maturidade dinâmica equivalente à do Golf. No fim, ao volante esse é o mesmo Polo de sempre, o melhor do segmento nesse ponto, pois é um carro extremamente afinado – bem mais que esse sistema de som.


Ficha técnica:

Volkswagen Polo Highline 200 TSI

Preço básico: R$ 76.990
Carro avaliado: R$ 85.260
Motor: três cilindros em linha 1.0, 12V, duplo com.variável, turbo, injeção direta
Cilindrada: 999 cm³
Combustível: flex
Potência: 116 cv (g) e 128 cv (e) a 5.500 rpm
Torque: 20,4 kgfm de 2.000 a 3.500 rpm (g/e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,057 m (c), 1,751 m (l), 1,468 m (a)
Entre-eixos: 2,565 m
Pneus: 195/55 R16 (opc.:205/50 R17)
Porta-malas: 280 litros (estimado)
Tanque: 52 litros
Peso: 1.147 kg
0-100 km/h: 10s1 (g) e 9s6 (e)
Velocidade máxima: 187 km/h (g) e 192 km/h (e)
Consumo cidade: 11,4 km/l (g) e 7,9 km/l (e)
Consumo estrada: 13,9 km/l (g) e 9,5 km/l (e)
Emissão de CO²: 107 g/km
Nota do Inmetro: B
Classif. na categoria: C (Médio)